• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Você sabe o que é fascismo?

Erramos! Algumas partes do texto publicado originalmente em 20/09/2018 foram revisadas e atualizadas, em virtude de possíveis interpretações dúbias sobre o tema. 

Fascismo: em 2018, a palavra caiu na boca – e nos textões – de muita gente ao redor do Brasil. O termo começou a ganhar destaque logo após a intervenção militar do Rio de Janeiro, medida preventiva contra a violência na cidade. Parte da população considerou a real necessidade da ação. Logo depois, começou o papo de que tal medida era “fascista”.

CONFIRA OS TEMAS DE ATUALIDADES QUE PODEM CAIR NO ENEM

O assunto também deu pano pra manga nas eleições à presidência! Alguns candidatos ao cargo contam com o uso das forças militares em suas propostas de campanha. Agora, será que essa história de militarismo e fascismo realmente tem alguma coisa em comum? A relação entre os dois conceitos super pode cair no seu vestibular! Ainda mais no Enem, que adora contextualizar suas questões com o que tá rolando atualmente.

Então, vem conferir o que é verdade ou não nessa história! Preparamos esse artigo pra você entender de uma vez por todas como começou esse rolê de fascismo. Nada de ser pego de surpresa nas questões de Humanas do vestibular!

Tudo começou com um machado

Primeiro de tudo, você sabe o que significa esse termo? A palavra “fascismo” vem do italiano fascio, que significa “feixe”. Nos tempos da Roma Antiga, o tal do fascio littorio era um machado feito com varas de madeira. Ter este instrumento em mãos era um grande símbolo de autoridade na época. Afinal, o objeto era carregado pelos guardas-costas dos Magistrados, pessoas que detinham grande poder político, e era usado para aplicar punições corporais em desobedecesse o poder de alguma forma.  

Olha o tal do Fascio aí, bicho

Um tal de Mussolini pegou essa ideia

Muitos séculos mais tarde, a Itália passaria por uma crise profunda: a unificação de seus territórios foi tardia, a modernização da indústria e a economia italiana cresciam a passos de tartaruga. Foi quando o ex-primeiro-ministro Benito Mussolini surgiu com uma nova proposta de partido político: através do seu modo de governo, a Itália voltaria a crescer economicamente, movimentando sua indústria e deixando o país tão imponente quanto nos tempos do Império Romano. Para implementar esse novo sistema, Mussolini funda o Partido Nacional Fascista.

Agora, adivinha o símbolo escolhido para representá-lo? Isso mesmo, o pobre coitado do machado. Assim, surge a primeira ideia de Fascismo. Um movimento que, pela promessa de Mussolini, faria a Itália ressurgir das cinzas como um fênix, ou melhor, como uma grande potência.

Benito Mussolini, fundador do Partido Nacional Fascista

E aí o bicho pegou de vez

Já em 1922, o governo de Mussolini finalmente toma forma. Neste ano, o político é eleito ao cargo de primeiro-ministro da Itália. Seu governo era caracterizado como um regime totalitário – sistema político onde o poder se concentra nas mãos de um único líder ou partido. Aí vão outros pontos importantes deste período histórico que podem cair na sua prova:

  • Autoritarismo: Mussolini pregava que o Estado estava acima de tudo e de todos, ponto final.
  • Nacionalismo: seu governo exaltava apenas os valores e interesses da Itália. 
  • Concentração de poder:  a gestão do país era concentrada em apenas um líder.
  • Censura: os meios de comunicação da época eram fortemente repreendidos pelo governo. Se a mensagem não agradasse, não era veiculada.

Já deu pra entender que o período não foi dos mais agradáveis, né?

[Errata]

Mussolini esteve no poder até 1943, quando foi derrubado pelo rei e pelo alto conselho fascista. Depois de fugir para o norte da Itália, fundou a República de Saló, com o apoio de Hitler.  capturado e morto por guerrilheiros da resistência italiana. A sua morte coincide com a derrota da Itália no conflito e o termo “fascismo” passa a ser mais relacionado a regimes totalitários de direita.

Quer ver outros exemplos de fascismo na Europa, inspirado por Mussolini? Em Portugal, foi comandado por Antônio de Oliveira Salazar entre 1932 e 1968. Já na Espanha, apareceu durante o governo de Francisco Franco, de 1939 a 1976.

Assista a uma aula gratuita

Aula sobre Nazismo e Fascismo, esclarecendo as políticas de direita e esquerda
Aula gratuita no Facebook do Descomplica em que o professor João Daniel põe fim às dúvidas sobre nazismo e fascismo serem regimes de direita ou esquerda.

Mas qual a influência disso nos dias atuais?

Embora haja discussões pela internet a respeito desse tema, há um consenso na historiografia e entre as grandes universidades ao redor do muno (e portanto entre as bancas dos vestibulares no Brasil) de que o fascismo é um governo de extrema direita. Isso porque todos eles ascenderam ao poder com amplo apoio dos empresários, classe média, igreja e latifundiários, acima de tudo por conta de um risco em comum de ascensão comunista.

Dessa forma, o anticomunismo foi o principal pilar do fascismo, posicionando esses governos à direita. Uma evidência é que durante essas administrações houve grandes investimentos em empresas privadas, a exemplo do crescimento da economia alemã e italiana durante o Terceiro Reich e o regime de Mussolini. A pré-condição básica para designarmos um governo como sendo de extrema esquerda é o fim da propriedade privada, com total estatização da economia, coletivização do campo e estatização das empresas, o que não foi o caso.