Exclusivo para alunos

Bem-vindo ao Descomplica

Quer assistir este, e todo conteúdo do Descomplica para se preparar para o Enem e outros vestibulares?

Saber mais

Questão 1: ENEM 2017

Acompanhe a resolução da questão.

Questão 2: PUCPR 2015

Questão 3: ENEM 2015

Questão 4: UEA 2014

Questão 5: UNICAMP 2013

Ignorância e autoconhecimento

O filósofo ateniense Sócrates (469 – 399 a.C) foi um pensador do período clássico da filosofia grega antiga e é considerado o pai da filosofia.  Podemos afirmar que Sócrates é um marco importante na filosofia pela postura que o pensador admitia na busca do conhecimento. Partindo da frase “Conhece-te a ti mesmo” uma das máximas délficas inscritas no templo de Apolo, Sócrates revolucionou o pensamento, que até então era voltado ao mundo ao redor do homem, para seu interior, inaugurando a filosofia antropológica. Essa máxima guiou o filósofo na sua relação com o conhecimento, que nunca se afirmava como sábio, mas amante do saber.

Sócrates se considerava um ignorante. Afirmava que acreditar saber aquilo que não sabe era a ignorância mais reprovável. Por ser um amante da sabedoria, tinha uma postura humilde frente ao conhecimento e acreditava que reconhecer sua própria ignorância era o primeiro passo na busca da verdade. O oráculo de Delfos chegou a afirmar que Sócrates era o homem mais sábio que existia. Mas esse, ao saber disso, e, em autoexame, afirmou: “Se sei de uma coisa, é de que nada sei”. A partir dessa afirmação podemos perceber o quanto Sócrates valorizava o autoconhecimento. Para ele, uma vida não refletida não vale a pena ser vivida. Por isso, o pensador criou um método de (auto)investigação que baseou sua ação em Atenas e acabou por despertar a ira da elite local.

O método socrático

Sócrates acreditava na superioridade da língua oral sobre a língua escrita. Considerava que o conhecimento deveria ser construído sempre através do diálogo e, por isso, não deixou nenhum texto escrito.  Diferentemente dos sofistas, Sócrates era um pensador dogmático, ou seja, acreditava que era possível encontrar o conhecimento verdadeiro através da diferenciação entre a mera opinião (doxa) e a verdade (episteme).

 A genialidade do seu pensamento pode ser compreendida, em linhas gerais, se atentarmos para o método socrático, que é composto de dois momentos principais: A ironia e a maiêutica. A ironia pode ser entendida como o momento destrutivo do diálogo, onde Sócrates procurava mostrar ao seu interlocutor que aquilo que ele considerava ser uma verdade tratava-se apenas de uma opinião. É o momento chave da assunção da ignorância. Já no segundo momento do diálogo – a maiêutica – Sócrates fazia o que chamava de parto das ideias (inspirado pelo ofício de sua mãe), levando seu interlocutor a buscar a verdade por si mesmo através do diálogo.