Você sabe como o trio da primeira fase modernista aparece no ENEM? Confere aqui!

05/08/2016 Camila Paula

Como você é um estudante do Descomplica, sabe com certeza que, após a Semana de Arte Moderna, o Modernismo passa a viver sua “fase heroica”, que se caracterizou pelas tentativas de solidificação do movimento renovador e pela divulgação de obras e ideias modernistas.  O pilar do Modernismo, em seu primeiro momento, sem dúvida, foi o trio formado por Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Manuel Bandeira. Eles compõe a tríade maior da primeira fase modernista, responsável pela divulgação e pela solidificação do movimento em nosso país.  E você sabe como esses autores já foram cobrados na prova do ENEM, o pilar do seu vestibular?! #DESCUBRA aqui com o Descomplica!

1) Olha Manuel Bandeira na prova de 2011!

(ENEM 2011)
Estrada

Esta estrada onde moro, entre duas voltas do caminho,
Interessa mais que uma avenida urbana.
Nas cidades todas as pessoas se parecem.
Todo mundo é igual. Todo mundo é toda a gente.
Aqui, não: sente-se bem que cada um traz a sua alma.
Cada criatura é única.
Até os cães.
Estes cães da roça parecem homens de negócios:
Andam sempre preocupados.
E quanta gente vem e vai!
E tudo tem aquele caráter impressivo que faz meditar:
Enterro a pé ou a carrocinha de leite puxada por um bodezinho manhoso.
Nem falta o murmúrio da água, para sugerir, pela voz dos símbolos,
Que a vida passa! que a vida passa!
E que a mocidade vai acabar.

BANDEIRA, M. O ritmo dissoluto. Rio de Janeiro: Aguilar, 1967.

A lírica de Manuel Bandeira é pautada na apreensão de significados profundos a partir de elementos do cotidiano. No poema Estrada, o lirismo presente no contraste entre campo e cidade aponta para
a) o desejo do eu lírico de resgatar a movimentação dos centros urbanos, o que revela sua nostalgia com relação à cidade.
b) a percepção do caráter efêmero da vida, possibilitada pela observação da aparente inércia da vida rural.
c) a opção do eu lírico pelo espaço bucólico como possibilidade de meditação sobre a sua juventude.
d) a visão negativa da passagem do tempo, visto que esta gera insegurança.
e) a profunda sensação de medo gerada pela reflexão acerca da morte.

“Manuel Bandeira, através de uma escrita direta e simples, busca a alegria pela vida, de seu caráter efêmero e trata do cotidiano…”

2) Mário de Andrade também foi a esse evento maravilhoso em 2012!

(ENEM 2012)
O trovador
Sentimentos em mim do asperamente
dos homens das primeiras eras…
As primaveras do sarcasmo
intermitentemente no meu coração arlequinal…
Intermitentemente…
Outras vezes é um doente, um frio
na minha alma doente como um longo som redondo…
Cantabona! Cantabona!
Dlorom…
Sou um tupi tangendo um alaúde!

ANDRADE, M. In: MANFIO, D. Z. (Org.) Poesias completas de Mário de Andrade. Belo Horizonte: Itatiaia, 2005.

Cara ao Modernismo, a questão da identidade nacional é recorrente na prosa e na poesia de Mário de Andrade. Em O trovador, esse aspecto é

a) abordado subliminarmente, por meio de expressões como “coração arlequinal” que, evocando o carnaval, remete à brasilidade.
b) verificado já no título, que remete aos repentistas nordestinos, estudados por Mário de Andrade em suas viagens e pesquisas folclóricas.
c) lamentado pelo eu lírico, tanto no uso de expressões como “Sentimentos em mim do asperamente” (v. 1), “frio” (v. 6), “alma doente” (v. 7), como pelo som triste do alaúde “Dlorom” (v. 9).
d) problematizado na oposição tupi (selvagem) x alaúde (civilizado), apontando a síntese nacional que seria proposta no Manifesto Antropófago, de Oswald de Andrade.
e) exaltado pelo eu lírico, que evoca os “sentimentos dos homens das primeiras eras” para mostrar o orgulho brasileiro por suas raízes indígenas.

“Apesar de inspirado pelos movimentos que aconteciam na Europa na época, a cultura nacional era muito presente nas obras de Andrade…”

3) Oswald de Andrade chegou só em 2013, mas marcou presença!

(ENEM 2013)

MUSEU DA LINGUA PORTUGUESA. Oswald de Andrade: o culpado de tudo.  27 set.2011 a 29 jan. 2012. Sao Paulo: Prof. Grafica. 2012. (Foto: Reproducao)

O poema de Oswald de Andrade remonta à ideia de que a brasilidade está relacionada ao futebol. Quanto à questão da identidade nacional, as anotações em torno dos versos constituem

a) direcionamentos possíveis para uma leitura crítica de dados histórico-culturais.
b) forma clássica da construção poética brasileira.
c) rejeição à ideia do Brasil como o país do futebol.
d) intervenções de um leitor estrangeiro no exercício de leitura poética
e) lembretes de palavras tipicamente brasileiras substitutivas das originais.

“Oswald de Andrade buscava, principalmente, formar uma identidade nacional, pois acreditava na relevância da cultura brasileira…”

Camila Paula

Camila Paula escreveu 2657 artigos

Deixe o seu comentário!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *