Exclusivo para alunos

Bem-vindo ao Descomplica

Quer assistir este, e todo conteúdo do Descomplica para se preparar para o Enem e outros vestibulares?

Saber mais

Judeus x Palestinos

É importante analisar a formação das principais religiões do mundo e como elas estão ligadas ao Oriente Médio e à chamada “Terra Santa”. Israel e Palestina deram origem a um conflito histórico e envolto em muitas questões religiosas.

O sionismo e a formação do Estado de Israel

A Guerra da Independência (1948-1949)

A Guerra de Suez (1956)

A OLP (1964) e a Guerra dos Seis Dias (1967)

A Guerra do Yom Kippur

A Intifada (1987) e os Conflitos Atuais

Oriente Médio – Primavera Árabe

O Oriente Médio é uma área geográfica que inclui países como Turquia, Jordânia, Arábia Saudita, Irã, Iraque, Iêmen e a região da Palestina, onde também se encontra o Estado de Israel. Uma importante característica do Oriente Médio é a presença de enorme quantidade de petróleo no subsolo da região. Cerca de 65% do petróleo mundial encontra-se na região, com destaque para o Golfo Pérsico. Na segunda metade do século XX, o petróleo se tornou a principal matriz energética. Portanto, o controle de suas reservas passou a ser de interesse estratégico para as principais empresas e potências políticas mundiais. Muitos países do Oriente Médio participam da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), que combinam o preço dos barris para evitar concorrência.

Primavera Árabe

A Primavera Árabe é uma denominação dada a uma série de protestos, revoltas e revoluções populares contra governos ditatoriais no mundo árabe (África do Norte e Oriente Médio).

Seu início é marcado pelo ato de autoimolação do jovem vendedor ambulante Mohamed Bouazizi. Ele trabalhava como feirante e estudava, mas a crise econômica não permitia uma ascensão social. Um dia vendendo frutas em seu carrinho foi apreendido pela guarda e o desespero o leva a atear fogo em seu próprio corpo. Antes disso ele deixou uma carta nas redes sociais, o que também motivaram uma grande mobilização. Desde então, uma série de manifestações foram desencadeadas, gerando, em 2010, uma onda revolucionária por toda a Tunísia, conhecida como Revolução de Jasmin, expandindo-se para o Oriente Médio e o Norte da África.

As manifestações e protestos atingiram diversos países que viviam sob ditaduras militares, constantemente associadas por violações dos direitos humanos e restrições contra a liberdade de expressão. Esses atos desencadearam transformações históricas na política regional e mundial, derrubando ditadores e reivindicando melhores condições de vida. No Egito, as manifestações ficam conhecidas como Dias de Fúria ou Revolução de Lótus. Resultaram na derrubada de dos regimes, o primeiro de Hosni Mubarak e posteriormente da Irmandade Mulçumana que assumiu após a queda de Mubarak. Na Líbia, ocorreu uma guerra civil decorrente dos protestos que resultaram na morte de Muammar al-Gaddafi, ditador que controlava o país. Igual situação aconteceu na Síria, que levou a ditadura de Bashar al-Assad a enfrentar o Exército da Síria Livre, formado por rebeldes opositores a ditadura. Porém, esse conflito durou muito mais tempo devido a ação do Estado Islâmico na região. Em diversos outros países da região também se observou manifestações, que resultaram em algumas mudanças, mas não tão profundas, como é possível observar no mapa abaixo.

Destaca-se o papel das redes sociais na articulação dessas manifestações. Ferramentas como Twitter foram fundamentais para espalhar as notícias além de organizar os protestos, marcando uma nova era de ativismo virtual.