• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Quem foi Paulo Freire?

Você sabe quem foi Paulo Freire? Paulo Reglus Neves Freire, mais conhecido apenas como Paulo Freire, é um nome que você provavelmente conhece ou ao menos ouviu falar. 

Isso porque ele foi um educador, escritor e filósofo pernambucano, nascido em 1921, e tornou-se muito admirado e citado em todo o mundo, sendo um dos responsáveis pelo nosso Plano Nacional de Alfabetização.

No início da carreira, ele atuou como professor de Língua Portuguesa, mas ele também trabalhou para o Serviço Social da Indústria (SESI) como diretor do setor de educação e cultura, além de ter lecionado Filosofia da Educação na Universidade de Recife.

Sua trajetória lhe rendeu cerca de 48 títulos, sabia? Isso entre doutorados honoris causa e outras honrarias de universidades e organizações brasileiras e do exterior. 

Todo brasileiro, especialmente quem for prestar o Enem, deve saber quem foi Paulo Freire, saber sua história e conhecer as suas obras. Acompanhe as nossas dicas pra entender melhor quem foi ele!

Quem foi Paulo Freire e por que ele é importante para o Brasil

Paulo Freire é considerado o brasileiro com mais títulos de doutorados honoris causa e é o escritor da terceira obra mais citada em trabalhos de Ciências Humanas do mundo: Pedagogia do Oprimido.

Ele nasceu em 19 de setembro de 1921, na cidade de Recife, capital de Pernambuco. Era filho de um policial militar e de uma dona de casa e estudou, inicialmente, no Colégio Oswaldo Cruz, em Recife, por meio de bolsa de estudos. Mais tarde, Freire tornou-se auxiliar de disciplina e, depois, professor de Língua Portuguesa.

Em 1943, ingressou no curso de Direito da Universidade de Recife. Em 1947, foi nomeado diretor do Departamento de Educação e Cultura, do Serviço Social da Indústria, iniciando um trabalho com a alfabetização de jovens e adultos carentes e de trabalhadores da indústria.

Já em 1961, Freire se tornou diretor do Departamento de Extensões Culturais, da Universidade de Recife, onde realizou suas primeiras experiências mais amplas com alfabetização de adultos.

Seu método fez tanto sucesso e foi tão eficiente, alfabetizando jovens e adultos em cerca de 40 horas e por um custo baixo, que ele inspirou o Plano Nacional de Alfabetização, utilizado pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) ainda no governo de João Goulart. 

Com a ajuda de Paulo Freire, milhares de trabalhadores que antes tinham seus direitos negados e eram analfabetos, puderam reivindicar alguns pontos como descanso semanal remunerado e jornada de trabalho que seguisse a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

Outro ponto decisivo de sua atuação foi permitir que milhões de brasileiros pudessem votar, após serem alfabetizados. 

Com tanto avanço e ameaça à elite dominante, em 1964, o Plano Nacional de Alfabetização foi cancelado. Paulo Freire também foi preso por 70 dias e exilado.

Conquistas de Paulo Freire

No exílio, Freire teve diversas contribuições para a alfabetização de adultos. No Chile, por exemplo, coordenou projetos nessa frente e, em 1969, foi convidado a lecionar na Universidade de Harvard. Em 1970, foi consultor e coordenador emérito do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), com sede em Genebra, na Suíça.

Freire retornaria ao Brasil em 1980, depois de se empenhar em uma série de projetos de educação voltados para a alfabetização, para a redução da desigualdade social e para a garantia de direitos

Entre 1988 e 1991, ele foi nomeado secretário de educação do município de São Paulo pela então prefeita, Luiza Erundina. Em vida e depois de sua morte, em 1999, o professor Paulo Freire foi condecorado com 48 títulos honoríficos.

Seu nome figura em cerca de 350 escolas e instituições, como bibliotecas e universidades espalhadas em todo o mundo. Ele foi, inclusive, reconhecido como Patrono da Educação Brasileira

A obra Pedagogia do Oprimido é o terceiro livro mais citado em trabalhos da área de humanidades no mundo! Ele já foi citado quase 80 mil vezes, superando pensadores como Michel Foucault, Pierre Bourdieu e Karl Marx. 

Principais obras de Paulo Freire

Paulo Freire tem quase 40 livros publicados, na somatória de publicações em vida, póstumas, cartas, entrevistas, ensaios e artigos. Quem quiser conhecer melhor a história do educador e seus pensamentos, precisa ler:

Pedagogia do Oprimido: propõe uma revisão da relação entre educadores e educandos. Segundo ele, “o diálogo é uma exigência existencial”. Na obra, Freire enfatiza que educação dialógica é a chave para levar uma educação libertadora às massas, sem excluir a própria massa do processo educativo. 

Educação como prática da liberdade: escrito no exílio, após o término de Pedagogia do Oprimido, é uma autocrítica de sua atuação e uma proposta de educação que visa a acabar com a exclusão. 

Cartas a Guiné-Bissau: escrito no período em que Freire atuou no projeto de alfabetização popular promovido em Guiné-Bissau, após a sua independência. As cartas que compõem a obra têm um objetivo mais reflexivo de apontar a potência, a paixão e a criação daquele povo recém-independente.

Pedagogia da autonomia: aqui, Freire traz um conjunto de conhecimentos e práticas indispensáveis a qualquer educador. “Não há docência sem discência”, dizia ele. 

Saber quem foi Paulo Freire é muito importante já que o tema é bastante frequente no Enem. Conhecer sua história, conquistas, obras publicadas e legado é essencial pra entender como esse brasileiro contribuiu para a nossa educação.

O Descomplica é seu parceiro de estudos para o Enem. Confira nossas aulas online e veja como te ajudamos a entender tudo o que cai na prova!