• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Controle de qualidade: o que é, para que serve e como aplicar

Seja na posição de consumidor, seja na posição de responsável por alguma parte do processo de controle de qualidade — também conhecido como “garantia de qualidade” —, provavelmente você já deve ter lido ou ouvido a expressão em algum momento. Pois é! 

A realidade é que, embora soe como uma etapa que compõe um mero procedimento burocrático, investir nesse processo (ou, melhor dizendo, nesse conjunto de processos) pode representar um grande diferencial pras companhias em termos de competitividade.

Especialmente se a gente considerar o cenário de mercado atual, em que há tanta concorrência, né?

“Mas, afinal, o que realmente é o controle de qualidade? O que ele abrange?” — talvez você esteja se perguntando. Pois bem!

Neste post, a gente vai te deixar a par de tudo que faz parte desse conjunto de medidas que objetivam assegurar a excelência das entregas de uma organização, sejam de produtos, sejam de serviços.

E aí, bora lá?! 😉

técnica analisando um protótipo

O que se pode entender, de fato, como controle de qualidade?

Pra começo de conversa, é preciso que a gente diga que o conceito de “controle de qualidade”, em si, pode ser bastante amplo.

Em uma rápida pesquisa por uma definição em um buscador, você verá o retorno de vários resultados diferentes, por exemplo.

No entanto, se pararmos pra analisar, a essência da concepção, em si, não muda muito.

Isso porque, em termos bastante simples, a gente pode entender o controle de qualidade como um conjunto de ações que têm por intuito fazer a verificação dos requisitos de qualidade, avaliando se há problemas na entrega de um produto ou serviço.

Ainda parece meio nebuloso? Calma, vamos descomplicar mais pra você!

“Apertando a tecla SAP”, o que a gente quer dizer é que o processo de controle de qualidade envolve, basicamente, uma série de estratégias que têm o objetivo de definir padrões — e, é claro, de observá-los — com a finalidade de suprir as necessidades e atender às demandas dos consumidores finais. 

A questão aqui é que a definição dessas práticas não está apenas ligada a esse interesse de entregar o que é esperado pelo público, mas também de garantir que essa entrega se diferencie do que é ofertado pelos concorrentes, justamente, pelo alto nível de qualidade.

A partir disso, a gente consegue entender por qual razão, como dito na introdução, o investimento nesse sistema pode ser um diferencial, né?

A maior motivação por trás disso é que essa prática colabora bastante pro crescimento de uma corporação e também pra um melhor posicionamento no seu setor, representando, ainda, um recurso que ajuda o gestor a entender o nível de desempenho do seu empreendimento.

Com isso, ele se torna capaz de identificar as falhas e as fraquezas do negócio e tem a oportunidade de trabalhar nesses pontos de melhoria.

controle de qualidade – técnicos analisando um maquinário

Para que esse processo efetivamente serve?

A implementação de um processo de controle de qualidade, via de regra, tem por fim, basicamente, mitigar os riscos de haver desvios, de modo a atuar de forma preventiva, corrigindo quaisquer possíveis erros e/ou defeitos antes que eles, de fato, surjam.

A gente sabe que, explicando desse modo, a concepção de garantia de qualidade, na prática, pode soar confusa, então, a gente vai tentar facilitar essa compreensão.

Imagine, por exemplo, um produto. Pra que ele seja comercializado no mercado, é necessário que ele entregue qualidade, que seja suficientemente seguro pro uso ou pro consumo, que não apresente defeitos e que, é claro, deixe o seu público-consumidor satisfeito, correto?

No entanto, e se todos esses pontos não forem devidamente observados? Bem, muito provavelmente, não demorará pra que os clientes procurem outra mercadoria ofertada por um concorrente que atinja todas as suas expectativas nesse sentido.

Ora, exatamente por isso, então, é tão necessário — e até imprescindível, a gente pode dizer — enxergar o fator “qualidade” como um elemento determinante (e, até mesmo, como um grande aliado) pra garantir a fidelização dos consumidores e pra gerar um aumento exponencial no faturamento da corporação.

Entretanto, pra além disso, vale destacar que existem outros benefícios atrelados à intensificação das práticas de garantia da qualidade.

A seguir, confira alguns dos principais:

  • diminuição de gastos;
  • maior eficácia e mais eficiência na utilização dos recursos;
  • garantia de uma cultura de qualidade mais reforçada entre o quadro de pessoal da empresa;
  • implementação de metodologias de produção mais aprimoradas;
  • produção e entrega de serviços e de produtos padronizados;
  • elevação das vendas/transações e, consequentemente, aumento dos lucros.
controle de qualidade – pessoas apontando para a tela do notebook

Como aplicar o controle de qualidade na prática?

Naturalmente, é bem comum que as práticas relativas ao processo de controle de qualidade sofram algumas variações de companhia pra companhia.

Mas uma coisa a gente garante a você: a ideia central será sempre a mesma.

O propósito, então, não muda. O intuito será verificar se os serviços e/ou produtos que serão comercializados atendem aos padrões previamente definidos. “Beleza, mas como isso se dá?”. Boa pergunta! 🙂

controle de qualidade – profissional analisando grão de café

Vamos ver um exemplo?

Vamos novamente a um exemplo pra facilitar a compreensão? Bora lá!

Imagine, de novo, um produto. O seu processo de controle de qualidade vai acontecer com a inspeção. A finalidade será avaliar se a mercadoria, como um todo, está em conformidade com as exigências. 

Após esse primeiro estágio de avaliação, se cabível, acontece o registro das falhas (ou “não conformidades”).

A partir daí, as possíveis causas pra incidência desses defeitos são avaliadas e, em seguida, um planejamento é traçado pra implementação de melhorias que sejam eventualmente necessárias. 

Por fim, é esperado que os erros encontrados sejam corrigidos ou eliminados. A fase final, então, envolve nova verificação do produto.

Aí, mais uma vez, é feita uma avaliação bem acurada pra confirmar se recursos e/ou as funcionalidades estão de acordo com o que foi previamente estabelecido. Falando assim, parece fácil, né?

No entanto, você sabia que, por trás de todas essas etapas, há profissionais com formação e especialização pra tanto? Pois é! Pra atuar no controle de qualidade, é altamente recomendável buscar se especializar em Gestão da Qualidade.

Esse curso é voltado pra qualificação de gestores, administradores e coordenadores que trabalham em prol da melhoria de resultados. Além disso, em média, a duração da especialização é de 390 horas. 

E aí, você já atua na área e quer ter inda mais capacitação ou, até mesmo, quer aperfeiçoar as suas habilidades profissionais pra ampliar as suas oportunidades no mercado de trabalho e atingir o sucesso profissional tão buscado?

Então, invista em um curso de especialização e domine todos os processos relativos ao controle de qualidade!

Aqui na Pós-Descomplica, inclusive, você pode fazer isso sem nem sequer precisar se deslocar pra um campus, aprendendo online, sabia?

Quer descobrir mais sobre os nossos diferenciais? Vem estudar com a gente! #Partiu?!