Quer ficar por dentro das novas questões do Enem?

Cadastre-se e receba um aviso sempre que novas questões estiverem disponíveis!

Questão 119

Antiode
Poesia, não será esse
o sentido em que
ainda te escrevo:
flor! (Te escrevo:
flor! Não uma
flor, nem aquela
flor-Virtude – em disfarçados urinóis).
Flor é a palavra
flor; verso inscrito
no verso, como as
manhãs no tempo.
Flor é o salto
da ave para o voo:
o saltofora do sono
quando seu tecido
se rompe; é uma explosão
posta a funcionar,
como uma máquina,
uma jarra de flores.

MELO NETO, J. C. Psicologia da composição Rio de Janeiro Nova Fronteira, 1997 (fragmento)

A poesia é marcada pela recriação do objeto por meio da linguagem, sem necessariamente explicá-lo. Nesse fragmento de João Cabral de Melo Neto, poeta da geração de 1945, o sujeito lírico propõe a recriação poética de

  1. uma palavra, a partir de imagens com as quais ela pode ser comparada, a fim de assumir novos significados.
  2. um urinol, em referência às artes visuais ligadas às vanguardas do início do século XX.
  3. uma ave, que compõe, com seus movimentos, uma imagem historicamente ligada à palavra poética.
  4. uma máquina, levando em consideração a relevância do discurso técnico-científico pós-Revolução Industrial.
  5. um tecido, visto que sua composição depende de elementos intrínsecos ao eu lírico.

Comentário da questão

O sentido da palavra “flor” é ampliado no poema por meio da comparação com elementos inusitados, como “ave”, “tecido” e “máquina”.

Equipe Descomplica
A melhor equipe de professores do Brasil ;)

Gabarito da questão

Opção A

Questões correspondentes

121 97 104 0

Assunto

Pós-Modernismo