Blog Descomplica

Exercícios Resolvidos: “O Cortiço”, de Aluísio Azevedo

Resolva exercícios de vestibular sobre "O Cortiço", aprenda o passo-a-passo das resoluções e prepare-se: você vai gabaritar o Enem e os vestibulares!
porDescomplica| 21/07/2015

Compartilhe

Leia o resumo “Tudo que você precisa saber sobre ‘O Cortiço’” e resolva as questões abaixo.

1. (ITA) Leia as proposições acerca de O Cortiço.
I. Constantemente, as personagens sofrem zoomorfização, isto é, a animalização do comportamento humano, respeitando os preceitos da literatura naturalista.
II. A visão patológica do comportamento sexual é trabalhada por meio do rebaixamento das relações, do adultério, do lesbianismo, da prostituição etc.
III. O meio adquire enorme importância no enredo, uma vez que determina o comportamento de todas as personagens, anulando o livre-arbítrio.
IV. O estilo de Aluísio Azevedo, dentro de O Cortiço, confirma o que se percebe também no conjunto de sua obra: o talento para retratar agrupamentos humanos.
Está(ão) correta(s):
a) todas.
b) apenas I.
c) apenas I e II.
d) apenas I, II e III.
e) apenas III e IV.
 
2- (UFV-MG) Leia o texto abaixo, retirado de O Cortiço, e faça o que se pede:

Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas a sua infinidade de portas e janelas alinhadas.
Um acordar alegre e farto de quem dormiu de uma assentada, sete horas de chumbo.
[…].
O rumor crescia, condensando-se; o zunzum de todos os dias acentuava-se; já se não destacavam vozes dispersas, mas um só ruído compacto que enchia todo o cortiço. Começavam a fazer compras na venda; ensarilhavam-se discussões e rezingas; ouviam-se gargalhadas e pragas; já se não falava, gritava-se. Sentia-se naquela fermentação sangüínea, naquela gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra.

AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. 15. ed. São Paulo: Ática, 1984. p. 28-29.

Assinale a alternativa que NÃO corresponde a uma possível leitura do fragmento citado:
a) No texto, o narrador enfatiza a força do coletivo. Todo o cortiço é apresentado como um personagem que, aos poucos, acorda como uma colméia humana.
b) O texto apresenta um dinamismo descritivo, ao enfatizar os elementos visuais, olfativos e auditivos.
c) O discurso naturalista de Aluísio Azevedo enfatiza nos personagens de O Cortiço o aspecto animalesco, “rasteiro” do ser humano, mas também a sua vitalidade e energia naturais, oriundas do prazer de existir.
d) Através da descrição do despertar do cortiço, o narrador apresenta os elementos introspectivos dos personagens, procurando criar correspondências entre o mundo físico e o metafísico.
e) Observa-se, no discurso de Aluísio Azevedo, pela constante utilização de metáforas e sinestesias, uma preocupação em apresentar elementos descritivos que comprovem a sua tese determinista.
 
3. (UNIFESP) A questão a seguir baseia-se no seguinte fragmento do romance O cortiço (1890), de Aluísio Azevedo (1857-1913):
O cortiço
Fechou-se um entra-e-sai de marimbondos defronte daquelas cem casinhas ameaçadas pelo fogo. Homens e mulheres corriam de cá para lá com os tarecos ao ombro, numa balbúrdia de doidos. O pátio e a rua enchiam-se agora de camas velhas e colchões espocados. Ninguém se conhecia naquela zumba de gritos sem nexo, e choro de crianças esmagadas, e pragas arrancadas pela dor e pelo desespero. Da casa do Barão saíam clamores apopléticos; ouviam-se os guinchos de Zulmira que se espolinhava com um ataque. E começou a aparecer água. Quem a trouxe? Ninguém sabia dizê-lo; mas viam-se baldes e baldes que se despejavam sobre as chamas.
Os sinos da vizinhança começaram a badalar.
E tudo era um clamor.
A Bruxa surgiu à janela da sua casa, como à boca de uma fornalha acesa. Estava horrível; nunca fora tão bruxa. O seu moreno trigueiro, de cabocla velha, reluzia que nem metal em brasa; a sua crina preta, desgrenhada, escorrida e abundante como as das éguas selvagens, dava-lhe um caráter fantástico de fúria saída do inferno. E ela ria-se, ébria de satisfação, sem sentir as queimaduras e as feridas, vitoriosa no meio daquela orgia de fogo, com que ultimamente vivia a sonhar em segredo a sua alma extravagante de maluca.
Ia atirar-se cá para fora, quando se ouviu estalar o madeiramento da casa incendiada, que abateu rapidamente, sepultando a louca num montão de brasas.

