Questões Comentadas: Romantismo; Prosa (2ª Parte)

Leia o resumo Como é caracterizada a prosa do Romantismo? e resolva os exercícios abaixo.

1. (PUC-MG) Os fragmentos abaixo, retirados de obras da Literatura Brasileira, caracterizam a ideologia criada pelo Indianismo, exceto:
a) “(…) No “O Guarani” o selvagem é um ideal, que o escritor intenta poetizar, despindo-o da crosta grosseira de que o envolveram os cronistas…”
b) “(…) Os tupis desceram para serem absorvidos. Para se diluírem no sangue da gente nova. Para viver subjetivamente e transformar numa prodigiosa força a bondade do brasileiro e o seu grande sentimento de humanidade.”
c) “(…) Criaturas de Deus, de bons corpos e bom espírito, ainda sem religião e educáveis no bem ou no mal. Seria fácil trazê-las de sua virtude natural à virtude consciente do Cristianismo, para sua eterna salvação.”
d) “(…) Era Peri. Altivo, nobre, radiante da coragem invencível e do sublime heroísmo de que já dera tantos exemplos, o índio se apresentava só em face de duzentos inimigos fortes e sequiosos de vingança.”
e) “(…) contra o índio de tocheiro. O índio filho de Maria, afilhado de Catarina de Médicis e genro de Antônio de Mariz.”

2. (UFES) A leitura de “Lucíola”, de José de Alencar, revela a(o):
a) preferência pelo uso de regionalismos.
b) visão idealizada da mulher, mesmo em seus aspectos negativos.
c) sentimento indianista do autor.
d) preocupação em exaltar a natureza.
e) descrição materialista e carnal do amor.

3. (FUVEST) A partir do texto, responda as questões 3 e 4.

“Sua história tem pouca coisa de notável. Fora Leonardo algibebe¹ em Lisboa, sua pátria; aborrecera-se porém do negócio, e viera ao Brasil. Aqui chegando, não se sabe por proteção de quem, alcançou o emprego de que o vemos empossado, e que exercia, como dissemos, desde tempos remotos. Mas viera com ele no mesmo navio, não sei fazer o quê, uma certa Maria da hortaliça, quitandeira das praças de Lisboa, saloia² rechonchuda e bonitota. O Leonardo, fazendo-se-lhe justiça, não era nesse tempo de sua mocidade mal apessoado, e sobretudo era maganão³ . Ao sair do Tejo, estando a Maria encostada à borda do navio, o Leonardo fingiu que passava distraído por junto dela, e com o ferrado sapatão assentou-lhe uma valente pisadela no pé direito. A Maria, como se já esperasse por aquilo, sorriu-se como envergonhada do gracejo, e deu-lhe também em ar de disfarce um tremendo beliscão nas costas da mão esquerda. Era isto uma declaração em forma, segundo os usos da terra: levaram o resto do dia de namoro cerrado; ao anoitecer passou-se a mesma cena de pisadela e beliscão, com a diferença de serem desta vez um pouco mais fortes; e no dia seguinte estavam os dois amantes tão extremosos e familiares, que pareciam sê-lo de muitos anos.”
(Manuel Antônio de Almeida, “Memórias de um sargento de milícias”)

Glossário:
1- algibebe: mascate, vendedor ambulante.
2- saloia: aldeã das imediações de Lisboa.
3- maganão: brincalhão, jovial, divertido.

Neste excerto, o modo pelo qual é relatado o início do relacionamento entre Leonardo e Maria:
a) manifesta os sentimentos antilusitanos do autor, que enfatiza a grosseria dos portugueses em oposição ao refinamento dos brasileiros.
b) revela os preconceitos sociais do autor, que retrata de maneira cômica as classes populares, mas de maneira respeitosa a aristocracia e o clero.
c) reduz as relações amorosas a seus aspectos sexuais e fisiológicos, conforme os ditames do Naturalismo.
d) opõe-se ao tratamento idealizante e sentimental das relações amorosas, dominante no Romantismo.
e) evidencia a brutalidade das relações inter-raciais, própria do contexto colonial-escravista.
4. No excerto, o narrador incorpora elementos da linguagem usada pela maioria das personagens da obra, como se verifica em:
a) aborrecera-se porém do negócio.
b) de que o vemos empossado.
c) rechonchuda e bonitota.
d) envergonhada do gracejo.
e) amantes tão extremosos.

