Concordância Verbal: Confira tudo o que você precisa saber aqui!

Concordância Verbal

Ocorre concordância verbal quando o verbo se flexiona para concordar com o seu sujeito.

Vamos ver alguns casos de concordância verbal?

Sujeito simples

  • Regra geral: O verbo concorda com o núcleo do sujeito em número e pessoa. Ex: Eles são legais.
  • Casos especiais:

  • Quando o sujeito é um coletivo, o verbo fica no singular. Ex: A multidão gritava.
  • Se o coletivo vier especificado, o verbo pode ficar no singular ou ir para o plural. Ex: A multidão de fãs gritava. / A multidão de fãs gritavam.
  • Quando o sujeito é formado por uma expressão partitiva (metade de, a maioria de, etc.), o verbo fica no singular (concordância lógica) ou vai para o plural (concordância atrativa). Ex: A maioria das pessoas foi à festa. / A maioria das pessoas foram à festa.
  • Quando o sujeito é um pronome de tratamento, o verbo fica sempre na 3ª pessoa (do singular ou do plural). Ex: Vossa alteza pediu silêncio. / Vossas altezas pediram silêncio.
  • Quando o sujeito é o pronome relativo “que”, o verbo concorda com o antecedente do pronome. Ex: Fui eu que derramei água. / Fomos nós que derramamos água.
  • Quando o sujeito é o pronome relativo “quem”, o verbo pode ficar na 3ª pessoa do singular ou concordar com o antecedente do pronome. Ex: Fui eu quem te deu amor. / Fui eu quem te dei amor.
  • Quando o sujeito é um pronome interrogativo ou indefinido plural (quais, quantos, alguns, poucos, muitos, quaisquer, vários) seguido por “de nós” ou “de vós”, o verbo pode concordar com o primeiro pronome (na terceira pessoa do plural) ou com o pronome pessoal. Ex: Quantos de nós somos capazes? / Quantos de nós são capazes?
  • Quando o sujeito é formado de nomes que só aparecem no plural, se o sujeito não vier precedido de artigo, o verbo ficará no singular. Caso venha antecipado de artigo, o verbo concordará com o artigo. Ex: Estados Unidos é uma nação poderosa. / Os Estados Unidos são a maior potência mundial.
  • Quando o sujeito é formado por expressão que indica quantidade aproximada (cerca de, mais de, menos de, perto de…) seguida de numeral e substantivo, o verbo concorda com o substantivo. Ex: Mais de um aluno não compareceu à prova. / Mais de dois alunos não compareceram à prova.
  • Quando o sujeito é formado por uma expressão que indica porcentagem seguida de substantivo, o verbo deve concordar com o substantivo. Ex: 25% do orçamento do país deve destinar-se à Educação. / 1% dos alunos faltaram à prova.

Sujeito composto

  • Regra geral: O verbo vai para o plural. Ex: Joana e Pedro viajaram.
  • Casos especiais:

