• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Questões Comentadas: Coesão Textual

Leia o resumo O que é Coesão Textual? e resolva os exercícios abaixo.

1. (UERJ 2015 – 2º Exame de Qualificação)

UERJ - EQ

A crônica de Gregorio Duvivier é construída em um único parágrafo com uma única frase. Essa frase começa e termina pela mesma expressão: é menina. Em termos denotativos, a menina, referida no final do texto, pode ser compreendida como:

a) filha da primeira
b) ideal de pureza
c) mulher na infância
d) sinal de transformação

2. (UERJ 2012 – 2º Exame de Qualificação)

red

Na coesão textual, ocorre o que se chama catáfora quando um termo se refere a algo que ainda vai ser enunciado na frase. Um exemplo em que o termo destacado constrói uma catáfora é:

a) Como se ela restituísse, (l. 7)
b) Pode ser que essas suposições tenham algo de utópico, (l. 17)
c) não numa partícula verbal externa a elas, (l. 22-23)
d) No seu estado de língua, no dicionário, as palavras intermedeiam (l.30)

 

3. (ENEM 2009)

Manuel Bandeira

Filho de engenheiro, Manuel Bandeira foi obrigado abandonar os estudos de arquitetura por causa da tuberculose. Mas a iminência da morte não marcou de forma lúgubre sua obra, embora em seu humor lírico haja sempre um toque de funda melancolia, e na sua poesia haja sempre um certo toque de morbidez, até no erotismo.

Tradutor de autores como Marcel Proust e William Shakespeare, esse nosso Manuel traduziu mesmo foi a nostalgia do paraíso cotidiano mal idealizado por nós, brasileiros, órfãos de um país imaginário, nossa Cocanha perdida, Pasárgada. Descrever seu retrato em palavras é uma tarefa impossível, depois que ele mesmo já o fez tão bem em versos.

Revista Língua Portuguesa, n° 40, fev. 20

A coesão do texto é construída principalmente a partir do (a)

a) repetição de palavras e expressões que entrelaçam as informações apresentadas no texto.
b) substituição de palavras por sinônimos como “lúgubre” e “morbidez”, “melancolia” e “nostalgia”.
c) emprego de pronomes pessoais, possessivos e demonstrativos: “sua”, “seu”, “esse”, “nosso”, “ele”.
d) emprego de diversas conjunções subordinativas que articulam as orações e períodos que compõem o texto.
e) emprego de expressões que indicam sequência, progressividade, como “iminência”, “sempre”, “depois”.

 

 

Gabarito

1. A

Comentário: A “menina” inicial do texto de Gregório Duvivier serve para identificar uma mulher que teve, desde pequena, uma trajetória difícil, de preconceitos sociais, carregada de estereótipos. No fim do texto, a repetição da estrutura “é menina”, a mesma do início, agora tem relação com a filha da primeira menina, agora adulta e “casada”. A “barriga pontuda”, citada anteriormente, já sugere a gravidez.

2. D

Comentário: Um dos mecanismos de coesão citados no resumo é a catáfora, que acontece quando um termo faz referência a alguma coisa que ainda será apresentada no texto. A opção D apresenta um pronome seu referindo-se ao substantivo palavras, que só aparece um pouco depois. Temos, então, um exemplo de catáfora.

3. C

Comentário: Já deu pra perceber que o ENEM gosta de ser bem direto nesse conteúdo, né? Deu pra ver, também, que Coesão não faz parte só da sua produção de texto! A questão do Exame mostra em suas opções diversas formas de construir um texto com a Coesão Sequencial e a Referencial. No trecho, a conexão das ideias – objetivo principal da Coesão – é, na maior parte das vezes, alcançada com o uso dos pronomes pessoais, possessivos e demonstrativos, já que estamos falando de um grande nome da literatura, Manuel Bandeira, e queremos evitar a sua repetição.