5. (MACKENZIE) “Vocês mulheres têm isso de comum com as flores, que umas são filhas da sombra e abrem com a noite, e outras são filhas da luz e carecem do Sol. Aurélia é como estas; nasceu para a riqueza. Quando admirava a sua formosura naquela salinha térrea de Santa Tereza, parecia-me que ela vivia ali exilada. Faltava o diadema, o trono, as galas, a multidão submissa; mas a rainha ali estava em todo o seu esplendor. Deus a destinara à opulência.” 

Do texto depreende-se que:
a) romances românticos regionalistas, como Senhora, exaltam a beleza natural feminina.
b) os romances realistas de Aluísio Azevedo denunciam o artificialismo da beleza feminina.
c) as obras modernistas têm, entre outros, o objetivo de criticar a submissão da mulher à riqueza material.
d) a linguagem descritiva dos escritores naturalistas caracteriza a sensualidade e a espiritualidade da mulher.
e) a personagem feminina foi caracterizada sob a perspectiva idealizadora típica dos autores românticos.

6. (FUVEST) Ao final da narrativa, Ceci decide permanecer na selva com Peri: “— Peri não pode viver junto de sua irmã na cidade dos brancos, sua irmã fica com ele no deserto, no meio da floresta.”

A decisão de Ceci traduz:
a) a supremacia da cultura indígena sobre a branca europeia.
b) a capacidade de renúncia da mulher que, por amor, submete-se a intensos sacrifícios.
c) a impossibilidade de Peri habitar a cidade, entre os civilizados.
d) o entrelaçamento da civilização branca europeia e da cultura natural indígena.
e) o reconhecimento de que o ambiente natural é o espaço perfeito para a realização amorosa.


7. (UECE) Iracema
“Além, muito além daquela serra que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema. Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna e mais longos que seu talhe de palmeira.
O favo da jati não era doce como o seu sorriso; nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado.
Mais rápida que a ema selvagem, a morena virgem corria o sertão e as matas do Ipu, onde campeava sua guerreira
tribo, da grande nação tabajara. O pé grácil e nu, mal roçando, alisava apenas a verde pelúcia que vestia a terra
com as primeiras águas.”
(José de Alencar)

Ao caracterizar Iracema, José de Alencar relaciona-a a elementos da natureza, pondo aquela em relação a esta em uma posição de :
a) equilíbrio
b) dependência
c) complementaridade
d) vantagem
8. (URFN) Em relação a Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antonio de Almeida, pode-se afirmar que:
a) o personagem central narra suas aventuras no Rio de Janeiro à época de Dom João VI.
b) o romance se distancia do caráter idealizante que marcou a prosa romântica brasileira.
c) o romance focaliza a trajetória de um militar empenhado em manter os ideais monárquicos.
d) a obra pode ser vista como um romance ligado à vida das elites brasileiras da época.

9. (FUVEST) Leia o texto abaixo e responda as questões 9 e 10.

“Os leitores estarão lembrados do que o compadre dissera quando estava a fazer castelos no ar a respeito do afilhado, e pensando em dar-lhe o mesmo ofício que exercia, isto é, daquele arranjei-me, cuja explicação prometemos dar. Vamos agora cumprir a promessa. Se alguém perguntasse ao compadre por seus pais, por seus parentes, por seu nascimento, nada saberia responder, porque nada sabia a respeito. Tudo de que se recordava de sua história reduzia-se a bem pouco. Quando chegara à idade de dar acordo da vida achou-se em casa de um barbeiro que dele cuidava, porém que nunca lhe disse se era ou não seu pai ou seu parente, nem tampouco o motivo por que tratava da sua pessoa. Também nunca isso lhe dera cuidado, nem lhe veio a curiosidade de indagá-lo. Esse homem ensinara-lhe o ofício, e por inaudito milagre também a ler e a escrever. Enquanto foi aprendiz passou em casa do seu… mestre, em falta de outro nome, uma vida que por um lado se parecia com a do fâmulo*, por outro com a do filho, por outro com a do agregado, e que afinal não era senão vida de enjeitado, que o leitor sem dúvida já adivinhou que ele o era. A troco disso dava-lhe o mestre sustento e morada, e pagava-se do que por ele tinha já feito.”
(Manuel Antônio de Almeida, Memórias de um sargento de milícias)

Glossário:
(*) fâmulo: empregado, criado

Neste excerto, mostra-se que o compadre provinha de uma situação de família irregular e ambígua. No contexto do livro, as situações desse tipo:
a) caracterizam os costumes dos brasileiros, por oposição aos dos imigrantes portugueses.
b) são apresentadas como consequência da intensa mestiçagem racial, própria da colonização.
c) contrastam com os rígidos padrões morais dominantes no Rio de Janeiro oitocentista.
d) ocorrem com frequência no grupo social mais amplamente representado.
e) começam a ser corrigidas pela doutrina e pelos exemplos do clero católico.

