Blog Descomplica

Segunda fase do modernismo no Brasil – características e contexto

porDescomplica| 08/12/2016

Compartilhe

A segunda fase do modernismo teve caráter conciliador e organizado, dando continuidade às ideias propostas na Semana de 22.

 Neste artigo apresentaremos resumidamente a natureza do modernismo no Brasil, as correntes de vanguarda que influenciaram o movimento, o contexto histórico em que ocorreu e as principais contribuições dos artistas envolvidos.

Bora lá!?

Contexto histórico

Imagem para ilustrar o período conturbado no pós guerra

O período da segunda fase do modernismo, no fim da década de 20 e início da década de 30 (período conhecido como entre guerras), apresentou diversas conturbações.

Essas conturbações trouxeram como consequências crises sociais, humanitárias e políticas que futuramente resultariam em uma nova guerra mundial.

Em suma, além desses fatores, as revoluções industriais que possibilitaram a superprodução e as diversas políticas de livre mercado dos E.U.A, trouxeram como resultado a quebra da bolsa de Nova Iorque, e consequentemente, a Grande Depressão.

Ao mesmo tempo, no Brasil ocorre a Revolução de 1930 que levou à destituição do presidente Washington Luís e à ascensão de Getúlio Vargas.

Getúlio Vargas, figura que flertava com o fascismo, por meio da Lei de Segurança Nacional aprovada em 1935, passa a perseguir comunistas e artistas da oposição.

Por consequência, infelizes com toda essa situação, os paulistas, em 1932, declararam a Revolução Constitucionalista.

No entanto, enfraquecidos pela ausência de apoio dos outros estados, a guerra dura apenas quatro meses e termina com a rendição dos revolucionários.

Em virtude de todos esses acontecimentos, diversas correntes que expressam o descontentamento com a guerra são fortalecidas e expressadas através da arte.

O que foi o modernismo no Brasil?

De conformidade com a influência das vanguardas europeias futurista, expressionista, cubista, dadaísta e surrealista, o modernismo no Brasil teve como principais objetivos:

  • A promoção de uma arte cuja identidade fosse essencialmente nacional;
  • A quebra das tradições acadêmicas conservadoras predominantes nessa mesma cultura.

Esse movimento no Brasil é dividido nas seguintes fases:

  • Antes de tudo, o modernismo teve a sua fase inicial (também conhecida como fase pré-modernista) com a negação e destruição de cânones anteriores;
  • Em seguida, próximo à comemoração ao centenário da independência, em 1922 ocorreu a Semana de Arte Moderna, e com ela, a primeira fase do modernismo; 
  • Entre 1930 e 1945, após ser suplantada a ideia de combate aos padrões acadêmicos, ocorre a segunda fase em que o modernismo se coloca por si mesmo como em cânone pra a melhor arte do país.

Características da segunda fase do modernismo

Por conseguinte, diferentemente da agitação, irreverência e desordem que caracterizaram a Semana de Arte Moderna em 22, na segunda fase do modernismo as ideias se apresentaram mais organizadas e amadurecidas.

Embora ainda estivessem apaixonados pelo urbano, moderno etc. e dando continuidade aos conceitos estéticos e às propostas de pesquisa apresentadas em 22, a segunda fase do modernismo apresentava intenso um foco político e social.

Além disso, essa fase representou um período de grande produtividade, sendo considerada de grande relevância a todos os segmentos artísticos de identidade nacional.

No entanto, na contramão da primeira geração, os escritores da segunda fase sentiam-se livres para utilizar tanto as formas tradicionais de linguagem quanto as novas

Nesse sentido, o mais importante era, por intermédio de uma relação conciliadora, uma produção que priorizasse o registro das problemáticas na realidade brasileira.

Sendo assim, as principais características dessa segunda fase do modernismo são:

  • Valorização da cultura nacional;
  • Uso de versos regulares, livres e brancos;
  • Conflito entre o existencial e espiritual;
  • Textos focados nos contextos sociais, econômicos e culturais;
  • Influência da psicanálise de Freud;
  • O uso da linguagem coloquial;
  • Liberdade de criação e uso da linguagem;
  • Foco no mundo e problemas contemporâneos;
  • Temática cotidiana.

