Questão 11 da prova azul do primeiro dia do Enem 2021

Sinhá

Se a dona se banhou
Eu não estava lá
Por Deus Nosso Senhor
Eu não olhei Sinhá
Estava lá na roça
Sou de olhar ninguém
Não tenho mais cobiça
Nem enxergo bem

Para que me pôr no tronco
Para que me aleijar
Eu juro a vosmecê
Que nunca vi Sinhá
[…]
Por que talhar meu corpo
Eu não olhei Sinhá
Para que que vosmincê
Meus olhos vai furar
Eu choro em iorubá
Mas oro por Jesus
Para que que vassuncê
Me tira a luz.

CHICO BUARQUE; JOÃO BOSCO. Chico. Rio de Janeiro: Biscoito Fino, 2011 (fragmento).

No fragmento da letra da canção, o vocabulário empregado e a situação retratada são relevantes para o patrimônio linguístico e identitário do país, na medida em que

  1. remetem à violência física e simbólica contra os povos escravizados.
  2. valorizam as influências da cultura africana sobre a música nacional.
  3. relativizam o sincretismo constitutivo das práticas religiosas brasileiras.
  4. narram os infortúnios da relação amorosa entre membros de classes sociais diferentes.
  5. problematizam as diferentes visões de mundo na sociedade durante o período colonial.

Comentário da questão

A canção de Chico Buarque e João Bosco revela uma violência física e simbólica – aquela que não tem coação física. Essa violência se manifesta contra os povos escravizados, uma vez que é possível notar na letra da música uma referência aos escravos que eram agredidos, por exemplo, no fragmento “Para que me pôr no tronco; Para que me aleijar; Eu juro a vosmecê; Que nunca vi Sinhá”.

Equipe Descomplica
A melhor equipe de professores do Brasil ;)

Gabarito da questão

Opção A

Questões correspondentes

19 27 35 0

Assunto