Blog Descomplica
foto de Heráclito, tales de mileto e Parmênides- fisósofos pré-socráticos para ilustrar texto com questões sobre o tema

12 Questões sobre filósofos Pré-Socráticos comentadas para estudar

Resolva exercícios de Filosofia sobre os Filósofos Pré-Socráticos, aprenda o passo-a-passo da resolução e prepare-se para o ENEM e vestibulares!

Atualizado em

Compartilhe

Os filósofos pré-socráticos desempenharam um papel fundamental no desenvolvimento da filosofia ocidental. Eles foram os pioneiros na busca pelo conhecimento e na exploração das questões fundamentais sobre a natureza do mundo, da existência e do universo. Antes de Sócrates, Platão e Aristóteles, esses pensadores gregos antigos começaram a moldar o pensamento filosófico com suas teorias e especulações.

Para aprofundar seu entendimento sobre esse importante período da filosofia, oferecemos uma lista de exercícios cuidadosamente elaborada. Esses exercícios fornecerão a você a oportunidade de explorar as ideias e as contribuições dos filósofos pré-socráticos, ajudando-o a aprimorar seu conhecimento sobre esse capítulo fundamental da história da filosofia.

Faça os exercícios e depois confira o gabarito comentado. Bom estudo!

Questões sobre filósofos pré-socráticos

Questão 1. (UEL 2003)

“Tales foi o iniciador da filosofia da physis, pois foi o primeiro a afirmar a existência de um princípio originário único, causa de todas as coisas que existem, sustentando que esse princípio é a água. Essa proposta é importantíssima… podendo com boa dose de razão ser qualificada como a primeira proposta filosófica daquilo que se costuma chamar civilização ocidental.” (REALE, Giovanni. História da filosofia: Antigüidade e Idade Média. São Paulo: Paulus, 1990. p. 29.)
A filosofia surgiu na Grécia, no século VI a.C. Seus primeiros filósofos foram os chamados pré-socráticos. De acordo com o texto, assinale a alternativa que expressa o principal problema por eles investigado.
a) A ética, enquanto investigação racional do agir humano.
b) A estética, enquanto estudo sobre o belo na arte.
c) A epistemologia, como avaliação dos procedimentos científicos.
d) A cosmologia, como investigação acerca da origem e da ordem do mundo.
e) A filosofia política, enquanto análise do Estado e sua legislação.

Questão 2. (Uncisal 2012)

O período pré-socrático é o ponto inicial das reflexões filosóficas. Suas discussões se prendem a Cosmologia, sendo a determinação da physis (princípio eterno e imutável que se encontra na origem da natureza e de suas transformações) ponto crucial de toda formulação filosófica. Em tal contexto, Demócrito afirma ser a realidade percebida pelos sentidos ilusória. Ele defende que os sentidos apenas capturam uma realidade superficial, mutável e transitória que acreditamos ser verdadeira. Mesmo que os sentidos apreendam “as mutações das coisas, no fundo, os elementos primordiais que constituem essa realidade jamais se alteram.” Assim, a realidade é uma coisa e o real outra.
Para Demócrito a physis é composta:
a) pelas quatro raízes: o úmido, o seco, o quente e o frio.
b) pela água.
c) pelo fogo.
d) pelo ilimitado.
e) pelos átomos.

Questão 3. (Uff 2010)

Como uma onda
“Nada do que foi será/ De novo do jeito que já foi um dia/ Tudo passa/ Tudo sempre passará/
A vida vem em ondas/ Como um mar/ Num indo e vindo infinito
Tudo que se vê não é/ Igual ao que a gente/ Viu há um segundo/ Tudo muda o tempo todo/ No mundo
Não adianta fugir/ Nem mentir/ Pra si mesmo agora/ Há tanta vida lá fora/ Aqui dentro sempre/ Como uma onda no mar/ Como uma onda no mar/ Como uma onda no mar”

(Lulu Santos e Nelson Motta)

A letra dessa canção de Lulu Santos lembra ideias do filósofo grego Heráclito, que viveu no século VI a.C. e que usava uma linguagem poética para exprimir seu pensamento. Ele é o autor de uma frase famosa: “Não se entra duas vezes no mesmo rio”.
Dentre as sentenças de Heráclito a seguir citadas, marque aquela em que o sentido da canção de Lulu Santos mais se aproxima
a) Morte é tudo que vemos despertos, e tudo que vemos dormindo é sono.
b) O homem tolo gosta de se empolgar a cada palavra.
c) Ao se entrar num mesmo rio, as águas que fluem são outras.
d) Muita instrução não ensina a ter inteligência.
e) O povo deve lutar pela lei como defende as muralhas da sua cidade.

