Questão 113

Estrada

Esta estrada onde moro, entre duas voltas do caminho,
Interessa mais que uma avenida urbana.
Nas cidades todas as pessoas se parecem.
Todo mundo é igual. Todo mundo é toda a gente.
Aqui, não: sente-se bem que cada um traz a sua alma.
Cada criatura é única.
Até os cães.
Estes cães da roça parecem homens de negócios:
Andam sempre preocupados.
E quanta gente vem e vai!
E tudo tem aquele caráter impressivo que faz meditar:
Enterro a pé ou a carrocinha de leite puxada por um bodezinho manhoso.
Nem falta o murmúrio da água, para sugerir, pela voz dos símbolos,
Que a vida passa! que a vida passa!
E que a mocidade vai acabar.

BANDEIRA, M. O ritmo dissoluto. Rio de Janeiro: Aguilar, 1967.

A lírica de Manuel Bandeira é pautada na apreensão de significados profundos a partir de elementos do cotidiano. No poema Estrada, o lirismo presente no contraste entre campo e cidade aponta para

  1. o desejo do eu lírico de resgatar a movimentação dos centros urbanos, o que revela sua nostalgia com relação à cidade.
  2. a percepção do caráter efêmero da vida, possibilitada pela observação da aparente inércia da vida rural.
  3. a opção do eu lírico pelo espaço bucólico como possibilidade de meditação sobre a sua juventude.
  4. a visão negativa da passagem do tempo, visto que esta gera insegurança.
  5. a profunda sensação de medo gerada pela reflexão acerca da morte.

Comentário da questão

De acordo com a percepção do eu lírico, a vida no campo valoriza a individualidade de cada um que ali vive, diferente da vida urbana, ambiente em que há uma “padronização” do jeito de ser. Além disso, a voz lírica valoriza a efemeridade da vida, o que pode ser identificada nos versos “Que a vida passa! que a vida passa!/ E que a mocidade vai acabar”.

Equipe Descomplica
A melhor equipe de professores do Brasil ;)

Gabarito da questão

Opção B

Questões correspondentes

113 115 110 0

Assunto

Modernismo