• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Prepare-se para as específicas de Medicina

Todo mundo sabe que o curso de Medicina é super concorrido, não importa a universidade que ofereça a formação. Justamente por isso, as bancas organizadoras de vestibulares preparam provas de nível bem alto e você precisa estar preparadíssimo para derrubar a concorrência!

CONFIRA AQUI AS MELHORES ESTRATÉGIAS PARA PASSAR EM MEDICINA

O diferencial desses vestibulares são as provas de segunda fase que, em geral, cobram questões discursivas de biologia, física e química. Porém, isso não é regra. Na segunda fase da Fuvest, por exemplo, os candidatos devem fazer provas dissertativas de todas as disciplinas. As provas são muito diferentes de uma das outras e, para usar seu jaleco ano que vem, você precisa começar a se preparar para a segunda desde já!

Fique atento às especificidades do seu vestibular de Medicina

A primeira coisa que precisa ser feita é conferir o edital dos vestibulares que você está participando. Apesar do Enem funcionar como seleção para a maioria das universidades públicas do país, algumas instituições ainda mantém o seu vestibular tradicional. Cada uma delas tem as suas características próprias em relação ao conteúdo da prova: o gênero textual da redação, matérias específicas para Medicina, questões discursivas, critérios de correção, datas, entre outras questões.

Você precisa estar ligado em tudo isso para poder direcionar o seu estudo antes da segunda fase e isso vale para todas as universidades, tanto particulares quanto públicas! Outra boa estratégia é procurar informações adicionais nos sites das universidades. Ser um vestibulando bem informado já é dar dois passos na frente da concorrência!

Tempo para se preparar para segunda fase

Como já mencionamos, cada universidade tem um calendário próprio. Logo, o seu tempo de preparação para a segunda fase do vestibular provavelmente será diferente para cada exame. Enquanto as estaduais de São Paulo dão um espaço curto de tempo entre as duas fases, mais ou menos um mês e meio, a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) aplica a segunda fase apenas 4 meses após a primeira prova, por exemplo.

Sabendo exatamente quanto tempo disponível você tem, fica muito mais fácil de montar um cronograma de estudos realista baseado nas suas necessidades. Porém, mesmo que em alguns casos as datas entre uma fase e outra sejam mais espaçados, nunca pense que você vai estar “folgado” de tempo. Tenha senso de urgência e aproveite cada minuto nessa reta final da seleção!

Faça o seu planejamento priorizando as matérias que são cobradas como específicas no vestibular de Medicina – em geral, as universidades adotam Física, Química e Biologia- porque essas disciplinas serão cobradas em profundidade na segunda fase do vestibular. É essencial treinar as questões discursivas dessas disciplinas de provas passadas. Aproveite os resumos feitos ao longo do ano para a primeira fase para revisar conteúdos que você não lembra muito bem.

Pratique questões dissertativas

Não caia no erro de só começar a estudar para as questões dissertativas depois de conferir o resultado da primeira fase. Esses enunciados são mais densos que as questões objetivas e não adianta escrever qualquer coisa para encher linguiça. Principalmente porque algumas bancas elaboram questões discursivas interdisciplinares. Os corretores estão de olho para saber se você está entende mesmo o que foi cobrado!

O ideal é começar a praticar ainda no começo do ano. Uma sugestão é fazer uma questão dissertativa para cinco objetivas e aumentar a frequência à medida que a segunda fase se aproximar. De fato, não faz sentido se preparar mais para a prova discursiva sem antes passar pela primeira fase. Porém, o erro de muitos candidatos é chegar na segunda fase completamente “crus”, sem nunca terem praticado uma questão discursiva.  

Além disso, começar a se preparar desde o início também é muito importante para os vestibulares de inverno e de algumas universidades particulares que ofertam vagas para o curso de Medicina já no meio do ano. A concorrência dessas edições do vestibular costumam ter uma concorrência um pouco menor, apenas um pouco, e é mais uma chance de você conseguir garantir o seu jaleco logo mais.  

Correção

A correção é diferente em cada vestibular. As bancas que organizam os vestibulares de São Paulo, por exemplo, são exigentes em relação ao português das respostas. É preciso escrever sem nenhum erro de gramática, já que os corretores interpretam cada questão como uma “mini redação”. Nessas provas ainda também é recomendado que os candidatos sejam objetivos e evitem florear as soluções.

Por outro lado, algumas bancas do Rio de Janeiro trabalham com expressões-chave. O importante é que o candidato use essas palavras em algum momento da sua respostas, logo, o quão mais ele escrever, maiores são as chances de usar os termos esperados. Gramática e ortografia não são essenciais nesse caso.

Esse é outro ponto importante de conferir o edital do vestibular que você está prestando. Conhecer a banca que prepara as suas provas também é crucial para a sua preparação. No site da Unicamp, por exemplo, existem modelos de respostas dissertativas ideais, medianas, erradas de questões de provas passadas. Esses exemplos podem servir de “termômetro” enquanto você estiver estudando. 

A importância da redação

A redação é mega importante em qualquer vestibular. Isso é fato! Mas, nos vestibulares para Medicina, um texto excelente é decisivo para você garantir sua vaga. Pense nos seus concorrentes: um aluno que se prepara para passar em Medicina é fera em Biologia, Física e Química. Ou, pelo menos, estuda horrores os tópicos dessas matérias. Mas isso não quer dizer, necessariamente, que ele manda bem na redação.

Afinal, como qualquer outra disciplina, redação se aprende praticando! Independente do vestibular que você vá prestar, procure os temas que caíram em edições passadas e treine em casa. Comece fazendo uma redação por semana e não esqueça de pedir para alguém corrigir os seus textos para garantir que você vai sempre melhorar a qualidade do que escreve. Quando estiver mais próximo da segunda fase, aumente o ritmo para duas redações por semana. Mas, não faça por fazer. Pratique a redação simulando a situação de prova, cronometrando o tempo e tudo!

O peso de um texto bem-feito

Para você ter ideia do quanto a redação é importante, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), por exemplo, mesmo utilizando parcialmente as avaliações do Enem, faz questão de aplicar uma redação própria para os candidatos do seu vestibular. Em outros processos seletivos, apenas a redação compõe uma parte considerável da média total. Na Fuvest, seu texto vale 12,5% de toda a sua nota, enquanto na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), essa porcentagem sobe para 17,95%! Uma redação perfeita é um diferencial enorme para você garantir o seu jaleco ano que vem, então não dá para vacilar. Reserve um tempo especial no seu cronograma de estudos para poder estudar e praticar redação!

Curtiu as dicas? Já está estudando pra segunda fase? Reestruture o seu cronograma de estudos para poder usar todas essas mudanças na sua rotina. Fica tranquilo que passar em Medicina é difícil, mas está longe de ser impossível. A gente te ajuda a conseguir o tão sonhado jaleco no ano que vem! Vamos juntos? 😉