Blog Descomplica

A Prosa no Pós-Modernismo Brasileiro

Descubra tudo sobre a prosa no pós-modernismo brasileiro! Confira este resumo e fique craque para arrasar na sua prova de literatura!
porDescomplica| 07/10/2016

Compartilhe

Descubra tudo sobre a prosa no pós-modernismo brasileiro!

pós-modernismo pós-modernismo

Dentre os principais autores deste período estão: João Guimarães Rosa,Clarice Lispector, Nelson Rodrigues, Adélia Prado, Autran Dourado, Haroldo de Campos, João Ubaldo Ribeiro, João Cabral de Melo Neto e Mário Quintana.


No fim da década de 1940, a prosa de ficção brasileira passa por uma transformação radical. A exploração da linguagem, matéria-prima do texto, favorece novas experiências que rompem com a estrutura tradicional da narrativa, ao mesmo tempo que permitem um mergulho na mais funda entidade do ser humano.

Contexto Histórico

pós-modernismo pós-modernismo

Ato Institucional 5 – O momento mais duro do Golpe Militar

  • 1953 – Criação da Petrobrás.
  • 1959 – Fidel Castro toma o poder em Cuba.
  • 1963 – Assassinato do presidente John F. Kennedy.
  • 1968 – Protestos estudantis em vários países por reformas educacionais e políticas; Presidente Costa e Silva decreta AI-5.
  • 1969 – Primeiro ser humano chega à Lua; Caetano Veloso, Gilberto Gil, Chico Buarque e Edu Lobo partem para o exílio.

A Reinvenção da Narrativa

pós-modernismo pós-modernismo

Clarice Lispector e Guimarães Rosa foram nomes importantíssimos na reinvenção da narrativa

Há um experimentalismo narrativo, organizado a partir de novas possibilidades: verifica-se o processo de associação de imagens e diversos recursos verbais; explora-se o fluxo de consciência; narrador e personagens adquirem novos papéis, com consciência crítica; e, por fim, há uma dedicação à importância do trabalho com a linguagem.

Fluxo de Consciência

pós-modernismo pós-modernismo

O fluxo de consciência destaca-se na obra de Clarice Lispector


O fluxo de consciência recria o funcionamento da mente humana; impressões como as visuais, olfativas, auditivas, físicas e associativas ganham forma no texto.

A Prosa Pós-Moderna e o Público

pós-modernismo pós-modernismo

A necessidade de abrir a mente para um mergulho na prosa pós-modernista


Os críticos reagiram rapidamente: as obras eram mais difíceis de serem entendidas do que as anteriores, e não ganharam destaque entre os leitores em primeira instância. Entretanto, a crítica voltada à literatura, após o estranhamento inicial, exalta os autores publicamente, fazendo-os ganhar renome. Para o leitor, o maior desafio é entrar em seu mundo: ao acompanhar a vida e a trajetória das personagens, ele acaba percebendo a própria vida.
A prosa no período pós-moderno caracteriza-se por uma pluralidade de tendências e estilos. Os limites entre gêneros literários – romance e conto, conto e crônica, crônica e notícia – vão sendo quebrados a partir dos anos 70, incorporando técnicas de linguagem que até então encontravam-se fora de seus domínios. Surgem os romances com semelhanças a reportagens, contos parecidos com poemas em prosa, autobiografias mascaradas em romances narrativos, etc.
 

