Xenofobia: o que é e exemplos

Veja nesse texto o significado do termo xenofobia e veja alguns exemplos de como acontece no mundo

Xenofobia é um termo que, nos últimos anos, tem ganhado muito destaque na mídia. É frequentemente relacionado ao grande fluxo de migrantes e refugiados oriundos de alguns conflitos no Oriente Médio (Guerra da Síria) e no norte da África (Guerra Civil Sul-Sudanesa). É acompanhado também de fake news espalhando boatos e mentiras sobre determinados grupos étnicos e religiosos.

É importante destacar que a xenofobia não é limitada apenas às questões de guerras. Sempre esteve presente quando o assunto é migração. Existem momentos em que a xenofobia se intensifica e outros, em que diminui. Isso decorre de diferentes causas, que serão comentadas no texto.

Mas afinal, qual é a definição de xenofobia?

Neste texto, será utilizado o conceito delimitado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Xenofobia: é o sentimento de aversão, desconfiança, medo, antipatia, rejeição em relação ao estrangeiro, ao que vem de outro país, ao que vem de fora. O sentimento de xenofobia se manifesta em atitudes discriminatórias e, muitas vezes, violentas, tanto verbais como físicas e psicológicas contra migrantes. Abordagens xenófobas também podem ser encontradas em políticas adotadas por países que buscam restringir fluxos migratórios.

É certo que existe um debate enorme sobre esse termo, principalmente entre os estudiosos do assunto. Se ele tem um caráter apenas individual ou pode ser coletivo. Se um Estado pode ou não adotar políticas xenófobas. Ou se ele deve assumir um caráter mais amplo, designando diferentes formas de preconceitos, como o racial ou cultural. Alguns estudiosos tendem a falar da xenofobia como um “novo racismo”, no qual se observaria a perda da identidade nacional com o aumento da imigração.

De qualquer forma, a definição trabalhada aqui e adotada por uma das maiores referências sobre o assunto possibilita o seguinte entendimento: a xenofobia consiste em um sentimento de aversão ao diferente, ao estrangeiro, que pode se materializar em práticas violentas contra determinadas pessoas ou grupos.

👉 Continue estudando Atualidade de graça no Descomplica!

O que causa e como identificar práticas xenófobas?

Existem inúmeros motivos que ajudam a explicar e identificar comportamentos e ações xenófobas.

Quanto às causas, no geral, quando se observa algum momento de crise econômica ou dificuldade enfrentada por um país, é possível notar o aumento de episódios de xenofobia. Assim, esse sentimento passa por questões como: o medo de perder o status social, pois o estrangeiro ameaçaria o sucesso econômico do cidadão; um modo de garantir uma identidade nacional e manter um sentimento de superioridade em meio às dificuldades; uma forma de culpabilizar alguém pelas dificuldades enfrentadas, removendo a própria responsabilidade desse problema. Tudo isso nos permite identificar algumas causas para esse sentimento.

Ademais, é possível também destacar como a xenofobia se manifesta a partir dos seguintes comportamentos: comentários discriminatórios sobre determinado grupo, com base na sua origem; políticas e leis definidas por governos para grupos estrangeiros específicos; além de intimidações e atos de violência pública contra essas pessoas ou elementos da sua cultura.

Xenofobia no mundo

Como discutido no texto, existem diferentes motivos para a xenofobia. São inúmeros casos registrados pelo mundo, envolvendo diferentes países, etnias e religiões.

Recentemente, devido à epidemia de um novo tipo de coronavírus, originado na China, tem-se observado o aumento de manifestações de racismo contra os chineses. Na França, no final de janeiro de 2020, franceses de origem asiática criaram a hashtag #JeNeSuisPasUnVirus (eu não sou um vírus). Eles protestam contra a discriminação. Um aluno chinês em intercâmbio na França, comentou que, quando algumas pessoas passavam por ele, tapavam o nariz. Ao mesmo tempo, comentários clichês sobre comidas exóticas e as condições de higiene dos asiáticos ganharam força com o avanço do coronavírus.

Isso é apenas um exemplo recente de um comportamento que deve ser associado à xenofobia. Ainda na França, é muito comum se observarem protestos, comentários e até ações políticas contra os enclaves territoriais islâmicos no país, bairros ocupados majoritariamente por uma população mulçumana. Essas áreas são apresentadas como locais de valores estranhos para o restante do país, o que explica o termo islamofobia, uma aversão aos adeptos do islã.

