Quer ficar por dentro das novas questões do Enem?

Cadastre-se e receba um aviso sempre que novas questões estiverem disponíveis!

Questão 116

Pote Cru é meu pastor. Ele me guiará.
Ele está comprometido de monge.
De tarde deambula no azedal entre torsos de
cachorro, trampas, trapos, panos de regra, couros,
de rato ao podre, vísceras de piranhas, baratas
albinas, dálias secas, vergalhos de lagartos,
linguetas de sapatos, aranhas dependuradas em
gotas de orvalho etc. etc.
Pote Cru, ele dormia nas ruínas de um convento
Foi encontrado em osso.
Ele tinha uma voz de oratórios perdidos.

BARROS, M. Retrato do artista quando coisa. Rio de Janeiro: Record, 2002.

Ao estabelecer uma relação com o texto bíblico nesse poema, o eu lírico identifica-se com Pote Cru porque

  1. entende a necessidade de todo poeta ter voz de oratórios perdidos.
  2. elege-o como pastor a fim de ser guiado para a salvação divina.
  3. valoriza nos percursos do pastor a conexão entre as ruínas e a tradição.
  4. necessita de um guia para a descoberta das coisas da natureza.
  5. acompanha-o na opção pela insignificância das coisas.

Comentário da questão

O poeta Manoel de Barros, ao fazer intertextualidade com a passagem da bíblia “O Senhor é meu pastor…”, faz uma comparação entre Deus e o “Pote Cru”. Dessa forma, ele mostra a sua identificação com um pote cru, algo que é insignificante, assim como as coisas da vida.

 

 

 

Equipe Descomplica
A melhor equipe de professores do Brasil ;)

Gabarito da questão

Opção E

Questões correspondentes

113 117 122 0

Assunto

Interpretação Textual

Intertextualidade

Manoel de Barros