Vídeo Aula: Da Idade Média à Idade Moderna

Olá, meus amigos!

Para manter o nosso blog sempre atualizado e com um conteúdo diversificado, estou passando para deixar uma vídeo aula muito importante para o ENEM que fala a respeito da transição da Idade Média para a Idade Moderna! Nesse módulo, o professor de história, Renato Pellizzari, nos explica as principais características de cada momento histórico e nos fornece um panorama super tranquilo de ser compreendido com os principais aspectos da transição de uma fase para a outra =)

Portanto, você não pode deixar de assistir à continuação do módulo e ficar por dentro desse assunto!

Boa aula!

Descrição:

00:00 História

Da Idade Média à Idade Moderna – Introdução

Professor: Renato Pellizzari

00:10 Olá! Hoje, nós vamos falar sobre o processo de transição da Idade Média para a Idade Moderna, lembrando sempre que esses fenômenos de transição não são extremamente rígidos, tendo vários eventos, vários fenômenos, vários acontecimentos relacionados a esse processo de transição.

00:30 Nesse momento, lidaremos com vários acontecimentos: crise do modelo feudal, a expansão marítima, o renascimento, a reforma protestante – tudo isso configura um processo de transição da Idade Média para a Idade Moderna. Agora, vejamos rapitadamente algumas características da Idade Média para que possamos entender qual a diferença entre ela e a Idade Moderna.

1:00 Primeiramente, vejamos a política da Idade Média. A Europa era fragmentada em feudos e os Estados ainda não estavam definidos. Dentro dos feudos quem liderava eram os senhores feudais ou o nobre.

1:30 Uma simples comparação seria considerarmos dentro de cada feudo um pequeno país. Nesse momento, as moedas não eram unificadas, tendo cada feudo uma moeda, não havia padrões de pesos e medidas, nem mesmo um idioma nacional. Portanto, notamos como característica da Idade Média a descentralização política. Embora tivessem reis, não havia a centralização de poder como se vê nos Estados nacionais modernos.

2:00 Esse processo de fragmentação aconteceu desde o fim da Idade Antiga com as invasões bárbaras e o fim do Império Romano. Junto ao processo de fragmentação, acontece o processo de ruralização da Europa, o que nos leva a entender que a principal atividade praticada era a agricultura de subsistência.

2:30 As cidades deixam de existir e consequentemente, as trocas comerciais caíram em desuso, só reaparecendo na chamada Baixa Idade Média.

A agricultura de subsistência é cultivada não pelos nobres, mas por homens pobres que não tendo terras para produzir, passam a trabalhar nas terras dos nobres para conseguir seu sustento.

3:00 Esse grupo é o grupo dos servos ou o campesinato.

Analisando tudo isso, observamos que temos uma estrutura social que compõe a estrutura econômica, ou seja, há um feudo, onde o nobre é dono dele e a sua relação de poder está diretamente relacionada a posse dessa terra. Então, homens pobres trabalham nessa terra como forma de sobreviver. Se eles trabalham em uma terra que não os pertencem, eles devem pagar impostos aos senhores feudais.

3:30 Com isso, os impostos feudais pagos pelos camponeses aos seus nobres acaba estabelecendo um grau de relacionamento entre eles, configurando uma estrutura social em que a mobilidade é raríssima. No topo da sociedade está o clero, logo abaixo a nobreza (também chamada de aristocracia) e por fim, a maior parte dessa estrutura social, o campesinato.

4:00 Portanto, esse último grupo social por não possuir terra própria, trabalha nas terras pertencentes a aristocracia e pagam impostos para que possam utilizar a terra (talha, coveia, banalidades são exemplos desses impostos). É importante ressaltar que os impostos feudais são importantes para manter a própria estrutura do feudalismo.

5:00 Cada estrutura social possui uma função:

– O campesinato é o trabalho.

– Os nobres são responsáveis pela defesa do território.

– O clero é responsável pelo contato do cidadão com Deus e isso é muito importante, uma vez que a sociedade da Idade Média é extremamente teocêntrica ( Deus é o centro de todas as questões).

5:30 Então, se tudo provém de Deus e o clero é responsável pelo contato com Deus, é considerado o grupo mais importante da sociedade. Podemos falar também de uma concepção política que é o poder ideológico exercido pela Igreja Católica.

fonte Descomplica

Continue estudando
artigo
Post do blog

Você sabe como surgiu o feudalismo?  

Descubra como surgiu o feudalismo com este resumo que vai tirar todas as suas dúvidas para a aula de história!
artigo
Post do blog

Reforma protestante e a Contra-Reforma (XVI)

Sejam bem vindos ao século XVI (1501-1600), período amplamente dominado pelo poder da Igreja Católica na Europa. As doutrinas e as decisões provenientes de Roma determinavam como as pessoas deveriam viver, em que acreditar, além de conferir legitimidade ao poder dos monarcas. Isso quer dizer que a Igreja (Católica) dominava quase todos os aspectos da vida no mundo ocidental europeu. Pois bem, acontece que isso não iria durar por muito tempo. No início dos anos 1500’s começaram a surgir diversos questionamentos sobre as crenças e práticas  endossados pelo Papa, terminando por romper a hegemonia da Igreja Católica. Desses movimentos, conhecidos conjuntamente como Reforma protestante, surgiram novas religiões como o Luteranismo, Calvinismo e Anglicanismo.