Quer ficar por dentro das novas questões do Enem?

Cadastre-se e receba um aviso sempre que novas questões estiverem disponíveis!

Equipe Descomplica
A melhor equipe de professores do Brasil ;)

Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado

Análise da proposta de redação do ano de 2011.

O tema do ENEM de 2011 é o último, até agora, a falar de maneira universal de um assunto. Não especifica, então, a questão brasileira, o que precisa ser levado em consideração. Há, porém, uma palavra que merece destaque: limites. O aluno precisa discutir essas limitações – se existem, se estão mais fracas, etc., e os textos de apoio dão um bom direcionamento como relação a isso.

Análise das Referências

Texto I

Liberdade Sem Fio

A ONU acaba de declarar o acesso à rede um direito fundamental do ser humano – assim como saúde, moradia e educação. No mundo todo, pessoas começam a abrir seus sinais privados de wi-fi, organizações e governos se mobilizam para expandir a rede para espaços públicos e regiões onde ela ainda não chega, com acesso livre e gratuito.

ROSA, G.; SANTOS, P. Galileu. Nº 240, jul. 2011 (fragmento).

O texto 1 fala sobre o acesso gratuito à internet. Fala, portanto, da transformação do privado em público – aqui, porém, de forma positiva. Discute-se, então, a democratização do acesso à internet e a vantagem de se pensar em uma navegação para todos. É possível discutir, também, por meio desse texto, a importância de se manter o que é privado, mesmo com o ato de tornar público o acesso – evitando certa exposição exagerada.

Texto II

A internet tem ouvidos e memória

Uma pesquisa da consultoria Forrester Research revela que, nos Estados Unidos, a população já passou mais tempo conectada à internet do que em frente à televisão. Os hábitos estão mudando. No Brasil, as pessoas já gastam cerca de 20% de seu tempo on-line em redes sociais. A grande maioria dos internautas (72%, de acordo com o Ibope Mídia) pretende criar, acessar e manter um perfil em rede. “Faz parte da própria socialização do indivíduo do século XXI estar numa rede social. Não estar equivale a não ter uma identidade ou um número de telefone no passado”, acredita Alessandro Barbosa Lima, CEO da e.Life, empresa de monitoração e análise de mídias.

As redes sociais são ótimas para dissemiar ideias, tornar alguém popular e também arruinar reputações. Um dos maiores desafios dos usuários de internet é saber ponderar o que se publica nela. Especialistas recomendam que não se deve publicar o que não se fala em público, pois a internet é um ambiente social e, ao contrário do que se pensa, a rede não acoberta anonimato, uma vez que mesmo quem se esconde atrás de um pseudônimo pode ser rastreado e identificado. Aqueles que, por impulso, se exaltam e cometem gafes podem pagar caro.

Disponível em: http://www.terra.com.br. Acesso em: 30 jun. 2011 (adaptado).

Por falar em ponderação do que se publica, é importante destacar a perda dos limites, em certos momentos, entre o que é público e o que é privado, na internet. E o texto 2 discute isso. A sociedade de exposição exagerada é real e é importante entender melhor as causas disso. De certa maneira, perceber por que os jovens estão mais conectados – o que é destacado pelo texto – é uma maneira de interpretar essa questão.

Texto III

Sociedade de Controle é uma expressão formulada pelo filósofo Gilles Deleuze. Ela, de certa maneira, define um meio de monitoramento contínuo, controle de dados, de informações, exercido de maneira quase invisível – como na tirinha, por meio de câmeras. Consequentemente, o que se posta é visto, controlado, se perde na internet, o que confirma a necessidade de se ponderar as postagens – ideia apontada no texto 2.

Análise Geral

De maneira geral, é necessário pensar diretamente na questão das limitações: há limites entre o que é público e o que é privado, hoje? Consequentemente, há pontos positivos e negativos a se discutir? Além disso, deve-se destacar que o tema não especifica a questão brasileira, ou seja, é importante que o candidato fale da temática de forma mais universal, atingindo, inclusive, outros países – na Primavera Árabe, por exemplo, discutiu-se a necessidade de tornar públicos os problemas vividos pelas sociedades, a fim de se resolver o que acontecia.

Sugestão de Teses

Há, aqui, três sugestões de tese:

1. Há limites entre o público e o privado e eles estão sendo respeitados: Ainda que seja distante do que os alunos normalmente fariam, é possível dizer que os limites estão sendo respeitados, desde que haja argumentos que defendam essa ideia de maneira consistente. O candidato pode, por exemplo, falar sobre a conscientização recente com relação ao que se posta – nos últimos tempos, muitos pesquisadores têm falado sobre a diminuição no número de postagens com informações muito privadas.

2. Há limites entre o público e o privado e eles estão sendo totalmente despeitados: É possível, também, defender essa ideia, falando, por exemplo, sobre o vazamento de fotos muito particulares, aplicativos como o Secret (que foi descontinuado há pouco tempo), o crescimento cada vez maior de apps como o Facebook, o Instagram e o Snapchat.

3. Há limites entre o público e o privado e a sociedade até consegue respeitá-los, mas não como deveria: Aqui, pode-se discutir a presença desses limites e o respeito a essas regras – levando em consideração, por exemplo, as questões da sugestão 1 -, porém destacando os vazamentos e problemas da sugestão 2.

Conclusão

Há, então, uma necessidade de se discutir a sociedade de exposição exagerada em que vivemos, hoje, e se isso é realmente problemático para o indivíduo do século XXI – que, teoricamente, já está habituado a viver assim. Sugestões como os episódios de Black Mirror podem gerar boas contextualizações – além de, por exemplo, o filme “Her”, com Joaquin Phoenix.

Anterior
Análise do tema