Blog Descomplica

Quais são as principais características do movimento literário denominado Simbolismo?

O resumo sobre Simbolismo que vai salvar a sua prova da escola ou do vestibular está te esperando bem aqui.
porDescomplica| 08/07/2016

Compartilhe

O resumo sobre Simbolismo que vai salvar a sua prova da escola ou do vestibular está te esperando bem aqui.

Ao final do século XIX, a escola literária Simbolista apresenta uma nova maneira de observar o mundo. Ao retomar traços subjetivos do movimento romântico, os simbolistas aproximam-se do plano metafísico e do campo da inconsciência humana, aprofundando os mistérios e os sentimentos de sua alma.

No filme “Nosso Lar”, observamos uma aproximação dos personagens com o plano espiritual.

O CONTEXTO SIMBOLISTA

Para compreendermos os anseios e aflições do homem simbolista, é necessário observarmos o contexto histórico ao final do século XIX. Esse período é marcado por muitas movimentações sociais e econômicas em contexto mundial. Entre elas, podemos citar: os reflexos econômicos e o progresso comercial da Revolução Industrial; os anseios democráticos da Revolução Francesa, a ascensão da burguesia, a exclusão das camadas mais baixas em relação a seu desenvolvimento igualitário e distribuição de renda, e a obtenção de lucros do Imperialismo econômico são fatores que fizeram com que o homem daquele momento se sentisse frustrado com as promessas de igualdade e oportunidade para todos.  

Nesse sentido, iremos perceber que o homem tenta fugir dessa realidade, ao entrar no plano da subjetividade, aprofundando seus sentimentos e retomando a traços pessimistas,  principalmente a características da 2ª Geração Romântica, chamada de “Mal do século” ou Ultrarromântica. Além disso, é possível perceber que a temática simbolista reage ao esquema materialista do século XIX, como também, a objetividade propagada pelas correntes cientificistas.

Imagem artística do período Simbolista.

No contexto francês, vivia-se o momento da chamada “Belle Epoque”, que foi responsável por uma explosão de mudanças, entre elas, culturais, tecnológicas, literárias, artísticas e de pensamento. Sobre as influências literárias, não podemos deixar de citar Charles Baudelaire, Arthur Rimbaud, Paul Verlaine e Stéphane Mallarmé.

 

CARACTERÍSTICAS SIMBOLISTAS

Depois de entender um pouco sobre o contexto histórico e a visão do homem do século XIX, conseguiremos entender melhor as características desse momento. Entre os aspectos simbolistas, podemos citar: o pessimismo, a valorização do plano metafísico, o misticismo, a subjetividade, a sugestão de sentimentos, a presença de figuras da linguagem, a musicalidade nas poesias e a aproximação com o campo inconsciente do indivíduo, priorizando a irracionalidade.

No Brasil, os autores de grande destaque foram Alphonsus de Guimaraens e Cruz e Souza. É importante destacar que esses autores mesclavam características simbolistas com seus sentimentos pessoais, o que deixava suas obras ainda mais profundas, marcando o sofrimento do eu lírico com seus problemas.

O autor Cruz e Souza, também chamado de “cisne negro”, possui uma vasta obra marcada pelo sofrimento e pela espiritualidade. Sua mulher e seus dois filhos morreram de tuberculose e, além disso, Cruz e Souza era negro (filho de ex escravos) e sofreu muito preconceito durante a sua vida. Em sua produção literária, percebemos a obsessão com a cor branca, a abordagem sobre a condição humana e também a presença de uma temática mais voltada ao erotismo.

O autor Cruz e Souza.

Essa mescla de traços de pessoalidade também é observada em algumas obras do autor Alphonsus de Guimaraens. Quando jovem, o autor teve que lidar com o falecimento de sua noiva e transpassa sua dor para sua produção literária, como uma maneira de liberar suas emoções. Além disso, também percebemos a abordagem de temas religiosos, da natureza e da arte.

Observe o poema “Hão de chorar por ela os cinamomos”, de Alphonsus e verifique as características de sua obra, com a presença marcante de sua dor.

“Hão de chorar por ela os cinamomos,
Murchando as flores ao tombar do dia.
Dos laranjais hão de cair os pomos,
Lembrando-se daquela que os colhia.

