Substantivo: exemplos e exercícios

Saiba tudo de mais importante sobre os substantivos e veja como esse conteúdo pode ser cobrado em provas

O estudo da língua é dividido em diferentes áreas, sendo uma delas a Morfologia. Nessa área, os vocábulos são analisados isoladamente e classificados, a partir de suas características, em dez classes gramaticais diferentes: substantivos, artigos, adjetivos, numerais, pronomes, verbos, conjunções, preposições, interjeições e advérbios.

Veremos, aqui, as características mais importantes dos substantivos. Essa classe gramatical é responsável por nomear seres, lugares, sentimentos, ações, entre outros elementos, e está enquadrada nas classes gramaticais variáveis, pois pode sofrer flexão de gênero, número e grau. Vamos aprender mais sobre ela?

O que é substantivo?

Substantivo é a palavra que usamos para designar seres, objetos, lugares, sentimentos, processos e afins. Ela deve funcionar sempre como termo mais importante das expressões nominais das quais fazem parte. Os substantivos podem ser flexionados de acordo com seu número (singular e plural) e gênero (feminino e masculino). Além disso, por adição de sufixo, eles assumem categoria de grau (diminutivo e aumentativo).

Classificação dos substantivos

Quanto ao significado:

  • Concreto: designam palavras com existência própria, como seres e objetos – sejam reais ou fictícios.

Exemplo: caneta, árvore, homem, cavalo.

  • Abstrato: designam palavras que dependem, necessariamente, da existência de outra, para acontecer, como ações, estados, qualidades e sentimentos.

Exemplo: beleza, saudade, ira, doçura, bondade.

Obs.: Uma mesma palavra pode ser um substantivo concreto ou abstrato dependendo do contexto. Analise o exemplo:

  1. A aliança entre os países é muito importante no cenário mundial. (Aliança = substantivo abstrato)
  2. Joana ganhou uma aliança de ouro no aniversário. (Aliança = substantivo concreto)

Quanto à abrangência:

  • Comuns: designam, genericamente, um elemento de um conjunto.

Exemplo: aluno, homem, país, cachorro.

  • Próprios: designam, especificamente, um elemento de um conjunto.

Exemplo: Brasil, Totó, Maria, José.

Quanto à formação:

  • Simples: são formados por um só radical.

Exemplo: mar, lápis, casa, mesa.

  • Compostos: são formados por mais de um radical.

Exemplo: guarda-chuva, pé de moleque, segunda-feira, girassol.

Quanto à origem:

  • Primitivos: são aqueles cujo radical não passa por nenhuma forma de derivação.

Exemplo: chuva, pedra, cabelo.

  • Derivados: são aqueles que sofrem sufixação, prefixação ou alguma forma de derivação.

Exemplo: Chuveiro, pedregulho, cabeleira.

Flexões dos substantivos

Gênero

  • Masculino: Geralmente, são precedidos de artigos masculinos (“o(s) e “um(ns)”). Ex.: Copo, menino, cavalo, pente, etc.
  • Feminino: Geralmente, são precedidos de artigos femininos (“a(s)” e “uma(s)”). Ex.: Xícara, menina, égua, escova, etc.

Temos, na nossa língua, dois tipos de substantivos:

  • Uniformes: aqueles que possuem uma forma única para ambos os gêneros. Ex.: anjo, amante, estudante, etc.

  • Biformes: possuem formas diferentes para o masculino e o feminino. Ex.: menino/menina; trabalhado/trabalhadora; cão/cadela, etc.

Número

  • Singular: Casa, pessoa, animal, carro, etc.
  • Plural: Casas, pessoas, animais, carros, etc.

Grau

  • Aumentativo: carro grande (forma analítica)/carrão (forma sintética); casa grande (forma analítica)/casarão (forma sintética).
  • Diminutivo: menina pequena (forma analítica)/menininha (forma sintética); gato pequeno (forma analítica)/gatinho (forma sintética).

Substantivação

Os artigos (“o(s)”, “a(s)”, “um(s)”,uma(s)) podem substantivar qualquer palavra ou expressão a que se antepõem, independentemente da classe gramatical a que essa palavra pertence. Esses casos são conhecidos como derivação imprópria.

Ex.: O andar de Gabriela chama atenção. (“andar” é um verbo que sofreu o processo de substantivação).

Os quatro chegaram atrasados ontem. (“quatro” é um numeral cardinal que foi substantivado).

O muito aborrece e o pouco enobrece. (“muito” e “pouco” são advérbios de intensidade que sofreram processo de substantivação).

Substantivo X Adjetivo

Em alguns casos, a mudança de posição de uma palavra implica a mudança de sua classe gramatical. Esse fenômeno é bastante comum entre substantivos e adjetivos.

