Questão 16

A vida às vezes é como um jogo brincado na rua: estamos no último minuto de uma brincadeira bem quente e não sabemos que a qualquer momento pode chegar um mais velho e avisar que a brincadeira já acabou e está na hora do jantar. A vida afinal acontece muito de repente – nunca ninguém nos avisou que aquele era mesmo o último Carnaval da Vitória. O Carnaval também chegava sempre de repente. Nós, as crianças, vivíamos num tempo fora do tempo, sem nunca sabermos dos calendários de verdade. […] O “dia da véspera do Carnaval”, como dizia a avó Nhé, era dia de confusão com roupas e pinturas a serem preparadas, sonhadas e inventadas. Mas quando acontecia era um dia rápido, porque os dias mágicos passam depressa deixando marcas fundas na nossa memória, que alguns chamam também de coração.

 

ONDJAKI. Os da minha rua. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2007.

As significações afetivas engendradas no fragmento pressupõem o reconhecimento da

  1. perspectiva infantil assumida pela voz narrativa.
  2. suspensão da linearidade temporal da narração.
  3. tentativa de materializar lembranças da infância.
  4. incidência da memória sobre as imagens narradas.
  5. alternância entre impressões subjetivas e relatos factuais.

Comentário da questão

No texto, as imagens narradas aparecem a todo momento atravessadas pela memória. Essa impressão é reforçada pela frase final, onde se afirma que “os dias mágicos passam depressa deixando marcas fundas na nossa memória, que alguns chamam também de coração”.

 

Equipe Descomplica
A melhor equipe de professores do Brasil ;)

Gabarito da questão

Opção A

Questões correspondentes

34 23 14 0

Assunto