Questão 4. (UEL 2003)

Ainda sobre o mesmo tema, é correto afirmar que a filosofia:

a) Surgiu como um discurso teórico, sem embasamento na realidade sensível, e em oposição aos mitos gregos.

b) Retomou os temas da mitologia grega, mas de forma racional, formulando hipóteses lógico-argumentativas.

c) Reafirmou a aspiração ateísta dos gregos, vetando qualquer prova da existência de alguma força divina.

d) Desprezou os conhecimentos produzidos por outros povos, graças à supremacia cultural dos gregos.

e) Estabeleceu-se como um discurso acrítico e teve suas teses endossadas pela força da tradição.

Questão 5. (UEL 2004)

“Entre os ‘físicos’ da Jônia, o caráter positivo invadiu de chofre a totalidade do ser. Nada existe que não seja natureza, physis. Os homens, a divindade, o mundo formam um universo unificado, homogêneo, todo ele no mesmo plano: são as partes ou os aspectos de uma só e mesma physis que põem em jogo, por toda parte, as mesmas forças, manifestam a mesma potência de vida. As vias pelas quais essa physis nasceu, diversificou-se e organizou-se são perfeitamente acessíveis à inteligência humana: a natureza não operou „no começo‟ de maneira diferente de como o faz ainda, cada dia, quando o fogo seca uma vestimenta molhada ou quando, num crivo agitado pela mão, as partes mais grossas se isolam e se reúnem.” (VERNANT, Jean-Pierre. As origens do pensamento grego. Trad. de Ísis Borges B. da Fonseca. 12.ed. Rio de Janeiro: Difel, 2002. p.110.)

Com base no texto, assinale a alternativa correta.

a) Para explicar o que acontece no presente é preciso compreender como a natureza agia “no começo”, ou seja, no momento original.

b) A explicação para os fenômenos naturais pressupõe a aceitação de elementos sobrenaturais.

c) O nascimento, a diversidade e a organização dos seres naturais têm uma explicação natural e esta pode ser compreendida racionalmente.

d) A razão é capaz de compreender parte dos fenômenos naturais, mas a explicação da totalidade dos mesmos está além da capacidade humana.

e) A diversidade de fenômenos naturais pressupõe uma multiplicidade de explicações e nem todas estas explicações podem ser racionalmente compreendidas.

Questão 6.(UEL 2004)

“Mais que saber identificar a natureza das contribuições substantivas dos primeiros filósofos é fundamental perceber a guinada de atitude que representam. A proliferação de óticas que deixam de ser endossadas acriticamente, por força da tradição ou da ‘imposição religiosa’, é o que mais merece ser destacado entre as propriedades que definem a filosoficidade.” (OLIVA, Alberto; GUERREIRO, Mario. Pré-socráticos: a invenção da filosofia. Campinas: Papirus, 2000. p. 24.)

Assinale a alternativa que apresenta a “guinada de atitude” que o texto afirma ter sido promovida pelos primeiros filósofos.

a) A aceitação acrítica das explicações tradicionais relativas aos acontecimentos naturais.

b) A discussão crítica das ideias e posições, que podem ser modificadas ou reformuladas.

c) A busca por uma verdade única e inquestionável, que pudesse substituir a verdade imposta pela religião.

d) A confiança na tradição e na “imposição religiosa” como fundamentos para o conhecimento.

e) A desconfiança na capacidade da razão em virtude da “proliferação de óticas” conflitantes entre si.

Questão 7. (ENEM 2012)

TEXTO I

“Anaxímenes de Mileto disse que o ar é o elemento originário de tudo o que existe, existiu e existirá, e que outras coisas provêm de sua descendência. Quando o ar se dilata, transforma-se em fogo, ao passo que os ventos são ar condensado. As nuvens formam-se a partir do ar por feltragem e, ainda mais condensadas, transformam-se em água. A água, quando mais condensada, transforma-se em terra, e quando condensada ao máximo possível, transformase em pedras”. BURNET, J. A aurora da filosofia grega. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2006 (adaptado).