10. No excerto, temos derivação imprópria ou conversão (emprego de uma palavra fora de sua classe normal) no seguinte trecho:
a) fazer castelos no ar.
b) daquele arranjei-me.
c) dar acordo da vida.
d) nem tampouco o motivo.
e) por inaudito milagre.

GABARITO

1. E

Comentário:

O índio na prosa é parcialmente modificado de sua realidade histórica. Com a Independência do Brasil, os autores literários fizeram uso da imagem do índio para criar um sentimento nacionalista à terra brasileira. Associados à sua liberdade, ao ambiente “selvagem” descrito pelos colonos e seus costumes culturais, essas características foram exaltadas, tratando a figura indígena de forma heroica. A única alternativa que não mostra nenhum traço dessa idealização é a letra E.

2. B

Comentário:

Lucíola é uma conhecida cortesã, que passou a se prostituir muito jovem, para tentar ajudar na condição financeira de sua família, quando a mesma pegara febre amarela. Ao longo da narrativa, percebe-se que Lucia envergonha-se de seus próprios atos, perante a uma sociedade composta de valores morais e encontra em Paulo uma espécie de “redenção” à vida que levara. Com isso, mesmo que Lúcia não tenha levado uma vida de senhora, seu maior desejo é sair da vida de cortesã e viver uma vida mais simples, ao lado de um grande amor.

3. D

Comentário:

O trecho destaca como Leonardo Pataca e Maria da Hortaliça se conheceram. Diferente da idealização amorosa do Romantismo, o encontro dos dois distorce essa ideia, quando Leonardo –para chamar a atenção de Maria – pisa fortemente em seu pé e Maria retribui seu interesse dando um beliscão nas costas de Pataca.

4. C

Comentário:

O longo da obra, percebe-se que Leonardo Pataca, ao referir-se do elemento feminino utiliza expressões mais exuberantes e coloquiais, como é o caso de “rechonchuda e bonitota”. Além disso, esse traço também se afasta das características românticas, que busca idealizar a mulher por meio de analogias a elementos como sol, luz e anjos.

5. E

Comentário:

Uma das características do movimento Romântico é enaltecer a figura feminina e fazer o uso das figuras de linguagem, como a metáfora e a comparação para associá-la a elementos grandiosos ou de encanto do cenário natural. No texto, percebemos a associação a flores, diademas, inclusive a uma majestade, explicitando o sentimento de vassalagem do eu lírico.

6. D

Comentário:

Quando Ceci decide largar sua família e seus costumes para viver com Peri, percebe-se que há uma fusão entre as culturas e a etnias. Com isso, o envolvimento dos dois demonstra não somente a união entre dois povos diferentes, como também, o início de uma miscigenação.

7. D

Comentário:

No trecho extraído da obra de José de Alencar, o autor faz uso do grau comparativo para demonstrar a superioridade de Iracema frente aos aspectos da natureza. Esses aspectos estão presentes em trechos como “Mais rápida que a ema selvagem” e “o favo de jati não era doce como o seu sorriso”.

8. B

Comentário:

A obra de Manuel Antonio se afasta de características românticas, a começar pela descrição. No romantismo, era comum retratar o cotidiano das classes mais favorecidas, da burguesia, enquanto que em “Memórias de um sargento de milícias”, o autor retrata sobre as camadas mais humildes da sociedade e associa um dos personagens principais, o Leonardinho, a um pícaro.

9. D

Comentário:

A obra de Manuel de Antonio retrata uma visão diferente sobre as organizações familiares das camadas mais populares. Ao longo da leitura da obra, percebe-se que as descrições das famílias dos personagens são totalmente irregulares a um padrão de família tradicional.

10. B

Comentário:

O verbo “arranjar” não assume nesse contexto a sua funcionalidade sintática-semântica prototípica, uma vez que exerce a função de um substantivo, porque é acompanhado do pronome demonstrativo “aquele”, que acarreta a nominalização do verbo.

Continue estudando
artigo
Post do blog

Questões Comentadas: Romantismo

Link do módulo: https://descomplica.com.br/portugues/romantismo-no-brasil-primeira-geracao/contextualizacao-geral
artigo
Post do blog

Questões Comentadas: 2ª e 3ª gerações do Romantismo

Leia o resumo O que caracteriza a poesia da 2ª e 3ª geração do Romantismo? e resolva os exercícios abaixo.