Analise o trecho retirado da célebre obra de Machado de Assis “Memórias póstumas de Brás Cubas”:

“(...) eu não sou propriamente um autor defunto, mas um defunto autor, para quem a campa foi um berço (...).”

No primeiro caso (“autor defunto”), “autor” é um substantivo e “defunto” é o adjetivo que caracteriza o substantivo “autor”. No entanto, no segundo (“defunto autor”), a mudança de posição faz com que “defunto” seja o substantivo e “autor” seja o adjetivo que caracteriza o vocábulo “autor”.

Substantivo: Exercícios

1) O diminutivo é uma maneira ao mesmo tempo afetuosa e precavida de usar a linguagem. Afetuosa porque geralmente o usamos para designar o que é agradável, aquelas coisas tão afáveis que se deixam diminuir sem perder o sentido. E precavida porque também o usamos para desarmar certas palavras que, por sua forma original, são ameaçadoras demais.

Luís Fernando Veríssimo, Diminutivos.

A alternativa inteiramente de acordo com a definição do autor sobre diminutivos é:

a) O iorgurtinho que vale por um bifinho.

b) Ser brotinho é sorrir dos homens e rir interminavelmente das mulheres.

c) Gosto muito de te ver, Leãozinho.

d) Essa menininha é terrível!

e) Vamos bater um papinho.

2) A questão aborda um fragmento de um artigo de Mônica Fantin sobre o uso dos tablets no ensino, postado na seção de blogues do jornal Gazeta do Povo em 16.05.2013: Ou seja, pensar na potencialidade que o tablet oferece na escola - acessar e produzir imagens, vídeos, textos na diversidade de formas e conteúdos digitais - implica em repensar a didática e as possibilidades de experiências e práticas educativas, midiáticas e culturais na escola ao lado de

questões econômicas e sociais mais amplas. E isso necessariamente envolve a reflexão crítica

sobre os saberes e fazeres que estamos produzindo e compartilhando na cultura digital.

(Tablets nas escolas. www.gazetadopovo.com.br. Adaptado.)

No último período do texto, os termos “saberes” e “fazeres” são

a) adjetivos

b) pronomes

c) substantivos

d) advérbios

e) verbos

3) A CIÊNCIA DO PALAVRÃO

Por que diabos m... é palavrão? Aliás, por que a palavra diabos, indizível décadas atrás, deixou de ser um? Outra: você já deve ter tropeçado numa pedra e, para revidar, xingou-a de algo como fllha da..., mesmo sabendo que a dita nem mãe tem.

Pois é: há mais mistérios no universo dos palavrões do que o senso comum imagina. Mas a ciência ajuda a desvendá-los. Pesquisas recentes mostram que as palavras sujas nascem em um mundo à parte dentro do cérebro. Enquanto a linguagem comum e o pensamento consciente ficam a cargo da parte mais sofisticada da massa cinzenta, o neocórtex, os palavrões moram nos porões da cabeça. Mais exatamente no sistema Iímbico. Nossa parte animal fica lá.

E sai de vez em quando, na forma de palavrões. A medicina ajuda a entender isso. Veja o caso da síndrome de Tourette. Essa doença acomete pessoas que sofreram danos no gânglio basal, a parte do cérebro cuja função é manter o sistema Iímbico comportado. E os palavrões saem como se fossem tiques nervosos na forma de palavras.

Mas você não precisa ter lesão nenhuma para se descontrolar de vez em quando, claro. Justamente por não pensar, quando essa parte animal do cérebro fala, ela consegue traduzir certas emoções com uma intensidade inigualável.

Os palavrões, por esse ponto de vista, são poesia no sentido mais profundo da palavra. Duvida? Então pense em uma palavra forte. Paixão, por exemplo. Ela tem substância, sim, mas está longe de transmitir toda a carga emocional da paixão propriamente dita. Mas com um grande e gordo p.q.p. a história é outra. Ele vai direto ao ponto, transmite a emoção do sistema Iímbico de quem fala diretamente para o de quem ouve. Por isso mesmo, alguns pesquisadores consideram o palavrão até mais sofisticado que a linguagem comum.

(www.super.abril.com.br/revista/. Adaptado.)

No texto, o substantivo “palavrão”, ainda que se mostre flexionado em grau, não reporta a ideia de tamanho. Tal emprego também se verifica em:

a) Durante a pesquisa, foi colocada uma “gotícula” do ácido para se definir a reação.

b) Na casa dos sete anões, Branca de Neve encontrou sete minúsculas “caminhas”.

c) Para cortar gastos, resolveu confeccionar “livrinhos” que cabem nos bolsos.

d) Não estava satisfeita com aquele “empreguinho” sem graça e sem perspectivas.

e) Teve um “carrinho” de dois lugares, depois um carro de cinco e, hoje, um de sete.