TEXTO II

Basílio Magno, filósofo medieval, escreveu: “Deus, como criador de todas as coisas, está no princípio do mundo e dos tempos. Quão parcas de conteúdo se nos apresentam, em face desta concepção, as especulações contraditórias dos filósofos, para os quais o mundo se origina, ou de algum dos quatro elementos, como ensinam os Jônios, ou dos átomos, como julga Demócrito. Na verdade, dão a impressão de quererem ancorar o mundo numa teia de aranha”. GILSON, E.; BOEHNER, P. História da Filosofia Cristã. São Paulo: Vozes, 1991 (adaptado).

Filósofos dos diversos tempos históricos desenvolveram teses para explicar a origem do universo, a partir de uma explicação racional. As teses de Anaxímenes, filósofo grego antigo, e de Basílio, filósofo medieval, têm em comum na sua fundamentação teorias que

a) eram baseadas nas ciências da natureza.

b) refutavam as teorias de filósofos da religião.

c) tinham origem nos mitos das civilizações antigas.

d) postulavam um princípio originário para o mundo.

e) defendiam que Deus é o princípio de todas as coisas.

Veja também a nossa lista de questões sobre Romantismo

Questão 8. (UEL 2007)

“A filosofia grega parece começar com uma ideia absurda, com a proposição: a água é a origem e a matriz de todas as coisas. Será mesmo necessário deter-nos nela e levá-la a sério? Sim, e por três razões: em primeiro lugar, porque essa proposição enuncia algo sobre a origem das coisas; em segundo lugar, porque faz sem imagem e fabulação; e enfim, em terceiro lugar, porque nela, embora apenas em estado de crisálida, está contido o pensamento: “Tudo é um”. A razão citada em primeiro lugar deixa Tales ainda em comunidade com os religiosos e supersticiosos, a segunda o tira dessa sociedade e no-lo mostra como investigador da natureza, mas, em virtude da terceira, Tales se torna o primeiro filósofo grego”. (Fonte: NIETZSCHE, F. Crítica Moderna. In: Os Pré-Socráticos. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Nova Cultural, 1999. p. 43).

Com base no texto e nos conhecimentos sobre Tales e o surgimento da filosofia, considere as afirmativas a seguir.

I. Com a proposição sobre a água, Tales reduz a multiplicidade das coisas e fenômenos a um único princípio do qual todas as coisas e fenômenos derivam.

II. A proposição de Tales sobre a água compreende a proposição “Tudo é um”.

III. A segunda razão pela qual a proposição sobre a água merece ser levada a sério mostra o aspecto filosófico do pensamento de Tales.

IV. O Pensamento de Tales gira em torno do problema fundamental da origem da virtude.

A alternativa que contém todas as afirmativas corretas é:

a) I e II

b) II e III

c) I e IV

d) I, II e IV

e) II, III e IV

Questão 9. (Uncisal 2012)

O período pré-socrático é o ponto inicial das reflexões filosóficas. Suas discussões se prendem a Cosmologia, sendo a determinação da physis (princípio eterno e imutável que se encontra na origem da natureza e de suas transformações) ponto crucial de toda formulação filosófica. Em tal contexto, Leucipo e Demócrito afirmam ser a realidade percebida pelos sentidos ilusória. Eles defendem que os sentidos apenas capturam uma realidade superficial, mutável e transitória que acreditamos ser verdadeira. Mesmo que os sentidos apreendam “as mutações das coisas, no fundo, os elementos primordiais que constituem essa realidade jamais se alteram.” Assim, a realidade é uma coisa e o real outra. Para Leucipo e Demócrito a physis é composta

a) pelas quatro raízes: o úmido, o seco, o quente e o frio.

b) pela água.

c) pelo fogo.

d) pelo ilimitado.

e) pelos átomos.

