Blog Descomplica

Classes Gramaticais: Verbo

Uma das classes gramaticais de extrema importância são os verbos. Descubra tudo sobre eles aqui e se garanta na sua prova de português!
porDescomplica| 20/05/2016

Compartilhe

Uma das classes gramaticais de extrema importância são os verbos. Como temos muito a falar sobre eles, vamos por partes!

Classes Gramaticais: Verbo

Começando com uma breve definição: Verbo é a classe de palavras que se flexiona em pessoa, número, tempo e voz. Pode indicar ação, estado, fenômeno da natureza, ocorrência e desejo. 

Os verbos possuem uma estrutura composta de: radical, vogal temática e desinências (modo-temporal e número-pessoal).

A vogal temática indica a que conjugação pertence o verbo: 1ª conjugação (vogal temática –a. Ex.: Falar); 2ª conjugação (vogal temática –e. Ex.: Comer); 3ª conjugação (vogal temática –i. Ex.: Partir).

Cabe ressaltar que todos os verbos terminados em –or são provenientes do verbo “por”: repor, contrapor, sobrepor, dispor, repor, antepor etc. O verbo “por”, em latim, grafava-se poer, eis o motivo pelo qual todos os verbos com vogal temática “o” são pertencentes à 2ª conjugação.

Desmembrando um verbo em seus morfemas, partes mínimas distintivas de uma palavra, temos, por exemplo: FALÁVAMOS – FAL: radical – A: vogal temática – VA: desinência modo-temporal – MOS: desinência número-pessoal.

 

Classificação dos verbos 

  • Regulares: são aqueles que possuem as desinências normais de sua conjugação e sua flexão não provoca alterações no radical: corro, corri, correrei.
  • Irregulares: são aqueles cuja flexão provoca alterações no radical ou nas desinências: faço, fiz, fez, farei.
  • Abundantes: são aqueles que incluem mais de um radical em sua conjugação: vou, fui, sou, és.
  • Auxiliares: são aqueles que entram na formação dos tempos compostos e das locuções verbais. O verbo principal, quando acompanhado de verbo auxiliar é expresso em uma das formas nominais: infinitivo, gerúndio ou particípio. Os principais são “ser”, “estar”, “ter” e “haver”. Ex.: Vou correr na praia; Ele tinha pegado uma forte gripe.
  • Pronominais: São os verbos que se conjugam com os pronomes oblíquos átonos me, te, se, nos, vos, se, na mesma pessoa do sujeito, expressando reflexibilidades (pronominais acidentais) ou apenas reforçando a ideia já implícita no próprio sentido do verbo (reflexivos essenciais).
  • Essenciais: são aqueles que sempre se conjugam com os pronomes oblíquos me, te, se, nos, vos. São poucos: abster-se, ater-se, apiedar-se, atrever-se, dignar-se, arrepender-se etc. Nos verbos pronominais essenciais a reflexibilidade já está implícita no radical do verbo. Ex.: Arrependi-me de ter ido.
  • Acidentais: são aqueles verbos transitivos diretos em que a ação exercida pelo sujeito recai sobre o objeto representado por pronome oblíquo da mesma pessoa do sujeito; assim, o sujeito faz uma ação que recai sobre ele mesmo. Em geral, os verbos transitivos diretos ou transitivos diretos e indiretos podem ser conjugados com os pronomes mencionados, formando o que se chama voz reflexiva. Ex.: Ana se penteava.

  

Modos Verbais

O modo verbal indica as diferentes maneiras que podermos utilizar os verbos, mediante a significação que queremos transmitir. Existem três modos verbais: indicativo, subjuntivo e imperativo.

  • Indicativo: Exprime uma ação certa e real.

Ex.: Eu comi em casa.

 

  • Subjuntivo: Exprime uma ação possível, que ainda não foi realizada e que muitas vezes está dependente de outra.

Ex.: E se eu comesse em casa?

 

  • Imperativo: Exprime uma ordem, um pedido, uma exortação ou um conselho.

Ex.: Come em casa!

 

Formas Nominais

As formas nominais, quando sozinhas, não estão relacionadas com nenhum tempo e modo verbal. Podem desempenhar funções exercidas por nomes como substantivos, adjetivos e advérbios. As formas nominais são: o infinitivo (pessoal e impessoal), o particípio e o gerúndio.

Infinitivo

Pode assumir função de substantivo.  O infinitivo impessoal deverá ser usado quando não houver um sujeito definido, quando o verbo tiver regência de uma preposição, com sentido imperativo, quando o sujeito da segunda oração for igual ao da principal, em locuções verbais e com alguns verbos que não formam locução verbal (ver, sentir, mandar…).

O infinitivo pessoal deverá ser usado sempre que há um sujeito definido, sempre que se quiser definir o sujeito, sempre que o sujeito da segunda oração for diferente do da principal e para indicar uma ação recíproca.

Ex.: Ao esquecermos nossos problemas, podemos descansar.

 

Gerúndio

Pode assumir a função de um advérbio ou de um adjetivo. Indica uma ação ainda não terminada, bem como um prolongamento da ação no tempo.

