• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Exercício Resolvido: Linguagens no ENEM

Veja mais respostas na página GABARITO ENEM.

1. (ENEM) 

Para o Mano Caetano

 

O que fazer do ouro de-tolo

Quando um doce bardo brada a toda a brida,

Em velas pandas, suas esquisitas rimas?

Geografia de verdades, Guanabaras postiças

Saudades banguelas, tropicais preguiças?

 

A boca cheia de dentes

De um implacável sorriso

Morre a cada instante

Que devora a voz do morto, e com isso,

Ressuscita vampira, sem o menor aviso

[…]

 

E eu soy lobo-bolo? lobo-bolo

Tipo, pra rimar com ouro de tolo?

Oh, Narciso Peixe Ornamental!

Tease me, tease me outra vez

Ou em banto baiano

Ou em português de Portugal

Se quiser, até mesmo em americano

De Natal

[…]

Tease me (caçoe de mim, importune-me).

LOBÃO. Disponível em: http://vagalume.uol.com.br Acesso em: 14 ago. 2009 (adaptado)

 

Na letra da canção apresentada, o compositor Lobão explora vários recursos da língua portuguesa a fim de conseguir efeitos estéticos ou de sentido. Nessa letra, o autor explora o extrato sonoro do idioma e o uso de termos coloquiais na seguinte passagem:

 

a) “Quando um doce bardo brada a toda brida” (v. 2)
b) “Em velas pandas, suas esquisitas rimas?” (v. 3)
c) “Que devora a voz do morto” (v. 9)
d) “lobo-bolo//Tipo pra rimar com ouro de tolo? (v. 11-12)
e) “Tease me, tease me outra vez” (v. 14)

 

GABARITO:

 1. D

O enunciado pede que o aluno encontre a passagem da canção na qual o compositor, além de explorar o extrato sonoro do idioma, também use termos coloquiais. Nunca é demais repetir que uma boa leitura do enunciado é a chave para uma interpretação coerente e uma resolução adequada de qualquer questão. Procure resolver essa questão apoiando-se em seus conhecimentos sobre figuras de linguagem, em especial as figuras de som: assonância e aliteração, além de conhecimentos sobre coloquialidade.

A alternativa “A” está errada porque apesar de explorar o extrato sonoro do idioma com a aliteração da consoante “b” em “bardo/brada/brida”, o autor não utiliza termos coloquiais.

A alternativa “B” está errada por não apresentar nenhum termo que revele o extrato sonoro do idioma nem termos coloquiais. O vocábulo “panda”, por exemplo, não é um termo coloquial.

A alternativa “C” também está errada por não apresentar termos coloquiais, apesar de apresentar uma aliteração da consoante “v” em “devora/voz” que revela a exploração do extrato sonoro do idioma.

A alternativa “D” está correta, pois além de explorar o extrato sonoro do idioma com a assonância da vogal “o” em lobo/bolo, o autor também utiliza os termos “tipo” e “pra”, que

são termos coloquiais.

A alternativa “E” está errada por referir-se a elementos estrangeiros. Portanto, não podemos afirmar que nesse trecho o compositor explore o extrato sonoro do idioma, já que o idioma referido na questão é o português.