• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Como abordar o eixo temático “Questões Sociais” em uma redação?

Já sabe como abordar questões sociais na sua redação do Enem? Veja duas proposta de redação com esta temática e prepare-se para o exame!

Hoje chegamos ao nosso terceiro Eixo Temático. Dessa vez, um dos mais importantes, já que abraça o maior número de temáticas não só do ENEM, mas de todos os outros vestibulares. Sabemos que toda e qualquer discussão que atinja, de alguma forma, a sociedade pode ser considerada uma questão social. Sabemos, também, que o ENEM costuma propor, em suas provas, discussões que, da mesma forma que o eixo, abordem problemáticas da própria sociedade. Dessa forma, a melhor maneira de começar um material sobre o Eixo Temático de Questões Sociais, sem dúvida, é apontando como podemos analisar, com base no Eixo, algumas das temáticas propostas pelo ENEM. Vamos dar uma olhada? Vamos pegar dois temas abordados pelo ENEM em 2009. Veja!

importante

Tema 1

ENEM 2009 (prova válida): “O indivíduo frente à ética nacional”

Millôr

Charge de Millôr Fernandes apresentada na proposta de Redação do ENEM 2009

O indivíduo frente à ética nacional discute questões sociais? É óbvio que sim! Só a charge de Millôr reproduzida aqui já diz muita coisa. Vivemos em uma sociedade em que ser honesto é raridade. Quando uma carteira perdida é devolvida por quem a achou, a mídia divulga o caso como se fosse algo anormal, como se não precisasse ser normal. Note que a charge generaliza a corrupção, a desonestidade, quando utiliza o substantivo “gente”. Não há políticos desonestos, não há empresários desonestos, não há ricos desonestos. Há gente desonesta. Existir gente honesta é raro.

Tudo isso é complementado pelo texto de Lia Luft, articulista da revista Veja, que fala sobre o comodismo do brasileiro, que não denuncia o que há de errado na sociedade. Hoje, só denunciamos os grandes problemas, as grandes corrupções, mas deixamos de lado tudo aquilo que passa pelo famoso “jeitinho brasileiro”. Falando em “jeitinho brasileiro”, já deu uma olhada na proposta do Descomplica sobre isso? 🙂

O último texto, de Contardo Calligaris, psicanalista, fala sobre o famoso “eles são corruptos” sem a inclusão de quem fala, ou seja, do hábito da sociedade de apontar os erros dos grandes desonestos e deixar de olhar para os seus próprios problemas. Mais uma vez, falando da desonestidade e do indivíduo frente à ética nacional.

Qual a posição do indivíduo, então? Conformado? Honesto? Desonesto? Deixe sua opinião nos comentários!

 

Tema 2

ENEM 2009 (prova anulada): “Valorização do idoso”

casal 20

Imagem reproduzida na proposta da prova anulada de 2009.

O tema da primeira aplicação do ENEM de 2009, anulada, também tem muita ligação com o nosso eixo de Questões Sociais. Afinal, vivemos em um país que envelhece mais a cada dia, resultado de investimentos em saúde e políticas de previdência social. Você já viu isso nas suas aulas de Geografia, né? Todo esse envelhecimento e essas novas políticas trazem consequências para a nossa sociedade e é sempre importante discuti-las. A proposta, porém, não trata de todas essas consequências. O ENEM de 2009 pediu uma discussão sobre a valorização do idoso. Ela acontece? Se sim, por que sim? Se não, por que não?

O primeiro texto traz trechos do Estatuto do Idoso, que assegura direito à vida, saúde, alimentação, cultura etc. e, principalmente, respeito em sociedade. Todas essas informações já dão espaço para uma pergunta importante: esses direitos são valorizados hoje? São colocados em prática?

O último texto aborda o envelhecimento da população. De fato, se estamos envelhecendo, precisamos de políticas que deem conta dessa nova camada da nossa sociedade. Essas políticas estão sendo planejadas? Estão sendo aplicadas? Precisamos discutir isso tudo que, de certa forma, envolve a questão da valorização do idoso. Para você, os idosos são valorizados, levando em consideração todas essas questões levantadas pelos textos motivadores? Dê a sua opinião nos comentários!

 

Se pensarmos um pouco mais, todas as propostas do ENEM, de 1998 até agora, falam de questões sociais. Hoje, discutimos duas muito interessantes – e distantes, que podem ser retomadas de alguma forma! Seu papel, agora, é pegar todas as outras e pensar de que forma esse eixo tão importante pode fazer diferença na hora de fazer um texto com alguma delas. Vamos? Antes de treinar, dê uma olhada nos exercícios que selecionamos! Sim, o eixo de Questões Sociais também é cobrado em questões objetivas! Depois disso, vamos escrever!

Bom texto e bom 1000!