Questão 10. (UEM 2011)

A filosofia ocidental origina-se na Jônia e na Magna Grécia. Entre os primeiros filósofos jônicos, destacam-se os nomes de Anaxágoras, Anaximandro, Anaxímenes e Tales de Mileto. Sobre o pensamento dos filósofos jônicos, assinale o que for correto.

(01) Os filósofos jônicos polemizaram contra Sócrates e refutaram a filosofia socrática por considerá-la incapaz de fundamentar qualquer verdade e, por conseguinte, conduzir os homens ao ceticismo.

(02) Sócrates criticava o caráter metafísico e subjetivista da filosofia jônica, pois acreditava que a filosofia deveria indagar a realidade objetiva.

(04) Empédocles, filósofo da Magna Grécia, concordava com os jônicos no que se referia à procura da origem, isto é, a arché do cosmos na physis; todavia, Empédocles discordava dos jônicos, quando eles procuravam a origem em um único elemento da matéria.

(08) A filosofia jônica distingue-se da representação mítica do mundo, pois rompe com uma explicação monogenética e sobrenatural da origem do cosmos, além de apresentar uma concepção natural e pluralista do universo.

(16) A filosofia pré-socrática, que inclui a escola jônica, desenvolveu-se durante um período de grandes mudanças históricas ocorridas no nível jurídicopolítico da organização social da Grécia antiga.

Soma: ( )

Questão 11. (UFU 2002)

“…Princípio dos seres…ele [Anaximandro] disse (que era) o ilimitado…Pois donde a geração é para os seres, é para onde também a corrupção se gera segundo o necessário ; pois concedem eles mesmos justiça e deferência uns aos outros pela injustiça, segundo a ordenação do tempo.” Pré-Socráticos. Coleção “Os Pensadores”. São Paulo: Abril Cultural, 1978

A partir da análise do texto de Anaximandro, é correto afirmar que a filosofia, em contraposição ao mito, se caracteriza por :

a) conceber o tempo como um passado imemorial sem relação com o presente.

b) os seres divinos concedem, por alianças ou rompimentos, justiça e deferência uns aos outros.

c) o mundo ser explicado por um processo constante e eterno de geração e corrupção, cujo princípio é o ilimitado.

d) narrar a origem do mundo por meio de alianças e forças geradoras divinas.

Questão 12. (Udesc 2006)

Na Grécia antiga, antes da filosofia clássica (século V a.C), o pensamento filosófico era dominado pelos pré-socráticos, que foram os primeiros filósofos e tiveram a função de romper com a mitologia, criando assim a Filosofia. Quais eram as principais preocupações desses filósofos?

GABARITO

1. D

Comentário: O enunciado da questão, trazendo um texto do grande Giovanni Reale, já indica claramente a resposta adequada. De fato, os pensadores pré-socráticos, a começar por Tales, tinham como tema fundamental de suas investigações a physis, isto é, a unidade fundamental de todas as coisas, o elemento primordial do universo. Seu objeto de pesquisa, portanto, não era nem o belo, nem a ação humana, nem o Estado e nem a ciência, mas sim a origem e a ordem do mundo.

2. E

Resolvendo passo-a-passo a questão 2:

a) O pré-socrático que defendeu as quatro raízes como sendo a physis foi Empédocles.
b) O pensador que afirmou ser a água a physis foi Tales.
c) O pensador que defendeu o fogo como sendo símbolo da mudança e do devir e por tanto physis foi Heráclito.
d) O pensador que afirmou que a physis era o ilimitado foi Anaximandro.
e) Demócrito afirmou que a physis era os átomos que se uniam de diversas formas para originar tudo que existe.

3. C

Resolvendo passo-a-passo a questão 3:

Essa música é uma clara menção ao fragmento supracitado na alternativa “C”. No pensamento de Heráclito, o mundo está em constante mudança. Nesse caso, ele afirma não ser possível entrar duas vezes no mesmo rio, porque a cada segundo tudo o que existe se transforma, de modo que nada possa permanecer o mesmo. Isso se aplica às pessoas e a todas as coisas.

4. B

Resolvendo passo-a-passo a questão 4:

Articulada à número 1, a questão acima procura indicar o papel ocupado pelos pré-socráticos na fundação da filosofia. Como primeiros filosóficos, os pré-socráticos foram responsáveis por criar o primeiro modelo de explicação racional, argumentada do universo, rompendo assim com os mitos. Isso não significa, porém, que o pensamento mítico tenha sido por eles desprezado ou considerado irrelevante. Ao contrário, se os primeiros filósofos se opuseram aos mitos foi precisamente por tratarem de seus mesmo temas, ainda que sob um viés diferente.