As estrelas dirão — “Ai! nada somos,
Pois ela se morreu silente e fria.. . ”
E pondo os olhos nela como pomos,
Hão de chorar a irmã que lhes sorria.

A lua, que lhe foi mãe carinhosa,
Que a viu nascer e amar, há de envolvê-la
Entre lírios e pétalas de rosa.
 

Os meus sonhos de amor serão defuntos…
E os arcanjos dirão no azul ao vê-la,
Pensando em mim: — “Por que não vieram juntos?”

EXERCÍCIOS 

1. (ENEM) Vida obscura
“Ninguém sentiu  o  teu espasmo obscuro
ó ser humilde entre os humildes seres,
embriagado, tonto de prazeres,
o mundo para ti foi negro e duro.

Atravessaste no silêncio escuro
a vida presa a trágicos deveres
e chegaste ao saber de altos saberes
tornando-te mais simples e mais puro.

Ninguém te viu o sofrimento inquieto,
magoado, oculto e aterrador, secreto,
que o coração te apunhalou no mundo,

Mas  eu que sempre te segui os  passos
sei que a cruz infernal prendeu-te os braços
e o teu suspiro como foi profundo!

(SOUSA, C. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova  Aguilar, 1961)

Com  uma obra  densa e expressiva no Simbolismo brasileiro, Cruz e Souza  transpôs para seu  lirismo uma  sensibilidade em conflito com a realidade  vivenciada. No  soneto, essa percepção traduz-se em:

a) sofrimento tácito diante dos  limites impostos  pela  discriminação.
b) tendência latente ao vício como resposta ao isolamento social.
c) extenuação condicionada a uma rotina de  tarefas degradantes.
d) frustração amorosa canalizada para as atividades intelectuais.
e) vocação religiosa manifesta na  aproximação com a fé  cristã.

VEJA COMO RESOLVER PASSO-A-PASSO ESTA QUESTÃO!

2. (ENEM) Cárcere das almas
“Ah! Toda a alma num cárcere anda presa,
Soluçando nas trevas, entre as grades
Do calabouço olhando imensidades,
Mares, estrelas, tardes, natureza. 

Tudo se veste de uma igual grandeza 
Quando a alma entre grilhões as liberdades 
Sonha e, sonhando, as imortalidades 
Rasga no etéreo o Espaço da Pureza. 

Ó almas presas, mudas e fechadas 
Nas prisões colossais e abandonadas, 
Da Dor no calabouço, atroz, funéreo! 

Nesses silêncios solitários, graves, 
que chaveiro do Céu possui as chaves 
para abrir-vos as portas do Mistério?!”

(CRUZ E SOUSA, J. Poesia completa. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura / Fundação Banco do Brasil, 1993. )

Os elementos formais e temáticos relacionados ao contexto cultural do Simbolismo encontrados no poema Cárcere das almas, de Cruz e Sousa, são:

a) a opção pela abordagem, em linguagem simples e direta, de temas filosóficos.
b) a prevalência do lirismo amoroso e intimista em relação à temática nacionalista.
c) o refinamento estético da forma poética e o tratamento metafísico de temas universais.
d) a evidente preocupação do eu lírico com a realidade social expressa em imagens poéticas inovadoras.
e) a liberdade formal da estrutura poética que dispensa a rima e a métrica tradicionais em favor de temas do cotidiano.

VEJA COMO RESOLVER PASSO-A-PASSO ESTA QUESTÃO!

 

3. Das alternativas abaixo, indique a que não se aplica ao Simbolismo:

a) Procurou instalar um credo estético com base no subjetivismo.
b) Não precisar as coisas, antes sugeri-las.
c) Racionalismo absoluto.
d) Expressão indireta e simbólica.
e) Transcendentalismo

VEJA COMO RESOLVER PASSO-A-PASSO ESTA QUESTÃO!

 

 

GABARITO 

1. A
2. C
3. C

Comentários

ícone de atenção ao erroícone de atenção ao erroícone de atenção ao erro
Quer receber novidades em primeira mão?
Prontinho! Você receberá novidades na sua caixa de entrada.

Veja também

Separamos alguns conteúdos pra você

logo descomplica