 

Exercícios

1. (ENEM – 2012)

Lugar de mulher também é na oficina. Pelo menos nas oficinas dos cursos da área automotiva fornecidos pela Prefeitura, a presença feminina tem aumentado ano a ano. De cinco mulheres matriculadas em 2005, a quantidade saltou para 79 alunas inscritas neste ano nos cursos de mecânica automotiva, eletricidade veicular, injeção eletrônica, repintura e funilaria. A presença feminina nos cursos automotivos da Prefeitura — que são gratuitos — cresceu 1.480% nos últimos sete anos e tem aumentado ano a ano.

Disponível em: www.correiodeuberlandia.com.br. Acesso em: 27 fev. 2012 (adaptado).

Na produção de um texto, são feitas escolhas referentes a sua estrutura, que possibilitam inferir o objetivo do autor. Nesse sentido, no trecho apresentado, o enunciado “Lugar de mulher também é na oficina” corrobora o objetivo textual de

a) demonstrar que a situação das mulheres mudou na sociedade contemporânea.

b) defender a participação da mulher na sociedade atual.

c) comparar esse enunciado com outro: “lugar de mulher é na cozinha”.

d) criticar a presença de mulheres nas oficinas dos cursos da área automotiva.

e) distorcer o sentido da frase “lugar de mulher é na cozinha”.

VEJA COMO RESOLVER PASSO-A-PASSO ESTA QUESTÃO!

 

2. (ENEM – 2013)

Olá! Negro

Os netos de teus mulatos e de teus cafuzos

e a quarta e a quinta gerações de teu sangue sofredor tentarão apagar a tua cor!

E as gerações dessas gerações quando apagarem a tua tatuagem execranda,

não apagarão de suas almas, a tua alma, negro!

Pai-João, Mãe-negra, Fulo, Zumbi,

negro-fujão, negro cativo, negro rebelde

negro cabinda, negro congo, negro ioruba,

negro que foste para o algodão de USA

para os canaviais do Brasil,

para o tronco, para o colar de ferro, para a canga

de todos os senhores do mundo;

eu melhor compreendo agora os teus blues

nesta hora triste da raça branca, negro!

Olá, Negro! Olá, Negro!

A raça que te enforca, enforca-se de tédio, negro!

LIMA, J. Obras completas. Rio de Janeiro: Aguilar, 1958 (fragmento).

O conflito de gerações e de grupos étnicos reproduz, na visão do eu lírico, um contexto social assinalado por

a) modernização dos modos de produção e consequente enriquecimento dos brancos.

b) preservação da memória ancestral e resistência negra a apatia cultural dos brancos.

c) superação dos costumes antigos por meio da incorporação de valores dos colonizados.

d) nivelamento social de descendentes de escravos e de senhores pela condição de pobreza.

e) antagonismo entre grupos de trabalhadores e lacunas de hereditariedade.

VEJA COMO RESOLVER PASSO-A-PASSO ESTA QUESTÃO!

 

3. (ENEM – 2014)

TEXTO I
João Guedes, um dos assíduos frequentadores do boliche do capitão, mudara-se da campanha havia três anos. Três anos de pobreza na cidade bastaram para o degradar. Ao morrer, não tinha um vintém nos bolsos e fazia dois meses que saíra da cadeia, onde estivera preso por roubo de ovelha. A história de sua desgraça se confunde com a da maioria dos que povoam a aldeia de Boa Ventura, uma cidadezinha distante, triste e precocemente envelhecida, situada nos confins da fronteira do Brasil com o Uruguai.

MARTINS, C. Porteira fechada. Porto Alegre: Movimento, 2001 (fragmento).

TEXTO II
Comecei a procurar emprego, já topando o que desse e viesse, menos complicação com os homens, mas não tava fácil. Fui na feira, fui nos bancos de sangue, fui nesses lugares que sempre dão para descolar algum, fui de porta em porta me oferecendo de faxineiro, mas tava todo mundo escabreado pedindo referências, e referências eu só tinha do diretor do presídio.

FONSECA, R. Feliz Ano Novo. São Paulo: Cia. Das Letras, 1989 (fragmento).

A oposição entre campo e cidade esteve entre as temáticas Tradicionais da literatura brasileira. Nos fragmentos dos dois autores contemporâneos, esse embate incorpora um elemento novo: a questão da violência e do desemprego. As narrativas apresentam confluências, pois nelas o(a)

a) criminalidade é algo inerente ao ser humano, que sucumbe a suas manifestações.

b) meio urbano, especialmente o das grandes cidades, estimula uma vida mais violenta.

c) falta de oportunidades na cidade dialoga com a pobreza do campo rumo à criminalidade.

d) êxodo rural e a falta de escolaridade são causas da violência nas grandes cidades.

e) complacência das leis e a inércia das personagens são estímulos à prática criminosa.

VEJA COMO RESOLVER PASSO-A-PASSO ESTA QUESTÃO!

 

Gabarito

1. A

2. B

3. C