5. C

Resolvendo passo-a-passo a questão 5:

Apesar de ser um tanto complicada, a citação posta logo no início da questão auxilia muito no processo de resposta, contanto que a leiamos com atenção. Na verdade, o texto de Vernant tem como único objetivo apresentar o conceito de physis (“natureza”), tema central de análise dos pré-socráticos. Como se sabe, segundo os primeiros filósofos, a physis é o princípio primeiro do universo, o fundamento último de tudo o que existe, a essência do mundo. Para eles, a physis é aquilo que permanece em meio a todas as mudanças da realidade, de modo que não é necessário resgatarmos o momento original do universo para compreendê-la, visto que ela continua atuante a cada momento. Por outro lado, a noção de physis foi o primeiro modo racional, estritamente natural, pelo qual os homens procuraram explicar o funcionamento do mundo, ultrapassando assim o âmbito das explicações religiosas, sobrenaturais. Foi através do conceito de physis que nasceu a filosofia, com sua pretensão de explicar racionalmente a totalidade das coisas.

6. B

Resolvendo passo-a-passo a questão 6:

Essa questão é bem interesante, pois não questiona propriamente qual era o assunto debatido pelos pré-socráticos, mas sim qual a atitude nova que trouxeram para o mundo, qual a sua importância como fundadores da filosofia. Em primeiro lugar, é óbvio que a filosofia não aceita explicações de modo acrítico, sem questionamento; tampouco ela se fia na tradição ou na imposição para explicar o mundo, mas sim se pauta na razão e nela deposita sua confiança. Por fim, é evidente que a filosofia se caracteriza pelo amor e pela busca da verdade, mas não é essa a característica ressaltada no texto, que indica antes é a sua capacidade de crítica, de discussão questionadora.

7. D

Resolvendo passo-a-passo a questão 7:

A questão acima, única dos últimos anos do ENEM a cobrar um autor pré-socrático, revela bem o perfil desse grande vestibular nacional. Não se trata tanto aqui de conhecer profundamente o conteúdo, nos mínimos detalhes, mas sim de ter boa capacidade interpretativa e agilidade de leitura. Ao comparar um pré-socrático como Anaxímenes com um cristão medieval como Basílio Magno, o que a questão pretende salientar é que ambos os filósofos procuravam um princípio originário para o mundo, um através da noção de physis, que seria um princípio interno ao mundo, e o outro através do conceito de Deus, que corresponderia a um princípio externo ao mundo. Naturalmente, nenhuma das duas visões era baseada nas ciências da natureza, visto que estas só surgiram propriamente no século XVII, através da Revolução Científica.

8. A

Resolvendo passo-a-passo a questão 8:

Ao apresentar um texto do pensador alemão Friedrich Nietzshce a respeito de Tales de Mileto, a questão da UEL objetiva não apenas verificar nossos conhecimentos sobre o primeiro filósofo de todos os tempos, mas sim a respeito da interpretação nietzscheana de Tales. Ora, como todo bom pré-socrático, Tales não estava preocupado com a origem da virtude, mas sim com a origem de todo o universo, cujo princípio fundamental seria a physis, unidade fundamental da qual toda a multiplicidade de coisas provém. Por isto mesmo, a afirmação “Tudo é água” inclui necessariamente a afirmação “Tudo é um”, visto reduzir todas as coisas a um único princípio. Por fim, como indica o próprio Nietzsche em seu texto, é por esta redução de todas as coisas a um princípio único que Tales deve ser considerado o primeiro filósofo, e não meramente por ter se expressado sem imagem ou fabulação, coisa que a ciência já faz.