A prosa na segunda fase do modernismo

Com o intuito de expor os problemas sociais e de se aproximar de diferentes pessoas por meio de uma linguagem mais urbana e coloquial, a prosa produzida na segunda fase do modernismo foi composta por romances regionalistas e urbanos.

Dessa forma, as produções modernas eram voltadas pra retratação da realidade e desigualdade vivida em diversos locais do país.

Além disso, influenciado por uma forte vertente neo realista, outros temas como o romance psicológico, romance poético metafísico e surrealista também fizeram parte da prosa da segunda fase do modernismo.

Por fim, romances intimistas também podem ser encontrados. Eles abordam o interior e as suas inquietações quanto a realidade em que se vive.

A poesia na segunda fase do modernismo

Podendo apresentar linguagem coloquial, versos regulares, brancos ou livres, temática cotidiana e liberdade de criação, a  poesia semelhantemente se apresentava com questionamentos que emergiam do espírito dessa geração.

Ainda nesse sentido, sendo também conhecida como a Poesia de 30, vale destacar que ela se apresenta de forma extremamente diversificada e próxima do cotidiano geral.

No entanto, apesar da liberdade pra criação e do uso da linguagem, os autores recorrem ao uso das normas e formas tradicionais de poesia quando desejam.

Tenha acesso ao mapa mental sobre o modernismo que vai te dar aquela força na sua prova de literatura!

Principais obras da segunda fase do modernismo no Brasil

Na prosa temos como destaques os seguintes autores:

  • Rachel de Queiroz (1910-2003): O Quinze (1930);
  • Graciliano Ramos (1892-1953): Vidas secas (1938) e Memórias do Cárcere (1953);
  • José Lins do Rego (1901-1957): Menino de engenho (1932);
  • Jorge Amado (1912-2001): Capitães da areia (1937) e O cavaleiro da esperança (1942).

Na prosa urbana e nos romances intimistas temos:

  • Marques Rebelo (1907 – 1973): Oscarina (1931), Marafa, (1935) e A Estrela Sobe (1939);
  • Dionélio Machado (1895 – 1985): Os ratos (1935) e O louco do Cati (1942);
  • Cyro dos Anjos (1906 – 1994): O amanuense Belmiro (1937);
  • Cornélio Pena (1896 – 1958): Dois Romances de Nico Horta (1938).

Na poesia temos como destaque:

  • Carlos Drummond de Andrade (1902-1987): Sentimento do mundo (1940) e A rosa do povo (1945);
  • Murilo Mendes (1901-1975): O visionário (1941);
  • Vinícius de Moraes (1913-1980): Novos poemas (1938);
  • Jorge Lima (1893-1953): Poemas Negros (1947);
  • Cecília Meireles (1901-1964): Romanceiro da Inconfidência (1953).

O modernismo no Enem

Em suma, sendo um dos movimentos artísticos literários mais importantes na cultura nacional, o modernismo brasileiro é a escola literária mais cobrada no Enem.

Por isso, pra se ter um bom desempenho e garantir uma boa nota na prova é importante ter em mente quais são as características do evento, o seu contexto e principais representantes.

Além disso, é extremamente comum que trechos de poemas e romances sejam citados durante as provas. Por isso, conhecer as obras modernistas e o contexto em que estavam inseridas é de grande utilidade e com toda certeza lhe trará certa vantagem.

Quer estudar e saber mais sobre o modernismo no Brasil? Leia o nosso resumo sobre o assunto! Aproveite também para conhecer mais sobre nosso Pré-Enem.

Comentários

ícone de atenção ao erroícone de atenção ao erroícone de atenção ao erro
Quer receber novidades em primeira mão?
Prontinho! Você receberá novidades na sua caixa de entrada.

Veja também

Separamos alguns conteúdos pra você

logo descomplica