Exercícios

1. Sobre o pós-modernismo, é correto afirmar, exceto:
a) Pós-modernismo é o nome dado às mudanças ocorridas nas ciências, nas artes e nas sociedades desde 1950.
b) O pós-modernismo é um termo de periodização artística e literária que se refere ao que vem depois do modernismo, abrangendo suas três fases: primeiro modernismo dos anos 20, modernismo dos anos 30-45, modernismo canônico demeados dos anos 40 e 60.
c) As narrativas pós-modernas apoiam-se no cotidiano, daí o seu caráter espontâneo, e dão prioridade às temáticas que levam ao inconsciente coletivo.
d) Os temas da prosa pós-modernista são extraídos do cotidiano e tratados com irreverência. Essa abordagem tinha como objetivo destruir e contestar os valores artísticos do passado, bem como os valores ideológicos, sociais e históricos que forjaram o patriotismo brasileiro.
e) Enquanto o Concretismo consolidava suas características na poesia, a prosa pós-modernista seguia por diferentes estilos, marcada por tendências diversas: regionalista, urbana, intimista, política, realista-fantástica, além de crônicas e contos.
2. (UFES – ES) 
“Alguém que ainda pelejava, já na penúltima ânsia e farto de beber água sem copo, pôde alcançar um objeto encordoado que se movia. E aquele um aconteceu ser Francolim Ferreira, e a coisa movente era o rabo do burrinho pedrês. E Sete-de-Ouros, sem susto e mais, sem hora marcada, soube que ali era o ponto de se entregar, confiado, ao querer da correnteza. Pouco fazia que esta o levasse de viagem, muito para baixo do lugar da travessia. Deixou-se, tomando tragos de ar. Não resistia.”

Guimarães Rosa – O burrinho pedrês.

A característica regionalista presente no fragmento literário acima é:
a) A exploração dos homens e dos animais pelos proprietários no meio rural.
b) O mal-estar gerado pela decadência social.
c) A observação minuciosa da fauna e da flora de uma região.
d) A integração dos homens e dos bichos a seu meio ambiente.
e) O respeito pelas superstições e sentimentos populares.
3. (Enem – 2013)
Tudo no mundo começou com um sim. Uma molécula disse sim a outra molécula e nasceu a vida. Mas antes da pré-história havia pré-história da pré-história e havia o nunca e havia o sim. Sempre houve. Não sei o quê, mas sei que o universo jamais começou.
[…]
Enquanto eu tiver perguntas e não houver resposta continuarei a escrever. Como começar pelo início, se as coisas acontecem antes de acontecer? Se antes da pré-pré-história já havia os monstros apocalípticos? Se esta história não existe, passará a existir.  Pensar é um ato. Sentir é um fato. Os dois juntos – sou eu que escrevo o que estou escrevendo. […]  Felicidade? Nunca vi palavra mais doida, inventada pelas nordestinas que andam por aí aos montes.
Como eu irei dizer agora, esta história será o resultado de uma visão gradual – há dois anos e meio venho aos poucos descobrindo os porquês. É visão da iminência de. De quê? Quem sabe se mais tarde saberei. Como que estou escrevendo na hora mesma em que sou lido. Só não inicio pelo fim que justificaria o começo – como a morte parece dizer sobre a vida – porque preciso registrar os fatos antecedentes.
LISPECTOR, C. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998 (fragmento).
A elaboração de uma voz narrativa peculiar acompanha a trajetória literária de Clarice Lispector, culminada com a obra A hora da estrela, de 1977, ano da morte da escritora. Nesse fragmento, nota-se essa peculiaridade porque o narrador
a) Observa os acontecimentos que narra sob uma ótica distante, sendo indiferente aos fatos e às personagens.
b) Relata a história sem ter tido a preocupação de investigar os motivos que levaram aos eventos que a compõem.
c) Reflete-se um sujeito que reflete sobre questões existenciais e sobre a construção do discurso.
d) Admite a dificuldade de escrever uma história em razão da complexidade para escolheras palavras exatas.
e) Propõe-se a discutir questões de natureza filosófica e metafísica, incomuns na narrativa de ficção.
 

Gabarito

1. D
Comentários: As características descritas na alternativa D dizem respeito à primeira fase do modernismo brasileiro, também conhecida como fase heróica.
2. D
3. C
Comentários: Na questão sobre o fragmento do livro “A hora da estrela”, de Clarice Lispector, podemos perceber a preocupação em abordar os aspectos relacionados com a composição do texto literário. A peculiaridade da voz narrativa de Clarice mostra as reflexões existenciais do sujeito em crise e também uma técnica de construção do discurso muito presente na linguagem da escritora, o “fluxo de consciência”, no qual a personagem deixa de narrar para fazer reflexões acerca do próprio comportamento.

Comentários

ícone de atenção ao erroícone de atenção ao erroícone de atenção ao erro
Quer receber novidades em primeira mão?
Prontinho! Você receberá novidades na sua caixa de entrada.

Veja também

Separamos alguns conteúdos pra você

logo descomplica