Concurseiros Antidoping

Nosso total respeito a quem possui o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade – TDAH e que precisa de medicação para realizar suas atividades cotidianas. Quem tem esse problema de saúde mental não está arrumando uma desculpa para não estudar, tampouco busca subterfúgio para tomar medicamentos e se tornar um super estudante.

CONCURSEIROS COM TDAH

Sim, existem diversos concurseiros com TDAH. Eles precisam se superar a cada dia. Seus desafios diários estão longe de ser frescura ou “mimimi”. Se você não sabia disso e deseja se informar a respeito do tema, inclusive com relação ao diagnóstico em adultos, acesse:

www.tdah.org.br

http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/53946-tdah-transtorno-aparece-na-infancia-mas-acompanha-a-pessoa-por-toda-a-vida

banner_descomplica_concursos

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Transtorno_do_d%C3%A9ficit_de_aten%C3%A7%C3%A3o_e_hiperatividade

CORRIDA PELA APROVAÇÃO

Ocorre que, infelizmente, na corrida alucinante pela aprovação em concursos, existem pessoas que estão buscando usar medicamentos, indiscriminadamente, para se tornarem mais competitivas. Estamos falando de pessoas que não possuem qualquer enfermidade e que desejam apenas “turbinar” os estudos.

Para isso, muitas utilizam energéticos para ficarem mais tempo acordadas. Outras, no afã de ficarem mais “inteligentes” e “focadas”, lançam mão de medicamentos destinados a quem tem TDAH para tal finalidade, sendo que não são portadoras do transtorno.

NINGUÉM FICA INTELIGENTE COM UM REMÉDIO

Basta uma simples pesquisa para verificar que tais cápsulas não são milagrosas. Ninguém pode ficar mais inteligente com um remédio. Ao revés, é preciso muito esforço pessoal e mudanças de hábitos para se tornar um bom estudante.

Tais substâncias, se não usadas com acompanhamento médico, além de não surtirem os efeitos desejados em quem não tem o TDAH, podem, até mesmo, trazer efeitos colaterais danosos. Os energéticos, por exemplo, podem produzir taquicardia.

RESUMO DA ÓPERA

Não objetivamos demonizar tais substâncias, pois elas existem para o tratamento de pessoas que necessitam delas. No entanto, nunca é demais buscar um médico (neurologista/psiquiatra/neuropsiquiatra) para verificar se há necessidade de tratamento. Se você estiver excessivamente cansado, busque um endocrinologista. O que não se recomenda, sob hipótese alguma, é a automedicação.

CONVERSE COMIGO

Se você quiser conversar comigo sobre essas e outras questões, siga-me no Instagram @concurseiro.solitario. Será um prazer!

Raquel Monteiro, é advogada pós-graduada em Direito Público pela Universidade Gama Filho, blogueira do Concurseiro Solitário. Já foi oficial da Marinha do Brasil e agora, todas as quintas, posta aqui no Tudo Sobre Concursos as vicissitudes da vida de uma legítima concurseira carioca.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here