No leste da Alemanha, em 2018, a cidade de Chemnitz foi o retrato da xenofobia. Diversos simpatizantes da extrema-direita reuniram-se em locais públicos para protestar contra estrangeiros, com centenas de pessoas com bandeiras escritas “Fora, estrangeiro!” ou “Devolvam-nos nosso país”. Tais manifestações teriam como fagulha a morte de um indivíduo envolvendo um sírio e um iraquiano. Fake news logo se espalharam, relacionando a morte dessa pessoa a uma tentativa de salvamento de uma criança que estava sendo estuprada.

Para saber mais sobre a questão da imigração e dos refugiados, se liga neste vídeo do Dose de Atualidades do Descomplica.

Imigração e a questão dos refugiados | Dose de Atualidades

E no Brasil?

Infelizmente, tal condição não é restrita à Europa. Também é possível observá-la em diversos outros países e continentes. Não diferente, no Brasil, os casos de xenofobia se manifestaram de forma mais intensa em dois momentos, nos últimos anos. Um primeiro momento é relativo à migração de haitianos para o país. Devido a um terremoto que afetou a economia e a estabilidade política do Haiti, Forças de Paz da ONU lideradas pelo Brasil começaram a ajudar na sua recuperação. Com isso, um lanço foi criado e, somado ao crescimento econômico do Brasil, haitianos começaram a procurar o país com o objetivo de conquistar melhores condições de vida. Algum tempo depois, diversos relatos de haitianos começaram a surgir sobre preconceitos, ofensas e alguns atos de violência praticados com eles.

Em um segundo momento destaca-se o caso de refugiados venezuelanos no Brasil. Com a crise política e econômica que a Venezuela enfrenta, uma crise humanitária assolou o país. Assim, milhares de venezuelanos começaram a procurar abrigo, segurança e maior estabilidade nos países vizinhos ou com alguma proximidade cultural. O Brasil passou a ser destino de alguns desses refugiados. A cidade de Pacaraima, no norte do estado de Roraima, era a principal porta de entrada. Como milhares de migrantes começavam sua caminhada em solo brasileiro por essa localidade, os serviços saturaram rapidamente na região. Com isso, começou a se observarem manifestações e ações de violência contra os venezuelanos na cidade. O governo federal demorou para intervir e a situação se agravou.

Não é incomum citar alguns casos de xenofobia no Brasil contra migrantes e refugiados do Oriente Médio. No Rio de Janeiro, um vídeo viralizou após um refugiado sírio ser atacado verbalmente em Copacabana, com gritos de “Saia do meu país! Eu sou brasileiro e estou vendo meu país ser invadido por esses homens”. Em São Paulo, um restaurante árabe conhecido por empregar refugiados foi atacado por jovens, como uma forma de intimidar as pessoas que trabalham e frequentam o lugar. Esses são alguns casos recentes que demonstram o tamanho desse problema.

👉 Continue estudando Atualidade de graça no Descomplica!

Mas e aí, como combater a xenofobia?

Esse sentimento é complexo e resulta em grande parte do desconhecimento da população em relação ao estrangeiro, à sua cultura e costumes. O novo é diferente e tende a assustar. Para combater essa informação, o primeiro passo é a informação. Em todos esses casos, é comum culpar o outro, enquanto, na verdade, o problema passa por questões internas e estruturais. No caso, não é uma cultura ou um grupo que cria esses problemas. E, muitas vezes, eles são vítimas dessa questão. Assim, é necessário promover a integração e a diversidade.

Como exemplo, seria interessante citar campanhas como a do ACNUR, denominada “Sua causa é a minha causa”, que busca integrar e ampliar a solidariedade dos peruanos com o fluxo cada vez maior de venezuelanos no contexto da crise na Venezuela. Outra estratégia é mostrar o patrimônio intelectual e cultural dos refugiados, e como a mão de obra deles no mercado é importante para a economia e pode, inclusive, ajudar no crescimento e desenvolvimento econômico de um país.

Ah, e não poderia esquecer! Quer saber como utilizar isso tudo em uma redação? Confira o vídeo abaixo:

A xenofobia em discussão no século XXI | Redação Nota Mil

💚

A maior sala de aula direto da sua casa!

Junte-se aos 230 mil alunos que descobriram como melhorar os resultados estudando online! 👉 Clique aqui e saiba como!

Continue estudando
Post do blog

Fake news: significado, conceito e exemplos

Nesse texto, vamos entender exatamente o que são essas fake news, a origem do termo, como elas se espalham, os tipos existentes e como combatê-las.
artigo
Post do blog

Misoginia no Brasil: causas e conflitos

A misoginia se tornou um tema muito discutido e, por conta de sua gravidade, precisa ser analisada com cautela. Dessa forma, é um assunto que pode fazer parte do seu vestibular. Para se dar bem na prova, é importante levar em conta esse contexto. Afinal, ele pode ser usado na prova de conhecimentos gerais ou sua redação. Vamos aprender um pouco mais sobre o assunto?
artigo