• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Como fazer um texto dissertativo-argumentativo para o Enem

A redação do Enem te dá pesadelos? Você sua frio só de pensar em ter que desenvolver um texto que não tire nota zero e, ainda por cima, garanta uma vaga na faculdade dos sonhos? A gente sabe que a pressão é imensa e, por isso, vamos te ajudar a fazer um texto dissertativo-argumentativo para o Enem!

Antes de mais nada, é super importante entender o que é um texto dissertativo-argumentativo e como ele deve ser escrito para o Enem. De forma resumida, trata-se de uma produção na qual um autor defende seu ponto de vista com argumentos. Acontece que, no Enem, o candidato precisa também apresentar propostas de solução para os problemas trazidos na argumentação.

Parece complicado e mega difícil? Calma que não é tanto assim! Com as nossas dicas, você entende a estrutura do texto dissertativo-argumentativo e faz aquela redação sinistra!

Características do texto dissertativo-argumentativo

O texto dissertativo-argumentativo – também chamado de dissertação – é um texto que discute assuntos socialmente relevantes. No Enem, ele traz questões polêmicas ou que merecem atenção no Brasil e no mundo.

A estrutura desse tipo de texto segue uma espécie de fórmula, que precisa ser obedecida. Ela é dividida em três partes fundamentais, que são introdução, argumentação e conclusão.

O candidato que entender isso e aprender a desenvolver cada ponto já tem grandes chances de se dar bem na prova. Por isso, se liga na estrutura do texto dissertativo-argumentativo!

Introdução da dissertação

Aqui, você precisa deixar claro qual será o assunto abordado no texto, além do ponto de vista que será defendido.

Argumentação do texto dissertativo-argumentativo

Nesses parágrafos intermediários, é preciso fazer a defesa do seu ponto de vista com argumentos. O argumento é uma estrutura textual que, por meio da análise de provas ou fundamentos, confirma o ponto de vista do autor. 

Conclusão da dissertação 

A parte final de um texto dissertativo-argumentativo pode ser feita de duas maneiras: por meio de uma síntese ou proposta de solução.

Quem opta por fazer a conclusão por síntese deve repetir os argumentos de forma resumida e concluir o texto confirmando a veracidade da tese. 

Na conclusão com propostas de solução – modelo cobrado do Enem – é preciso retomar os problemas discutidos na argumentação e, depois, propor intervenções que eliminem ou diminuam o problema.

Para tirar uma nota alta na redação do Enem, é preciso que essas soluções sejam detalhadas, citando quem promoverá a mudança, o que será feito, como será feito e para que cada ação será executada.

Como fazer um texto dissertativo-argumentativo?

Para produzir um bom texto dissertativo-argumentativo, é muito importante prestar atenção ao que cada parte do texto precisa conter: introdução, desenvolvimento e conclusão.

Alguns outros pontos são essenciais:

  • Uso da norma-padrão da Língua Portuguesa;
  • Fundamentar os argumentos a partir de conhecimentos de diversas áreas;
  • Apresentar domínio dos elementos de coesão e coerência da língua;
  • Respeitar os direitos humanos, estabelecidos na Declaração Universal redigida pela ONU.

Tudo isso pareceu muito complicado de entender? Que tal, então, conhecer a estrutura de um texto dissertativo-argumentativo perfeito para ver como é fazer isso na prática?

Veja, a seguir, um exemplo de redação nota 1.000 do Enem! 

Exemplo de redação nota 1.000 – Thais Saeger (Enem 2018)

É fato que a tecnologia revolucionou a vida em sociedade nas mais variadas esferas, a exemplo da saúde, dos transportes e das relações sociais. No que concerne ao uso da internet, a rede potencializou o fenômeno da massificação do consumo, pois permitiu, por meio da construção de um banco de dados, oferecer produtos de acordo com os interesses dos usuários. Tal personalização se observa, também, na divulgação de informações que, dessa forma, se tornam, muitas vezes, tendenciosas. Nesse sentido, é necessário analisar tal quadro, intrinsecamente ligado a aspectos educacionais e econômicos.

É importante ressaltar, em primeiro plano, de que forma o controle de dados na internet permite a manipulação do comportamento dos usuários. Isso ocorre, em grande parte, devido ao baixo senso crítico da população, fruto de uma educação tecnicista, na qual não há estímulo ao questionamento.

Sob esse âmbito, a internet usufrui dessa vulnerabilidade e, por intermédio de uma análise dos sites mais visitados por determinado indivíduo, consegue rastrear seus gostos e propor notícias ligadas aos seus interesses, limitando, assim, o modo de pensar dos cidadãos. Em meio a isso, uma analogia com a educação libertadora proposta por Paulo Freire mostra-se possível, uma vez que o pedagogo defendia um ensino capaz de estimular a reflexão e, dessa forma, libertar o indivíduo da situação a qual encontra-se sujeitado – neste caso, a manipulação.

Cabe mencionar, em segundo plano, quais os interesses atendidos por tal controle de dados. Essa questão ocorre devido ao capitalismo, modelo econômico vigente desde o fim da Guerra Fria, em 1991, o qual estimula o consumo em massa. Nesse âmbito, a tecnologia, aliada aos interesses do capital, também propõe aos usuários da rede produtos que eles acreditam ser personalizados.

Partindo desse pressuposto, esse cenário corrobora o termo “ilusão da contemporaneidade” defendido pelo filósofo Sartre, já que os cidadãos acreditam estar escolhendo uma mercadoria diferenciada mas, na verdade, trata-se de uma manipulação que visa ampliar o consumo.

Infere-se, portanto, que o controle do comportamento dos usuários possui íntima relação com aspectos educacionais e econômicos.

Desse modo, é imperiosa uma ação do MEC, que deve, por meio da oferta de debates e seminários nas escolas, orientar os alunos a buscarem informações de fontes confiáveis como artigos científicos ou por intermédio da checagem de dados, com o fito de estimular o senso crítico dos estudantes e, dessa forma, evitar que sejam manipulados.

Visando ao mesmo objetivo, o MEC pode, ainda, oferecer uma disciplina de educação tecnológica nas escolas, através de sua inclusão na Base Comum Curricular, causando um importante impacto na construção da consciência coletiva. Assim, observar-se-ia uma população mais crítica e menos iludida.

Percebeu como cada ponto citado lá em cima se encaixou perfeitamente nesse texto? Conseguimos identificar, de forma clara, a parte da introdução, do desenvolvimento e da conclusão, com sugestão de intervenção.

Que tal se inspirar nessa redação e fazer a sua redação nota 1.000? Além disso, o Valladares e a Mafê ensinam todas as dicas pra você arrasar na dissertação da prova! No vídeo abaixo você vai entender o que precisa saber, fazer e em quais pontos precisa prestar muita atenção pra conquistar aquele notão!

Dicas para uma redação nota 1000 no Enem

Ah, não poderia faltar o mapa mental com a estrutura da dissertação pra te ajudar, né? Confere lá!

Com todo o nosso conteúdo e nossas aulas online para o Enem, você aprende tudo  que é exigido na prova, além de como fazer a redação perfeita! Vem com a gente!