Quer sacar marcadores de pressuposição em menos de cinco minutos? Vem! ;)

Já sabe tudo sobre marcadores de pressuposição? Vem descobrir com essa lista irada que vai salvar sua prova de português!

Durante uma leitura, é normal perceber que boa parte do que o texto significa não se mostra explicitamente. Quando escrevemos, deixamos implícitas algumas informações e cabe ao leitor completar as lacunas. Os implícitos são basicamente de dois tipos: pressupostos e subentendidos. Os pressupostos estão inscritos na língua e por isso não há como fugir do sentido que eles determinam, enquanto os subentendidos dependem de interpretação.

Como a expressão já indica, os marcadores de pressuposição são elementos que reforçam uma pressuposição. Segundo Fiorin, pressupostos são conteúdos implícitos que decorrem de uma palavra ou expressão presente no ato de fala produzido. O pressuposto é indiscutível tanto para o falante quanto para o ouvinte, pois decorre, necessariamente, de um marcador linguístico. Assim, pressuposição vem de pressuposto, algo que está implícito, escondido, subentendido.

Por exemplo, quando sua amiga te diz “miga, sua louca, deixa de ser trouxa”, já fica pressuposto, através da expressão “deixa de ser”, que você está gastando todo seu papel sendo o quê? TROUXA! Quer ver outros exemplos de marcadores de pressuposição? Continue lendo! 😀

1) Conseguir…

Nesta tirinha, o marcador de pressuposição ocorre por causa do verbo implicativo, que indica uma leitura por implicação. Na última fala de Garfield, o verbo “conseguir”, que é implicativo, aciona uma pressuposição: Jon TENTOU achar todas as ratoeiras antes de conseguir achá-las. Muito bem, Jon!

2) De novo, mais uma vez, novamente…

Neste caso, a pressuposição está presente na expressão acionadora”de novo”, que exprime ideia de repetição de uma ação ou fato. Na capa do jornal, afirma-se que os jogadores Nilton, Diego Souza e Dedé saíram do Vasco para o time do Cruzeiro, mas foram vices de novo, o que dá a entender que, quando jogavam no Vasco, já tinham perdido a final do campeonato… mais uma vez.

3) Eu deixei de ser…

Não sou mais disso – Zeca Pagodinho

Eu não sei se ela fez feitiço
Macumba ou coisa assim
Eu só sei que eu estou bem com ela
E a vida é melhor pra mim
Eu deixei de ser pé-de-cana
Eu deixei de ser vagabundo
Aumentei minha fé em Cristo
Sou bem quisto por todo mundo
Na hora de trabalhar
Levanto sem reclamar
E antes do galo cantar
Já vou
À noite volto pro lar
Pra tomar banho e jantar
Só tomo uma no bar
Bastou
Provei pra você que eu não sou mais disso
Não perco mais o meu compromisso
Não perco mais uma noite à-toa
Não traio e nem troco a minha patroa

(https://www.vagalume.com.br/zeca-pagodinho/nao-sou-mais-disso.html#ixzz3xcjv80P8)

Nesta música, vê-se que a pressuposição está presente na expressão “deixei de”. Por quê? Se deixou de ser pé de cana, o que está implícito? Está implícito que, se deixou de ser, é porque um dia foi. O marcador de pressuposição é “deixei de”, pois é a estrutura que deixa pressuposta uma informação anterior.

4) Agora… agora, sim!

Lembrando que o advérbio modifica um verbo, um adjetivo ou um outro advérbio, pode-se afirmar que a utilização dos advérbios “agora” e “já” deixam evidente a pressuposição que existe na propaganda da operadora. Assim, os advérbios de tempo “agora” e “já” modificam o verbo “sabe”, pois entende-se que antes ele não sabia de nada. Sem os advérbios, a informação dada seria “Ele sabe de tudo”, o que não seria verdade, afinal, foi preciso usar dois advérbios pra afirmar que ele já tava ciente “de tudo”…

Quer ver como já apareceu isso no ENEM? 😀

(ENEM 2010)

A capa da revista Época de 12 de outubro de 2009 traz um anúncio sobre o lançamento do livro digital no Brasil. Já o texto II traz informações referentes à abrangência de acessibilidade das tecnologias de comunicação e informação nas diferentes regiões do país. A partir da leitura dos dois textos, infere-se que o advento do livro digital no Brasil
a) possibilitará o acesso das diferentes regiões do país às informações antes restritas, uma vez que eliminará as distâncias, por meio da distribuição virtual.
b) criará a expectativa de viabilizar a democratização da leitura, porém esbarra na insuficiência do acesso à internet por telefonia celular, ainda deficiente no país.
c) fará com que os livros impressos tornem-se obsoletos, em razão da diminuição dos gastos com os produtos digitais gratuitamente distribuídos pela internet.
d) garantirá a democratização dos usos da tecnologia no país, levando em consideração as características de cada região no que se refere aos hábitos de leitura e acesso à informação.
e) impulsionará o crescimento da qualidade da leitura dos brasileiros, uma vez que as características do produto permitem que a leitura aconteça a despeito das adversidades geopolíticas.

GABARITO: B

Beleza! Valeu!
Beleza! Valeu!
Continue estudando
artigo
Post do blog

Conheça 4 exemplos de intertextualidade encontrados na “Canção do Exílio”

Todo aluno do Descomplica já ouviu falar na “Canção do Exílio”, obra prima de Gonçalves Dias, escritor da primeira fase do Romantismo e constantemente usadas nos exercícios da língua português dos principais vestibulares do Brasil.
artigo
Post do blog

4 tirinhas que irão acabar com suas dúvidas entre ambiguidade e polissemia!

Ainda tem dúvidas sobre ambiguidade e polissemia? Vem dar uma olhada nessas quatro tirinhas para ficar por dentro de tudo!