• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Até que ponto devemos condenar o uso de estrangeirismo na língua?

É comum, no ano de vestibular, quando surgem dúvidas quanto ao uso dos estrangeirismos na redação. Mas como isso pode cair na sua prova de vestibular? O professor Rafael Cunha te dá uma dica e, logo em seguida, nós damos a você um super resumo sobre o assunto! Confira:

Até que ponto devemos condenar o uso de estrangeirismo na língua?

De fato, uma vez que estamos passando uma mensagem na língua portuguesa, é importante que essa língua predomine no texto, seja ele falado ou escrito. Mas será que é tão ruim usar termos estrangeiros? Na língua, esse estrangeirismo ganha espaço, muitas vezes, pelo status causado. Será que esse status não pode ser importante no seu vestibular e na vida? Na verdade, não se deve condenar o estrangeirismo já cristalizado na língua, como “pizza”, ou “shopping”. Porém, há, de fato, aqueles que se mostram desnecessários. Vamos falar um pouco sobre isso? 🙂

 

Afinal, usar estrangeirismos é interessante ou não?

Até que ponto tal fato representa um enriquecimento, ou, o contrário, uma desvalorização do idioma? Países como França e Espanha criaram leis que regulam o uso de palavras estrangeiras ao seu idioma em anúncios, lojas e restaurantes. No Brasil, existem movimentos que apontam para esse procedimento. De qualquer forma, a língua pode ser um instrumento de subserviência cultural, dependendo de como o falante nativo interaja com essas possibilidades da utilização do sistema linguístico.

Alguns estrangeirismos já são incorporados na língua, como shampoo (inglês) ou abajour (francês) e já estão “aportuguesadas” para “xampu” e “abajur”. Outras são usadas na sua formação original e ainda não sofreram esse processo, como shopping ou release. Contudo, há palavras, como meeting ou paper, que são totalmente dispensáveis, pois já existem correspondentes no português: “encontro” e “artigo”.

 

Status?

Na verdade, usos como meeting ou paper indicam uma elitização da palavra, uma sofisticação que implica uma desvalorização do idioma materno e uma subserviência cultural que em nada contribui para a nossa formação.

Vamos ver alguns exemplos em que os estrangeirismos são adotados pela sociedade?

O estrangeirismos na língua e no vestibular

É muito comum, na juventude de hoje, a adoção de expressões estrangeiras. Essa adoção é, muitas vezes, consequência do frequente uso da Internet, que, por ser universal, adota o inglês em muitas situações. Você faz uso de algumas expressões estrangeiras em seu dia a dia.

O estrangeirismos na língua e no vestibular

O comércio também tem adotado expressões estrangeiras em seu vocabulário. Os termos “liquidação”, “ofertas” e “descontos” têm dado lugar a expressões em inglês que muitas vezes não têm suas traduções conhecidas pelo consumidor, mas que têm seu sentido já enraizado no meio das vendas.

 

O estrangeirismos na língua e no vestibular

Os estrangeirismos também são muito comuns no meio profissional, principalmente em e-mails. Expressões como “asap” – “as soon as possible”, ou “assim que possível”, em tradução livre – e “FYI” – “For your information”, ou “para a sua informação” – são muito comuns. Você acha que elas são necessárias?

Qual a sua opinião sobre o uso de estrangeirismos na língua? Você acha que eles são bem-vindos? Em que situações? Conte pra gente! Vamos exercitar?

 

 

EXERCÍCIOS

 1. (FUVEST)

Capitulação 

Delivery
Até pra telepizza
É um exagero.
Há quem negue?
Um povo com vergonha Da própria língua
Já está entregue.

(Luis Fernando Verissimo)

O título atribuído pelo autor está adequado, tendo em vista o conteúdo do poema? Justifique sua resposta.

 

2. O exagero que o autor vê no emprego da palavra delivery se aplicaria também a telepizza? Justifique sua resposta.

 

3.

Deliverando

            Muita gente parece achar que a última flor do Lácio, além de inculta e apesar de bela, como Bilac a descreveu, é pobre demais: precisa de injeções frequentes de outros idiomas, de preferência o inglês.

            São aqueles que nunca estacionam seus carros: parqueiam-nos. Suas amadas jamais têm encantos: são cheias de glamour. Emoções são trips, e o pessoal fica down em vez de deprimido, o que não é nada o.k. Uma turma, sem dúvida, muito over.

            E quem entende a nossa importação dos billboards americanos (anúncios em grandes cartazes ao ar livre), batizando-os de outdoors?

            Combater as importações bobocas ou simplesmente desnecessárias não é simples. Existem as necessárias. Nenhum vocabulário é imutável, fechado. Toda sociedade absorve experiências e criações de outros povos, e nem sempre dispõe de expressões que definam as novidades necessárias. Muitas vezes, é preciso adotar simultaneamente o termo e a atividade ou a coisa.

            Não há nada errado em surfar e andar de skate – este, mesmo sem ter virado esqueite, diferentemente do esqui. Ou comer uma pizza, tomar um sakê. E seria insensato rejeitar o bar dos ingleses ou a sauna dos finlandeses (embora tenhamos tomado a liberdade de chamar de sauna também o banho turco).

            Enfim, é tão importante zelar pelo nosso vocabulário como não rejeitar aquisições indispensáveis ou obviamente convenientes.

            A importação de palavras é indispensável quando trazemos para o dia a dia algo de novo. Quando o futebol veio da Inglaterra, trouxe na bagagem o córner, o gol, o pênalti, o chute. O zagueiro fomos buscar, sabe-se lá por que, da Espanha.

            Dos Estados Unidos adquirimos o motel, e não mudamos o nome mesmo quando especializamos sua finalidade: lá, motéis não são usados só para encontros amorosos, como aqui. Há um caso estranho: aportuguesamos o knock out inglês, transformando-o em nocaute, mas preservamos a abreviatura “KO”. Vá-se entender.

            A regra deveria ser óbvia: importar o indispensável, por sê-lo. E evitar o absurdo de usar expressões estrangeiras gratuitamente. Há óbvia diferença entre aceitar um termo sem equivalente nacional e trazer outro, que tem apenas o suposto encanto (não o charme, claro) de tornar a comunicação mais sofisticada ou elegante.

            Ressuscito este arrazoado provocado por praga recente: o Rio (ou o Brasil inteiro, sei lá) está cheio de estabelecimentos que entregam compras em domicílio apregoando em cartazes que fazem a tal delivery. São fornecedores de pizzas, sanduíches e outras comidinhas (para os que não sabem o que seja uma comidinha, informo, resignado: é o que vocês chamam de fast food).

            Será possível que esses comerciantes estão convencidos de que o serviço anunciado em inglês torna-se mais confiável? O alimento delivered chega mais depressa e mais quentinho? Não acredito. Deve ser besteira mesmo, exemplo triste de uma mentalidade colonizada, dos dois lados do balcão.

(GARCIA, Luiz. O Globo)

O texto revela a postura do cronista diante do uso indiscriminado de estrangeirismos em nosso vocabulário. Determine de que maneira tal postura é caracterizada na crônica.

 

4. Em tom de humor, o cronista aponta algumas possíveis justificativas para essa opção por termos estrangeiros. Cite duas delas.

 

5. Explique, considerando a abordagem do texto, o significado da passagem final da crônica “exemplo triste de uma mentalidade colonizada, dos dois lados do balcão”.

 

6. (ENEM):

Só falta o Senado aprovar o projeto de lei [sobre o uso de termos estrangeiros no Brasil] para que palavras como shopping center, delivery e drive-through sejam proibidas em nomes de estabelecimentos e marcas. Engajado nessa valorosa luta contra o inimigo ianque, que quer fazer área de livre comércio com nosso inculto e belo idioma, venho sugerir algumas outras medidas que serão de extrema importância para a preservação da soberania nacional, a saber:

……..

Nenhum cidadão carioca ou gaúcho poderá dizer “Tu vai” em espaços públicos do território nacional;

Nenhum cidadão paulista poderá dizer “Eu lhe amo” e retirar ou acrescentar o plural em sentenças como “Me vê um chopps e dois pastel”;

……….

Nenhum dono de borracharia poderá escrever cartaz com a palavra “borraxaria” e nenhum dono de banca de jornal anunciará “Vende-se cigarros”;

……….

Nenhum livro de gramática obrigará os alunos a utilizar colocações pronominais como “casar-me-ei” ou “ver-se-ão”.

(PIZA, Daniel. Uma proposta imodesta. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 8/04/2001.)

 

No texto acima, o autor:

a) mostra-se favorável ao teor da proposta por entender que a língua portuguesa deve ser protegida contra deturpações de uso.
b) ironiza o projeto de lei ao sugerir medidas que inibam determinados usos regionais e socioculturais da língua.
c) denuncia o desconhecimento de regras elementares de concordância verbal e nominal pelo falante brasileiro.
d) revela-se preconceituoso em relação a certos registros linguísticos ao propor medidas que os controlem.
e) defende o ensino rigoroso da gramática para que todos aprendam a empregar corretamente os pronomes.

 Veja como resolver passo-a-passo essa questão!

 

GABARITO

1. Sim. Capitular significa se render. A entrada de palavras estrangeiras na língua seria, segundo o autor, uma rendição, uma entrega.

2. Telepizza: neologismo formado por tele (prefixo grego) e pizza (palavra de origem italiana). Delivery: substitui uma palavra existente em nossa língua (entrega) apenas por modismo.

3. O cronista propõe que há importações linguísticas necessárias, mas combate, de forma irônica, aquelas que se baseiam somente em uma maneira de status social.

4. Para tornar o produto mais confiável; para trazer ao produto ou à linguagem uma maior sofisticação.

5. De fato, anunciantes só colocam seus serviços com uma linguagem estrangeira porque os próprios consumidores enxergam nela um traço de sofisticação, daí a colonização estar dos dois lados do balcão.

6. B