Quer ficar por dentro das novas questões do Enem?

Cadastre-se e receba um aviso sempre que novas questões estiverem disponíveis!

Questão 126

Anoitecer

 

A Dolores

É a hora em que o sino toca,
mas aqui não há sinos;
há somente buzinas,
sirenes roucas,
apitos aflitos, pungentes, trágicos,
uivando escuro segredo;
desta hora tenho medo.

[…]

É a hora do descanso,
mas o descanso vem tarde,
o corpo não pede sono,
depois de tanto rodar;
pede paz – morte – mergulho
no poço mais ermo e quedo;
desta hora tenho medo.

Hora de delicadeza,
agasalho, sombra, silêncio.
Haverá disso no mundo?
É antes a hora dos corvos,
bicando em mim,
meu passado, meu futuro, meu degredo;
desta hora, sim, tenho medo.

ANDRADE, C. D. A rosa do povo. Rio de Janeiro: Record, 2005 (fragmento).

Com base no contexto da Segunda Guerra Mundial, o livro A rosa do povo revela desdobramentos da visão poética. No fragmento, a expressividade lírica demonstra um(a)

  1. defesa da esperança como forma de superação das atrocidades da guerra.
  2. desejo de resistência às formas de opressão e medo produzidas pela guerra.
  3. olhar pessimista das instituições humanas e sociais submetidas ao conflito armado.
  4. exortação à solidariedade para a reconstrução dos espaços urbanos bombardeados.
  5. espírito de contestação capaz de subverter a condição de vítima dos povos afetados.

Comentário da questão

Nesse texto, o eu-lírico se demonstra desesperançoso em relação ao fim da guerra; sente-se oprimido, sufocado diante dela, mesmo nos momentos em que deveria ter paz. Vocábulos como “sino”, “buzinas”, “sirenes” são utilizados de forma metonímica para sugerir a falta de sossego.

Equipe Descomplica
A melhor equipe de professores do Brasil ;)

Gabarito da questão

Opção C

Questões correspondentes

134 113 101

Assunto