• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Capitanias hereditárias: resumo, mapas e nomes das capitanias

Todo mundo meio que manja da história do descobrimento do Brasil, certo? Pedro Álvares Cabral avistou o Monte Pascoal em 22 de abril de 1500 e, a partir daí, os portugueses dominaram geral o nosso país. 

As capitanias hereditárias foram a primeira medida real dessa galera na colonização, então, vale a pena saber tudo sobre elas!

As capitanias hereditárias permitiram a implantação de um sistema de divisão administrativa por ordem do rei português D. João III. Tudo aconteceu em 1534, quando a América Portuguesa foi dividida em 15 faixas de terra, que existiram no Brasil por um tempão, acredita?

Pra entender melhor sobre o assunto, preparamos um resumo sobre as capitanias hereditárias pra você ficar por dentro de tudo e arrasar no Enem. Se liga só!

Como surgiram as capitanias hereditárias

Como a gente já te falou, as capitanias hereditárias foram a primeira medida de colonização tomada pelos portugueses, em 1534.

Tá bom, até aqui tudo bem, mas aí você vai pensar: “ué… o Brasil foi descoberto em 1500. A galera demorou tudo isso pra implantar as capitanias?”

Então, deixa a gente explicar: quando os portugueses descobriram o Brasil, eles ainda tinham pouco interesse por aqui. O que pegava forte na época eram as especiarias lá da Ásia, e foi pra lá que eles partiram após o descobrimento. 

Os primeiros 30 anos da história do Brasil (ou América Portuguesa) se resumiram apenas à instalação de feitorias no litoral brasileiro e na exploração dos trabalhos dos indígenas para a derrubada de pau-brasil.

Acontece que, depois de três décadas, eles sentiram que era preciso garantir sua posse sobre essa parcela de terra. O comércio de especiarias estava caído, e foi a hora em que o rei D. João III percebeu que era necessário cuidar dos interesses de Portugal.

Foi aí que eles tiveram a ideia de criar as capitanias hereditárias. A Coroa dividiu seu território na América em 15 lotes de terra correspondentes a 14 capitanias e as entregou para os chamados capitães donatários. 

Quem eram os donatários nas capitanias hereditárias?

Esses caras eram comerciantes e pessoas da pequena nobreza de Portugal que tinham boa relação com a Coroa portuguesa. 

Sua função era desenvolver a capitania, podendo, também, explorar a terra por meio da Carta de Doação. Seus deveres eram atribuídos pela Carta Floral.

Importante: a terra não era dos donatários, mas, sim do rei de Portugal. O donatário precisava, ainda, fazer os investimentos necessários para o desenvolvimento econômico da capitania. Do seu próprio bolso, tá?

Entre os direitos do donatário, estavam:

  • Possibilidade de desenvolver infraestrutura para atrair interessados em instalar-se na capitania;
  • Permissão para cobrar impostos em sua capitania;
  • Permissão de fazer a distribuição da terra (sesmarias) como fosse mais interessante.

Resultado das capitanias hereditárias

Como era de se esperar, as capitanias hereditárias não foram um grande sucesso. Literalmente, deu ruim. 

Prova disso é que, das 14 capitanias, apenas duas tiveram um certo sucesso. Isso porque conseguiram desenvolver a atividade de açúcar e mantiveram uma boa relação com os índios.

Alguns motivos para que as capitanias não dessem certo são:

  • Isolamento, com pouco contato entre as capitanias;
  • Comunicação demorada com a Coroa;
  • Falta de investimentos e recursos para desenvolver as capitanias;
  • Inexperiência administrativa dos donatários.

A existência das capitanias no Brasil estendeu-se até o século XVIII, mas esse sistema foi rapidamente substituído por outro, que criou uma estrutura que centralizava o poder na colônia.

Foi aí que surgiu o Governo-Geral, que possuía um governo centralizado na colônia e que era administrado por uma autoridade máxima, chamada governador-geral. 

Para fazer esse movimento, a Coroa desfez a capitania da Baía de Todos os Santos e orientou o primeiro governador-geral a criar lá a primeira capital do Brasil. Assim, Tomé de Sousa fundou Salvador, em 1549.

Mapa das capitanias hereditárias

Quando você estuda as capitanias hereditárias para o Enem, precisa entender também sua representação nos mapas. Isso porque a maioria desses mapas foi produzida no século XVI. 

Historiadores de todo o mundo utilizaram, por séculos, o mapa produzido pelo cartógrafo português Luís Teixeira, em 1586. 

Depois de muito tempo utilizando este mapa como referência, o professor universitário Jorge Pimentel Cintra concluiu que a distribuição geográfica das capitanias no mapa da América Portuguesa é um pouco diferente. Ele propôs, então, este novo mapa.

Curtiu a história das capitanias, né? Que tal dar uma olhada em um vídeo com um resumão do Descomplica sobre a história do Período Colonial Brasileiro? 

Resumo sobre o período colonial brasileiro

Com certeza o vídeo vai te ajudar a estudar e entender um pouco mais sobre o assunto! Ah! O Descomplica tem aulas online MA-RA pra você que vai prestar o Enem. Bora estudar!