(Aluísio Azevedo. O cortiço)

Em O cortiço, o caráter naturalista da obra faz com que o narrador se posicione em terceira pessoa, onisciente e onipresente, preocupado em oferecer uma visão crítico-analítica dos fatos. A sugestão de que o narrador é testemunha pessoal e muito próxima dos acontecimentos narrados aparece de modo mais direto e explícito em:
a) Fechou-se um entra-e-sai de marimbondos defronte daquelas cem casinhas ameaçadas pelo fogo.
b) Ninguém sabia dizê-lo; mas viam-se baldes e baldes que se despejavam sobre as chamas.
c) Da casa do Barão saíam clamores apopléticos…
d) A Bruxa surgiu à janela da sua casa, como à boca de uma fornalha acesa.
e) Ia atirar-se cá para fora, quando se ouviu estalar o madeiramento da casa incendiada…
 
 
 

GABARITO

1. A
Comentário: Na obra “O Cortiço”, estão presentes as principais características naturalistas: a animalização das personagens e, consequentemente, suas ações baseadas em instintos naturais, tais como os sexuais e os de sobrevivência. Por esse motivo, a opção (I) está correta. A opção (II) também está correta, pois a sexualidade é abordada, principalmente, através do adultério (caso de Jerônimo e Rita Baiana), prostituição e lesbianismo (caso de Leonie e Pombinha, e banalização do relacionamento (João Romão se livrou de sua amante Bertoleza para consolidar um casamento por interesse). Mais um dos fundamentos do Naturalismo é a influência do meio sobre as personagens. Na obra, o espaço (cortiço) aparece como um personagem, ou seja, de maneira personificada, comprovando a sua influência. Por isso, a opção (III) também está correta. E, por fim, não podemos negar que O Cortiço é uma obra responsável por retratar o comportamento humano, destacando o caráter das personagens e etc. Portanto, a resposta certa é a A, pois todas as opções estão corretas.
 
2. D
Comentário: No trecho, o narrador descreve o meio (cortiço) e os personagens como um todo. Como se fossem intrínsecos, ou seja, tanto o cortiço faz parte dos personagens, quanto os personagens pertencem ao cortiço. Por isso, a afirmação (A) é verdadeira. O autor descreve minuciosamente algumas ações dos moradores do cortiço, mostrando, através de figuras de linguagem, como aquelas ações básicas do dia-a-dia são responsáveis por expor como é a vida desses personagens, e despertando no leitor sensações olfativas e auditivas. Dessa forma, comprovamos as afirmações contidas nas letras (B), (C) e (E). Em momento algum, no trecho, os personagens são tratados como particulares, ou tem suas essências exploradas. Pelo contrário, o cortiço é tratado como um todo. Por isso, a afirmação contida na opção (D) é falsa.
 
3. E
Comentário: A opção que comprova o fato de o narrador ser onisciente e onipresente é a E, pois ao dizer “Ia atirar-se cá para fora”, ele mostra estar inserido no ambiente do texto, como se estivesse no “lado de fora” para onde a bruxa iria se atirar. Ou seja, parece que ele estava ali, assistindo a tudo.

Comentários

ícone de atenção ao erroícone de atenção ao erroícone de atenção ao erro
Quer receber novidades em primeira mão?
Prontinho! Você receberá novidades na sua caixa de entrada.

Veja também

Separamos alguns conteúdos pra você

logo descomplica