Como as obras literárias são cobradas nos vestibulares de São Paulo

A Fuvest e a Unicamp têm uma lista bem grandinha de leituras obrigatórias para seus vestibulares – e você pode conferir todos os livros cobrados aqui (Fuvest) e aqui (Unicamp)! – e ler essas obras deve ser parte da sua preparação para as provas. Mas você já parou para pensar como os livros vão cair lá na hora?

É super importante que você leia todas as obras tendo em mente como isso será cobrada nos vestibulares, assim você já vai estabelecendo as conexões necessárias, treinando seu olhar crítico, se aprofundando, tirando possíveis dúvidas com seus professores… Ninguém quer ter surpresa na hora da prova, né? Por isso, confira abaixo as principais formas como as leituras obrigatórias são cobradas nos vestibulares e já chegue 100% preparado!

Profundidade da obra

Dificilmente será cobrado de você falar sobre situações pontuais da história, como uma cena, um episódio específico ou os nomes de personagens secundários. As questões exigirão uma análise mais aprofundada da obra como um todo, pedindo que você

  • crie relações e comparações entre capítulos
  • analise a mudança de comportamento de um personagem
  • descreva a evolução de um personagem ou de uma situação

O mais importante aqui é o contexto! Na sua resposta, mostre que você tem uma visão geral do livro e consegue estabelecer relações dentro da história, procurando sempre contextualizar os personagens e as situações no enredo.

Classificar situações e processos dentro da obra

Além de contextualizar as situações, as atitudes dos personagens ou os processos vividos por eles, as questões também pedirão que você classifique-as. Como assim? Você deve definir um conceito para a situação ou processo – dê um “nome” para ela, como evolução e involução -, justificando com elementos da obra.

Ainda tá complicado? Um bom exemplo disso vem do livro Vidas Secas, cobrado em um montão de vestibulares: o personagem Fabiano passa por um processo de reificação (ou “coisificação) e de involução no decorrer da trama.  

Classificar dentro do movimento literário

Outro tipo de classificação que pode ser cobrado de você no vestibular é referente ao movimento literário. Você deve ser capaz de dizer a que movimento uma obra pertence e o que a caracteriza dentro dele. Não esqueça de sempre – sempre mesmo! – explicar o por quê de você ter classificado de maneira x ou y, apresentando argumentos.  

Contextualizar a época histórica em que a obra foi realizada

Manda mais contextualização que tá pouco! É super comum que as questões te peçam para explicar o contexto histórico da obra – a época em que ela foi escrita – e como isso influenciou o autor, o modelo de escrita, o enredo, e por aí vai…

Relacionar com os dias de hoje

Indo além do contexto histórico de produção da obra, pode ser cobrado que você relacione o contexto de produção da obra com os dias atuais, fazendo comparações e analisando se algo mudou. E se a resposta for sim, é bem importante trazer na sua resposta:

  • Comparação entre a época de produção e a atual
  • O que mudou?
  • Como mudou?
  • Por que mudou?

Esses 5 pontos são os queridinhos dos vestibulares na hora de cobrar as leituras obrigatórias, se apegue a eles! Que tal salvar esse link e sempre que terminar de ler alguma das obras tirar um tempo para preparar uma resposta para essas possíveis (muuuito possíveis mesmo) questões? Assim você já tem um pensamento todo estruturado para quando chegar na hora da prova responder na boa, sem desespero – e com uma super garantia de acertar! \o/

Continue estudando
artigo
Post do blog

Resumo: A Hora da Estrela, Clarice Lispector

Domingo agora, dia 17 de setembro, teremos a segunda prova de qualificação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. O exame vai abordar algumas questões sobre o livro “A Hora da Estrela”, da Clarice Lispector. Lógico que o time do Descomplica não ia te deixar na mão nessa hora, né? Preparamos um resumo para você ficar ligado nos principais pontos do livro e mandar super bem neste domingo. Vamos nessa? 😉
artigo
Post do blog

UFRGS inclui Hamlet como leitura obrigatória do seu vestibular

Fachada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Fonte: Catraca livre