4) (Unifesp) Observe a tirinha abaixo, na qual há referências à Canção do Exílio, de Gonçalves Dias.

Tirinha Mauricio de Souza
Tirinha Mauricio de Souza

Caso os balõezinhos dessa tirinha não estivessem com todas as falas dos personagens escritas em letras maiúsculas, a palavra palmeiras, que aparece em uma frase entre aspas, no segundo quadrinho, deveria ser escrita

a) com inicial maiúscula, por se tratar de um substantivo próprio, nome do famoso time brasileiro de futebol.

b) com inicial minúscula, por se tratar de um substantivo comum, nome da planta referida por Gonçalves Dias, na “Canção do exílio”.

c) com inicial maiúscula, por se tratar de um substantivo comum, nome da planta referida por Gonçalves Dias.

d) com inicial minúscula, por se tratar de um substantivo com valor de adjetivo, a designar um time brasileiro de futebol.

e) com inicial minúscula, por se tratar de um substantivo próprio, nome da planta referida na “Canção do exílio”.

5) Leia o seguinte trecho de uma entrevista concedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa:

Entrevistador: — O protagonismo do STF dos últimos tempos tem usurpado as funções do Congresso?

Entrevistado: — Temos uma Constituição muito boa, mas excessivamente detalhista, com um número imenso de dispositivos e, por isso, suscetível a fomentar interpretações e toda sorte de litígios. Também temos um sistema de jurisdição constitucional, talvez único no mundo, com um rol enorme de agentes e

instituições dotadas da prerrogativa ou de competência para trazer questões ao Supremo. É um leque considerável de interesses, de visões, que acaba causando a intervenção do STF nas mais diversas questões, nas mais diferentes áreas, inclusive dando margem a esse tipo de acusação. Nossas decisões não deveriam passar de duzentas, trezentas por ano. Hoje, são analisados cinquenta mil, sessenta mil processos. É uma insanidade.

Veja, 15/06/2011.

No trecho “dotadas da prerrogativa ou de competência”, a presença de artigo antes do primeiro substantivo e a sua ausência antes do segundo fazem que o sentido de cada um desses substantivos seja,

respectivamente,

a) figurado e próprio.

b) abstrato e concreto.

c) específico e genérico.

d) técnico e comum.

e) lato e estrito.

6) A sensível

Foi então que ela atravessou uma crise que nada parecia ter a ver com sua vida: uma crise de profunda piedade. A cabeça tão limitada, tão bem penteada, mal podia suportar perdoar tanto. Não podia olhar o rosto de um tenor enquanto este cantava alegre – virava para o lado o rosto magoado, insuportável, por piedade, não suportando a glória do cantor. Na rua de repente comprimia o peito com as mãos enluvadas – assaltada de perdão. Sofria sem recompensa, sem mesmo a simpatia por si própria. Essa mesma senhora, que sofreu de sensibilidade como de doença, escolheu um domingo em que o marido viajava para procurar a bordadeira. Era mais um passeio que uma necessidade. Isso ela sempre soubera: passear. Como se ainda

fosse a menina que passeia na calçada. Sobretudo passeava muito quando “sentia” que o marido a enganava. Assim foi procurar a bordadeira, no domingo de manhã. Desceu uma rua cheia de lama, de galinhas e de crianças nuas – aonde fora se meter! A bordadeira, na casa cheia de filhos com cara de fome, o marido tuberculoso – a bordadeira recusou-se a bordar a toalha porque não gostava de fazer ponto de cruz!

Saiu afrontada e perplexa. “Sentia-se” tão suja pelo calor da manhã, e um de seus prazeres era pensar que sempre, desde pequena, fora muito limpa. Em casa almoçou sozinha, deitou-se no quarto meio escurecido, cheia de sentimentos maduros e sem amargura. Oh pelo menos uma vez não “sentia” nada. Senão talvez a perplexidade diante da liberdade da bordadeira pobre. Senão talvez um sentimento de espera. A liberdade.

(Clarice Lispector. Os melhores contos de Clarice Lispector, 1996.)

O emprego do adjetivo “sensível” como substantivo, no título do texto, revela a intenção de

a) ironizar a ideia de sentimento, então destituído de subjetividades e ambiguidades na expressão da senhora.

b) priorizar os aspectos relacionados aos sentimentos, como conteúdo temático do conto e expressão do que vive a senhora.

c) explorar a ideia de liberdade em uma narrativa em que o efeito de objetividade limita a expressão dos sentimentos da senhora.

d) traduzir a expressão comedida da senhora ante a vida e os sentimentos mais intensos, como na relação com a bordadeira.

e) dar relevância aos aspectos subjetivos das relações humanas, pondo em sintonia os pontos de vista da senhora e da bordadeira.

