Vírus: definição e classificações

Entenda mais sobre estes parasitas e entenda suas diferenças em relação aos outros seres vivos.

O nome vírus vem do latim e significa “veneno” ou “toxina”. Foi descoberto em 1982 pelo botânico russo Dimitri Ivanovsky ao pesquisar sobre uma doença presente nas folhas de fumo, conhecido como mosaico do tabaco. A descoberta foi possível devido ao desenvolvimento do microscópio eletrônico.

Desde a sua descoberta, os vírus se tornaram um grande problema para os cientistas do que seria o conceito de vida e até hoje há debate para colocar ou não os vírus como seres vivos.

Exemplos de virus
Exemplos de virus

Exemplos de vírus e suas variadas formas

Características dos vírus

Os vírus possuem características únicas que diferem de outros organismos. Dentre as características marcantes estão:

  • São acelulares: diferentemente dos organismos que conhecemos, os vírus não possuem célula, ou seja, não possuem membrana plasmática delimitando a célula e estruturas celulares como ribossomos. Estes são dotados apenas de material genético e um capsídeo proteico;
Estrutura de um vírus bacteriófago
Estrutura de um vírus bacteriófago
  • Sem metabolismo: os vírus não possuem metabolismo próprio e por isso necessitam utilizar o metabolismo de uma célula hospedeira para poderem reproduzir. Assim, os vírus são classificados como parasitas intracelulares obrigatórios;
  • Mineralização: os vírus fora da célula são inertes, alguns podendo cristalizar como se fossem sais minerais;
  • Material Genético: existem vírus que possuem material genético como DNA ou RNA. A exceção é o citomegalovírus que possui tanto DNA, quanto RNA em seu capsídeo;
  • Mutação e Evolução: os vírus são seres com grande facilidade para reprodução e mutação, o que traz variabilidade genética. Também podem evoluir juntamente com o hospedeiro ao longo do tempo.

Outras definições de vírus

  • Vírion: nome dado a partícula presente fora da célula hospedeira;
  • Vírus: nome dado a partícula presente dentro da célula hospedeira;
  • Vírus Envelopado: são vírus que possuem em sua estrutura um capsídeo proteico, material genético e uma membrana lipídica (herdada de uma célula hospedeira);
  • Vírus Não Envelopado: são vírus que possuem em sua estrutura somente um capsídeo proteico e o material genético.
Vírus Envelopado e Vírus Não Envelopado
Vírus Envelopado e Vírus Não Envelopado
  • Viroides: possuem apenas material genético (RNA) em forma circular, sem capsídeo. Não consegue ser encontrado fora da célula hospedeira como os vírus;
  • Virusoides: possuem apenas material genético (RNA), mas se propaga através de um capsídeo de outro vírus.

Classificação dos vírus

Os vírus podem ser classificados de acordo com o tipo de material genético encontrado e a forma que utiliza o metabolismo da célula hospedeira para a reprodução. São eles:

  • DNA vírus: são vírus que possuem DNA como material genético. Eles podem realizar o ciclo lisogênico, acoplando o seu DNA ao da célula hospedeira, não realizando o processo de reprodução. Também são capazes de realizar o ciclo lítico, onde começam a utilizar o metabolismo da célula hospedeira para a produção de novos capsídeos e DNA até estourar a célula hospedeira.
Ciclo lítico e lisogênico de um DNA vírus
Ciclo lítico e lisogênico de um DNA vírus

Exemplos de doenças causadas por DNA vírus: catapora, varíola, herpes e hepatite B.

  • Retrovírus: são vírus que possuem RNA como material genético, mas sintetizam DNA à partir de seu RNA viral através da enzima transcriptase reversa.
Ciclo de um retrovírus
Ciclo de um retrovírus

Exemplos de doenças causadas por retrovírus: vírus HIV e HTLV.

  • Vírus RNA replicantes: são vírus que possuem RNA como material genético e produzem novos RNA no citoplasma da célula hospedeira. Podem ser divididos em:

  • Vírus RNA replicantes de cadeia positiva: neste vírus, o seu RNA já funciona como RNA mensageiro, podendo realizar a tradução em proteínas através da enzima RNA polimerase dependente de RNA. São exemplares os vírus que causam febre amarela, zika e dengue.
  • Vírus RNA replicantes de cadeia negativa: estes vírus possuem a enzima RNA replicase que faz um molde de RNA complementar ao RNA do vírus. Este RNA complementar funcionará como RNA mensageiro, podendo realizar a tradução em proteínas. São exemplares os vírus que causam poliomielite e gripe.

Mecanismo de atuação dos vírus de cadeia positiva e negativa.

  • Arbovírus (“ARthropod BOrne VIRUSes”): é um nome genérico dado aos vírus que são transmitidos por artrópodes, como por exemplo mosquitos. O termo arbovírus não é incluído na classificação taxonômica de vírus. Isto é, vírus de famílias e até mesmo de ordens diferentes poderão ser denominados arbovírus. Exemplos de doenças causadas por arbovírus: febre amarela, zika e dengue.

Viroses

Devido as suas características de não possuir metabolismo próprio e ser um parasita intracelular obrigatório, pode causar doenças em humanos. Existem diferentes formas de transmissão viral:

  • Ar: gripe, resfriado, pneumonia, meningite, catapora (varicela), sarampo, caxumba, rubéola, mononucleose, citomegalovirose, varíola
  • Fluidos corporais: ebola
  • Água: disenteria (rotavírus), hepatite A
  • Animais: raiva (transmitido por morcego, cão e gato), zika, chikungunya e dengue (transmitido pelo mosquito Aedes Aegypti), febre amarela (transmitido pelos mosquitos Sabethes sp., Haemagogus sp. e Aedes Aegypti)

  • Relações sexuais (IST): HIV, herpes genital, condiloma genital (HPV), hepatite B e C

Medicamentos e vacinas

Existem medicamentos, os chamados antivirais, que podem ser utilizados para inibir a replicação viral, atenuando a ação do vírus nas células hospedeiras. São utilizados geralmente para o HIV, vírus da herpes, catapora, citomegalovírus, hepatite B, hepatite C e influenza A e B.

As vacinas por sua vez tem ação preventiva, gerando memória imunológica contra alguns vírus. Existem diversas vacinas que atuam contra a Raiva, Febre amarela, dengue, poliomielite, hepatite A e B, gripe e HPV.

As vacinas mais comuns são:

  • Tríplice viral: atua na imunização contra sarampo, caxumba e rubéola;
  • Pentavalente: atua na imunização contra difteria, tétano, coqueluche, meningite e a hepatite B;
  • Hexavalente: atua na imunização contra difteria, tétano, coqueluche, meningite, hepatite B e poliomielite.

OBS.: difteria, tétano e coqueluche são doenças bacterianas.

Agora que você aprendeu mais sobre a definição e classificações de alguns vírus, continue lendo nossos materiais sobre biologia clicando aqui!

Mecanismo de atuação dos vírus de cadeia positiva e negativa.
Mecanismo de atuação dos vírus de cadeia positiva e negativa.
Continue estudando
Post do blog

8 doenças virais que você precisa conhecer para o ENEM!

Dúvidas sobre vírus e suas doenças? Venha conhecer mais sobre estas oito doenças virais para se dar bem no ENEM e no vestibular.
artigo