Ex.: Esquecendo os problemas, vivemos melhor.

 

Particípio

Pode assumir a função de um adjetivo. Permite a formação de tempos verbais compostos e transmite a noção da conclusão da ação verbal, ou seja, o estado da ação depois de terminada.

Ex.: Esquecidos os problemas, ficou mais tranquilo.

 

Tempos Verbais

Do indicativo: Presente, pretérito imperfeito, pretérito perfeito, pretérito-mais-que-perfeito, futuro do presente e futuro do pretérito.

Classes Gramaticais: Verbo

Do subjuntivo: Presente (indica uma possibilidade, um fato incerto no presente), Pretérito Imperfeito (indica a possibilidade de um fato ter acontecido ou não) e Futuro (indica a possibilidade de um fato vir a acontecer.

Classes Gramaticais: Verbo

Uma melhor forma de ter em mente as conjugações do modo subjuntivo é, sabendo que indica possibilidade, inserir uma partícula antes da pessoa para conjugar os verbos corretamente.

Para o presente do subjuntivo, utiliza-se a partícula “que”: que eu fale, que eu ame, que tu penses, que ele diga, que nós consigamos, que vós alcanceis, que eles mereçam.

Para o pretérito do subjuntivo, utiliza-se a partícula “se”: se eu falasse, se eu amasse, se tu pensasses, se ele dissesse, se nós conseguíssemos, se vós alcançásseis, se eles merecessem.

Para o futuro do subjuntivo, utiliza-se “quando”: quando eu falar, quando eu amar, quando tu pensares, quando ele disser, quando nós conseguirmos, quando vós alcançardes, quando eles merecerem.

 

Vozes verbais

Dá-se o nome de voz à forma assumida pelo verbo para indicar se o sujeito gramatical é agente ou paciente da ação. São três as vozes verbais:

  • Ativa: quando o sujeito é agente, isto é, pratica a ação expressa pelo verbo.

Ex.: Ele comeu a torta.

 

  • Passiva: quando o sujeito é paciente, recebendo a ação expressa pelo verbo.

Ex.: A torta foi comida por ele.

A voz passiva pode ser analítica: verbo SER + particípio do verbo principal.

Ex.: A obra será pintada.

Ou pode ser passiva sintética: verbo na 3ª pessoa, seguido do pronome apassivador SE.

Ex.: Destruiu-se o velho prédio.

 

  • Reflexiva: quando o sujeito é ao mesmo tempo agente e paciente, isto é, pratica e recebe a ação.

Ex.: O menino feriu-se.

 

Exercícios

1 – (UFF) Assinale a frase em que há um erro de conjugação verbal:

a) Requeiro-lhe um atestado de bons antecedentes.

b) Ele interviu na questão.

c) Eles foram pegos de surpresa.

d) O vendeiro proveu o seu armazém do necessário.

e) Os meninos desavieram-se por causa do jogo.

 

2 – (FUVEST) Assinale a frase que não está na voz passiva;

a) O atleta foi estrondosamente aclamado.

b) Que exercício tão fácil de resolver!

c) Fizeram-se apenas os reparos mais urgentes.

d) Escolheu-se, infelizmente, o homem errado.

e) Entreolharam-se agressivamente os dois competidores.

 

3 – (FUVEST) Considerando a necessidade de correlação entre tempos e modos verbais, assinale a alternativa em que ela foge às normas da língua escrita padrão:

a) A redação de um documento exige que a pessoa conheça uma fraseologia complexa e arcaizante.

b) Para alguns professores, o ensino da língua portuguesa será sempre melhor, se houver o domínio das regras de sintaxe.

c) O ensino de Português tornou-se mais dinâmico depois que textos de autores modernos foram introduzidos no currículo.

d) O ensino de Português já sofrera profundas modificações, quando se organizou um Simpósio Nacional para discutir o assunto.

e) Não fora a coerção exercida pelos defensores do purismo linguístico, todos teremos liberdade de expressão.

 

4 – Assinale a alternativa em que é incorreto flexionar o infinitivo:

a) Importa entendermos a situação.

b) Devemos provarmos o que dizemos.

c) Para chegardes à igreja, ainda tereis de caminhar muito.

d) É tempo de saberes de teus direitos.

e) Vi os escravos se curvarem perante seu amo.

 

5 – Qual o valor do futuro do pretérito na frase seguinte: “Quando chegamos ao colégio em 1916, a cidade teria apenas uns cinquenta mil habitantes”?

a) Fato futuro, anterior a outro ato futuro.

b) Fato futuro, relacionado com o passado.

c) Suposição, relativamente a um momento futuro.

d) Suposição, relativamente a um momento passado.

e) Configuração de um fato já passado.

 

Gabarito

1 – B

2 – E

3 – E

4 – B

5 – D

Comentários

ícone de atenção ao erroícone de atenção ao erroícone de atenção ao erro
Quer receber novidades em primeira mão?
Prontinho! Você receberá novidades na sua caixa de entrada.

Veja também

Separamos alguns conteúdos pra você

logo descomplica