9. E

Resolvendo passo-a-passo a questão 9:

Bem conteudista, a questão acima destoa do perfil ENEM, que também é utilizado pela UEL, mas se identifica com o de outros vestibulares do país, de perfil mais tradicional, inclusive com o da própria Uncisal. Sabe-se que, diante do problema da physis, Leucipo e Demócrito deram origem à posição que foi decisiva no desenvolvimento do pensamento ocidental, sobretudo na formação da Química: o atomismo. De fato, para os dois filósofos pré-socráticos, a realidade é constituída, em última análise, por pequeniníssimas particulas, que não podem ser divididas em partículas menores (“átomo” em grego significa “indivisível”) e que são invisíveis a olho nu. Da união e separação entre os átomos é que se dá o surgimento e a destruição das coisas.

10. Soma: 28 (04 + 08 + 16)

Resolvendo passo-a-passo a questão 10:

Bem complexa, a questão acima exige muita atenção, então analisemos por partes. Em primeiro lugar, como o próprio nome indica, os filósofos pré-socráticos são anteriores a Sócrates, então não foram eles que criticaram Sócrates, mas o contrário. Em segundo lugar, a filosofia de Sócrates concentrava-se no esforço do homem compreender a si mesmo e não de compreender o universo, tal como desejavam os primeiros filósofos. Portanto, a filosofia socrática é mais subjetivista que a jônica. Por fim, as outras opções estão corretas. De fato, Empédocles criticava os primeiros filósofos por identificarem a physis com apenas um elemento primordial. Para ele, os elementos fundamentais da physis são quatro: água, terra, fogo e ar. Por outro lado, os primeiros filósofos representam, evidentemente, o surgimento da filosofia e, portanto, o rompimento com uma visão sobrenatural e religiosa do mundo. E, como se sabe, a filosofia não surgiu na Grécia à toa, mas foi fruto de certos condicionamentos históricos bem determinados, em especial o nascimento da pólis.

11. C

Resolvendo passo-a-passo a questão 11:

Um dos mais importantes pensadores pré-socráticos, Anaximandro de Mileto diferenciou-se de seus contemporâneos não propriamente pelo tema de sua investigação (ele também estava a procura da physis), mas sim pela solução pessoal que deu aos problemas discutidos em sua época. De fato, se os demais pensadores naturalistas identificavam a physis com um elemento material, como a água, o ar ou a terra, Anaximandro acreditava que isso era um erro. Para ele, o princípio de todas as coisas deveria ser imaterial e eterno, estando para além das transitoriedades do tempo. A este princípio ele chamava em grego de apeíron (“ilimitado, infinito”)

12. Gabarito comentado: Conforme foi possível perceber ao longo das últimas nove questões, toda a filosofia pré-socrática é marcada por uma preocupação fundamentalmente cosmológica. Em outras palavras, o que os primeiros filósofos buscavam era, acima de tudo, explicar a ordem e o funcionamento do mundo. Para tal, eles recorriam ao conceito de physis ou arché. No pensamento pré-socrático, a physis é a unidade fundamental de todas as coisas, o fundamento de tudo o que há, o elemento primordial do universo, que não só permitiu sua origem, como também o sustém, permanecendo em meio a todas as suas transformações. Ao procurarem tal princípio fundante, os pré-socráticos distanciaram-se dos mitos e de suas explicações sobrenaturais e religiosas dos fatos.

Assista também o vídeo do nosso canal sobre filósofos pré-socráticos

Gostou da nossa lista de exercícios sobre Filósofos Pré-socráticos? aproveite para fazer questões antigas de provas do Enem e melhore sua preparação!

E se você estiver procurando um curso preparatório para o Enem, confirma o cursinho da Descomplica!

Comentários

Esthefane
Esthefane
04/07/2022 às 22:20

Gente a 1 é d

ícone de atenção ao erroícone de atenção ao erroícone de atenção ao erro

Prentice
Prentice
04/04/2015 às 09:35

O gabarito da primeira questão deveria ser a letra D, não?

ícone de atenção ao erroícone de atenção ao erroícone de atenção ao erro
Jailso Junior
Jailso Junior
09/04/2015 às 15:21

Eu também fiquei em dúvida, acho que é a 'D'


ícone de atenção ao erroícone de atenção ao erroícone de atenção ao erro

Hora do Treino de História - Ciências Humanas e suas Tecnologias

Últimos posts

Quer receber novidades em primeira mão?
Prontinho! Você receberá novidades na sua caixa de entrada.

Veja também

Separamos alguns conteúdos pra você