7) ACHADO

Aqui, talvez, o tesouro enterrado

há cem anos pelo guarda-mor.

Se tanto o guardou, foi para os trinetos,

principalmente este: o menor.

Cavo com faca de cozinha, cavo

até, no outro extremo, o Japão

e não encontro o saco de ouro

de que tenho a mor precisão

para galopar no lombo dos longes

fugindo a esta vidinha choca.

Mas só encontro, e rabeia, e foge

uma indignada minhoca.

Carlos Drummond de Andrade.

Sobre a expressão “vidinha choca” entendida no contexto do poema, é correto afirmar:

a) o diminutivo exprime carinho, ao contrário do termo que o acompanha.

b) a ideia aí presente é de tempo: sugere-se que a vida é passageira.

c) seu sentido se opõe àquilo que, poeticamente, “minhoca” está representando.

d) o adjetivo deve ser entendido denotativamente, ao contrário do substantivo.

e) o segundo termo reforça o sentido negativo do primeiro.

8) Durante uma Copa do Mundo, foi veiculada, em programa esportivo de uma emissora de TV, a notícia de que um apostador inglês acertou o resultado de uma partida porque seguiu os prognósticos de seu burro de estimação. Um dos comentaristas fez, então, a seguinte observação: “Já vi muito comentarista burro, mas burro comentarista é a primeira vez”.

Percebe-se que a classe gramatical das palavras se altera em função da ordem que elas assumem na expressão. Assinale a alternativa em que isso não ocorre:

a) obra grandiosa

b) jovem estudante

c) brasileiro trabalhador

d) velho chinês

e) fanático religioso

Gabarito:

1) C

Na palavra “leãozinho” há o viés afetuoso, pois serve como vocativo a alguém; mas, também, há o viés precavido, pois há a redução do peso da palavra “leão”, sendo assim, evidencia que é um animal de tamanho reduzido.

2) C

Os vocábulos “saberes” e “afazeres” são substantivos, pois estão precedidos de artigos definidos.

3) D

O diminutivo da palavra “emprego” não está relacionado ao tamanho físico, mas sim a uma ideia de inferioridade, assim como acontece com a ideia de “palavrão”: a ideia de “palavrão” está relacionada ao sentido da palavra e não ao tamanho dela. Nas demais opções, o diminutivo tem a ver com grandeza: “carrinho” = carro pequeno, por exemplo.

4) B

O termo “palmeiras” com inicial minúscula faz referência a uma vegetação, aludindo ao poema de Gonçalves Dias. Caso fosse escrito com a inicial maiúscula, “Palmeiras”, entende-se que o termo alude ao reconhecido time de futebol de São Paulo.

5) C

O uso da preposição “de” fundido com o artigo ‘a’ no trecho “dotadas da prerrogativa” particularizam o substantivo que já havia sido apresentado anteriormente, a prerrogativa constitucional de “trazer questões ao Supremo”.; já o trecho “de competência”, em que há a omissão do artigo, o valor do substantivo é genérico.

6) B

Quando um adjetivo assume, dentro de um determinado contexto, uma outra função gramatical, temos a criação de uma derivação imprópria. O título do texto substantiva um adjetivo que traduz o perfil psicológico da personagem.

7) E

O sentido do diminutivo “vidinha” é depreciativo, assim como, nesse caso, o do adjetivo choca (“paralisada qual uma ave em período de chocar ovos”).

8) A

Entre as alternativas apresentadas, apenas em “obra grandiosa” ou “grandiosa obra” não há alteração de sentido nem de classe gramatical das palavras caso sua ordem seja alterada porque “obra” é substantivo e “grandiosa”, adjetivo.

Quer treinar mais em simulados para o ENEM ou vestibular? Então, continue navegando na disciplina de Português e aumente sua nota!

Continue estudando
artigo
Post do blog

Exercícios Resolvidos: Pronomes Demonstrativos e Indefinidos

Recentemente, falamos sobre as classes gramaticais e ensinamos o que são os pronomes. Eles são os responsáveis por acompanhar, substituir ou fazer referência ao nome. Ou seja, são palavras variáveis em gênero (masculino/feminino) e número (singular/plural).
artigo
Post do blog

Exercícios Resolvidos: Pronomes

Leia o resumo “Classes Gramaticais: Pronomes” e resolva os exercícios abaixo.