• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Mapa Mental: Evolução dos Modelos Atômicos

Já saca tudo sobre Evolução dos Modelos Atômicos? Não? Então dê uma olhada neste mapa mental irado que vai salvar sua prova de química!

Mapa Mental: Evolução dos Modelos Atômicos

Há muitos anos, buscava-se uma explicação para o que poderia constituir a matéria. Pensava-se que o átomo fosse a menor partícula formadora de qualquer matéria. A palavra átomo é de origem grega, derivada de “a + thomos”, que significa “sem divisão”.

Essa definição não corresponde à ideia que se tem hoje. No século V a.C., o filósofo grego Leucipo e seu discípulo Demócrito imaginaram que a matéria não poderia ser infinitamente divisível. Se partida variadas vezes, chegaria a uma partícula muito pequena, indivisível e impenetrável, e assim concluíram que toda matéria era constituída por pequenas partículas indivisíveis, os átomos. Essa teoria se manteve por longos anos.  Somente no século XIX, um novo modelo para explicar de que se constituía a matéria foi apresentado.

John Dalton (1766 – 1844), cientista britânico retomou a ideia do átomo como constituinte básico da matéria. Dalton considerou os átomos como partículas pequenas, indivisíveis e indestrutíveis. Seu modelo ficou conhecido como “Bola de Bilhar”.

A ideia de elemento químico também foi sugerida neste momento, onde cada um seria constituído por um tipo de átomos iguais entre si, que, ao se combinar formariam outros compostos. John postulou ainda que átomos de elementos químicos diferentes apresentariam massas e propriedades químicas diferentes.

Esse modelo foi considerado por cerca de 100 anos, até que um novo modelo surgiu.