  • Nos sujeitos compostos formados por pessoas gramaticais diferentes, a concordância ocorre da seguinte maneira: a primeira pessoa do plural prevalece sobre a segunda pessoa, que por sua vez, prevalece sobre a terceira. Ex: Você e eu tomaremos uma decisão. / Tu e teus irmão tomareis uma decisão.
  • Quando o sujeito é composto, formado por um elemento da segunda pessoa e um da terceira, é possível empregar o verbo na terceira pessoa do plural. Ex: Tu e teus irmãos tomarão a decisão.
  • No caso do sujeito composto posposto ao verbo, passa a existir uma nova possibilidade de concordância: em vez de concordar no plural com a totalidade do sujeito, o verbo pode estabelecer concordância com o núcleo do sujeito mais próximo. Ex: Faltaram estudo e dedicação. / Faltou estudo e dedicação.
  • Quando os núcleos do sujeito estão ligados por “e”, o verbo concordará com os dois núcleos. Ex: Ela e ele seguiram a viagem.
  • Quando os núcleos do sujeito são sinônimos (ou quase) e estão no singular, o verbo poderá ficar no plural (concordância lógica) ou no singular (concordância atrativa). Ex: Descaso e desprezo marcam / marca seu comportamento.
  • Quando há gradação entre os núcleos, o verbo pode concordar com todos os núcleos (lógica) ou apenas com o núcleo mais próximo. Ex: Com você, meu amor, uma hora, um minuto, um segundo me satisfazem / satisfaz.
  • Quando os sujeitos forem resumidos por nada, tudo, ninguém, etc., o verbo concordará com o aposto resumidor. Ex: Os pedidos, as súplicas, o desespero, nada o comoveu.
  • Quando os núcleos do sujeito estiverem ligados por “ou”, o verbo irá para o singular quando a ideia for de exclusão, e para o plural quando for de inclusão. Ex: Roma ou Buenos Aires será a sede da próxima Olimpíada. / Drummond ou Bandeira representam a essência da poesia brasileira.
  • Quando os núcleos do sujeito são unidos por expressões correlativas como: “não só…mas ainda”, “não somente”…, “não apenas…mas também”, “tanto…quanto”, o verbo concorda de preferência no plural. Ex: Tanto Erundina quanto Collor perderam / perdeu as eleições municipais em São Paulo.

Outros casos

  • A partícula “SE”:

  • Partícula apassivadora: o verbo (transitivo direto) concordará com o sujeito passivo. Ex: Vende-se casa. / Vendem-se casas.
  • Índice de indeterminação do sujeito: o verbo (transitivo indireto) ficará, obrigatoriamente, no singular. Ex: Precisa-se de empregados.

  • Verbos impessoais: são aqueles que não possuem sujeito. Portanto, ficarão sempre na 3ª pessoa do singular. Ex: Há quatro pessoas no restaurante. / Faz quinze anos que não te vejo.

  • Verbos dar, bater e soar: quando usados na indicação de horas, possuem sujeito (relógio, hora, horas, badaladas…), e com ele devem concordar. Ex: O relógio deu duas horas. / Bateram cinco badaladas no sino da igreja.

  • Concordância com o verbo SER:

  • Nas expressões do tipo: ser preciso, ser necessário, ser bom, o verbo e o adjetivo pode ficar invariável (verbo na 3ª pessoa do singular e adjetivo no masculino singular) ou concordar com o sujeito posposto. Ex: É necessário aqueles materiais. / São necessários aqueles materiais.
  • Quando o sujeito ou predicativo da oração for pronome pessoal, a concordância se dará com o pronome. Ex: Aqui, a dona sou eu.
  • Se o sujeito for pessoa, a concordância nunca se fará com o predicativo. Ex: O menino era as esperanças da família
  • Em indicações de horas, datas, tempo, distância – a concordância será feita com a expressão numérica. Ex: É uma hora. / São dez horas.
  • Quando, em predicados nominais, o sujeito for representado por um dos pronomes: tudo, nada, isto, isso, aquilo – o verbo “ser” ou “parecer” concordarão com o predicativo. Ex: Tudo são flores.
  • O verbo ser concordará com o predicativo quando o sujeito for os pronomes interrogativos: que ou quem. Ex: Quem são vocês?

  • Concordância com o infinitivo:

  • Infinitivo pessoal e sujeito expresso na oração não se flexionam o infinitivo se o sujeito for representado por pronome pessoal oblíquo átono. Ex: Esperei-as ir embora.
  • Flexiona-se obrigatoriamente o infinitivo se o sujeito for diferente de pronome átono e determinante de verbo não causativo nem sensitivo. Ex: Esperei saírem todos.
Continue estudando
artigo
Post do blog

Mapa Mental: Concordância e Regência Nominal

Você não pode ir para sua prova com dúvidas em Concordância e Regência Nominal! Fique por dentro de tudo com estes mapas mentais <3
artigo
Post do blog

Mapa Mental: Concordância Verbal

Não deixe português complicar sua vida! Confira este mapa mental sobre Concordância Verbal e fique pronto para mandar bem na sua prova! 😉