Você sabe como surgiu o feudalismo?  

Descubra como surgiu o feudalismo com este resumo que vai tirar todas as suas dúvidas para a aula de história!

Para saber o que foi o feudalismo, é preciso entender como se deu processo de transição da Idade Antiga para a Idade Média, desde a consolidação e queda do Império Romano do Ocidente. Veja no resumo abaixo como isso ocorreu!

O Império Romano

Em 27 a.C, Otávio Augusto se tornou imperador do Roma, dando início ao Império Romano, que teve seu fim apenas em 476 d.C. A nomenclatura império deveu-se a grande extensão territorial alcançada por Roma durante esse período. O Império Romano se estendia da Península Ibérica à Mesopotâmia, contornando grande parte do Mar Negro e todo o Mar Mediterrâneo.

Mapa do expansionismo romano
Mapa do expansionismo romano

Cristianismo

O cristianismo surgiu no Império Romano
O cristianismo surgiu no Império Romano

O nascimento de Jesus Cristo ocorreu durante o Império Romano, na atual região da Palestina, dando origem ao cristianismo, segunda grande religião monoteísta. No entanto, a relação de Roma com os cristãos nem sempre foi amigável. Os cristãos sofreram uma série de perseguições por não crerem nos deuses romanos e nem cultuarem o imperador.

Com a expansão do cristianismo, o imperador Constantino, em 313 d.C, concedeu a liberdade de culto aos cristãos, a partir do Édito de Milão. Porém, o cristianismo só veio a se tornar religião oficial do Império Romano quase 80 anos depois, com o imperador Teodósio.

Crise e queda de Roma

Diversos povos germânicos invadiram Roma, como os hunos.
Diversos povos germânicos invadiram Roma, como os hunos.

A partir do século III, o Império Romano passou por intensas crises, inclusive econômicas, devido aos altos gastos para manter suas fronteiras protegidas, além de invasões de povos bárbaros, principalmente os germânicos, que ajudaram a desestabilizar o Império.

Houve diversas tentativas de solucionar as crises, como a mudança da capital do Império para Bizâncio (futura Constantinopla e atual Istambul), por Constantino, e a divisão do território em duas partes: Império Romano do Ocidente, com capital em Roma, e Império Romano do Oriente, com capital em Constantinopla, visando melhorar a administração.

No entanto, em meio às invasões de povos bárbaros ao Império Romano do Ocidente, houve um intenso processo de ruralização visando fugir e se proteger dessas invasões. Tal fato culminou na queda de Roma, em 476, marcando o fim da Idade Antiga e o início da Idade Média.

A Idade Média e feudalismo

Representação de um feudo: em primeiro plano, servos trabalhando na agricultura, e ao fundo um castelo feudal e uma Igreja Católica.
Representação de um feudo: em primeiro plano, servos trabalhando na agricultura, e ao fundo um castelo feudal e uma Igreja Católica.

A Idade Média começou a se estruturar com a queda de Roma, quando começou a se desenvolver uma nova estrutura social, política e econômica, caracterizada por uma sociedade rural, descentralizada e estamental. A Idade Média durou mais de 1000 anos e pode ser dividida em Alta Idade Média, Idade Média Central e Baixa Idade Média.

Durante a Idade Média Central, se consolidou o que ficou conhecido como o feudalismo, que se estruturou na Europa Ocidental conciliando elementos romanos e germânicos, como o teocentrismo, baseado na grande influência ideológica da Igreja Católica Apostólica e na descentralização política.

No feudalismo, as relações políticas entre nobres eram baseadas no princípios da suserania e da vassalagem, no qual um nobre doava terras (suserano) a outro nobre (vassalo) em troca de proteção. Apesar da existência da figura do rei, seus poderes eram limitados.

A economia feudal também ocorria de forma descentralizada, dentro de estruturas chamadas feudos. Os feudos se baseavam na atividade agrícola, realizada pelos servos, e no geral eram autossuficientes, ou seja, produziam os principais produtos necessários à sobrevivência de seus habitantes.

A sociedade feudal se caracterizou por uma estrutura estamental. Os estamentos eram divididos entre os que guerreavam (nobreza), os que rezavam (clero) e os que trabalhavam (servos). A mobilidade social era quase inexistente.

EXERCÍCIOS

1.

A figura apresentada é de um mosaico, produzido por volta do ano 300 d.C., encontrado na cidade de Lod, atual Estado de Israel. Nela, encontram-se elementos que representam uma característica política dos romanos no período, indicada em:

a) Cruzadismo – conquista da terra santa.

b) Patriotismo – exaltação da cultura local.

c) Helenismo – apropriação da estética grega.

d) Imperialismo – selvageria dos povos dominados.

e) Expansionismo – diversidade dos territórios conquistados.

2. Preparando seu livro sobre o imperador Adriano, Marguerite Yourcenar encontrou numa carta de Flaubert esta frase: “Quando os deuses tinham deixado de existir e o Cristo ainda não viera, houve um momento único na história, entre Cícero e Marco Aurélio, em que o homem ficou sozinho”. Os deuses pagãos nunca deixaram de existir, mesmo com o triunfo cristão, e Roma não era o mundo, mas no breve momento de solidão flagrado por Flaubert o homem ocidental se viu livre da metafísica – e não gostou, claro. Quem quer ficar sozinho num mundo que não domina e mal compreende, sem o apoio e o consolo de uma teologia, qualquer teologia?

(Luiz Fernando Veríssimo. Banquete com os deuses)

A compreensão do mundo por meio da religião é uma disposição que traduz o pensamento medieval, cujo pressuposto é

a) o antropocentrismo: a valorização do homem como centro do Universo e a crença no caráter divino da natureza humana.

b) a escolástica: a busca da salvação através do conhecimento da filosofia clássica e da assimilação do paganismo.

c) o panteísmo: a defesa da convivência harmônica de fé e razão, uma vez que o Universo, infinito, é parte da substância divina.

d) o positivismo: submissão do homem aos dogmas instituídos pela Igreja e não questionamento das leis divinas.

e) o teocentrismo: concepção predominante na produção intelectual e artística medieval, que considera Deus o centro do Universo.

GABARITO

1. E

2. E

Continue estudando
artigo
Post do blog

Reforma protestante e a Contra-Reforma (XVI)

Sejam bem vindos ao século XVI (1501-1600), período amplamente dominado pelo poder da Igreja Católica na Europa. As doutrinas e as decisões provenientes de Roma determinavam como as pessoas deveriam viver, em que acreditar, além de conferir legitimidade ao poder dos monarcas. Isso quer dizer que a Igreja (Católica) dominava quase todos os aspectos da vida no mundo ocidental europeu. Pois bem, acontece que isso não iria durar por muito tempo. No início dos anos 1500’s começaram a surgir diversos questionamentos sobre as crenças e práticas  endossados pelo Papa, terminando por romper a hegemonia da Igreja Católica. Desses movimentos, conhecidos conjuntamente como Reforma protestante, surgiram novas religiões como o Luteranismo, Calvinismo e Anglicanismo.
artigo
Post do blog

Um resumo imperdível para quem quer revisar as principais características da Idade Média

Aluno Descomplica, tenho certeza que você se lembra do marco inicial da Idade Média. Isso mesmo, a queda de Roma! Qual a principal característica da Idade Média? O Feudalismo! Com esses conceitos em mente, vamos falar um pouco sobre essa época e sobre o desenrolar dessa história.