Exclusivo para alunos

Bem-vindo ao Descomplica

Quer assistir este, e todo conteúdo do Descomplica para se preparar para o Enem e outros vestibulares?

Saber mais

As primeiras Civilizações

Descrição correta: O professor William Gabriel descomplica a idade antiga ( cerca de 4.500 a/c ate o ano 476, século quinto, já na Era Crista com a queda de Roma do Ocidente). Ele faz uma analise das primeiras civilizações da Mesopotâmia, dos povos que saíram do nomadismo e buscaram se estabelecer, já na região egípcia, na região da Ásia.

Características dos povos que buscavam estruturação

Técnicas atuais desenvolvidas por povos antigos

Técnicas, riquezas e conquistas

Principais povos antigos

A dominação Assíria

A hegemonia babilônica

O ataque a Jerusalém

O domínio Persa

A cultura Egípcia

Cultura e Sociedade do Antigo Egito

A pirâmide social

Escravidão no Egito e o seu legado

A Pedra de Roseta e Napoleão Bonaparte

Decadência e colapso

Antiguidade Oriental

 

Mesopotâmia

 

Localizado entre os rios Tigres e Eufrates os mesopotâmicos composto de diversos povos e reinos foram em conjunto com o Egito as primeiras sociedades a se organizarem de modo estratificado, os babilônicos, amoritas, acádios, sumérios e caldeus eram os principais povos que ocupavam a região do crescente fértil do século V ao I a.C.

Os sumérios foram os primeiros a organizar uma sociedade estratificada na região, construíram diversas cidades e canais de irrigação, desenvolveram a escrita cuneiforme e os zigurates, construções em forma de pirâmide que serviam desde estoque de cerais a templos e palácios. Os babilônicos foram os que fizeram a primeira lei codificada do mundo, o Código de Hamurabi, além de dominar ciências como astronomia e engenharia.

Os assírios desenvolveram principalmente a cultura militar, agiam de maneira extremamente cruel com os conquistados, o que fomentou diversas revoltas em territórios conquistados. Os caldeus foram os últimos a dominar a região, durante 612 á 539 a.C.  formando o Segundo Império Babilônico sendo seu auge com Nabucodonosor II que conquistou a cidade de Jerusalém, o império durou até 539 a.C. quando foi invadido pelo rei Ciro da Pérsia.

Os mesopotâmicos não divergiam tanto assim dos egípcios, as sociedades do Tigres e Eufrates em geral tinham um estado confundido com a sua religião, também tinham no templo os mais importantes prédios públicos já que estes também guardavam os alimentos e eram a comunicação com o além e com o governo.

O povo mesopotâmico trabalhava em um regime parecido com o do povo egípcio, trabalhando majoritariamente na agricultura e nas obras do estado a terra fornecia grande parte do sustento do gigantesco sistema econômico que era a região, o comércio com as outras regiões como o império egípcio e os impérios do interior africano era uma boa parte da economia da região.

A religião era politeísta também, característica das primeiras religiões organizadas criada no Crescente Fértil e passada até os romanos, os povos daquela região foram os primeiros a se organizarem em cidades em torno dos depósitos  de grãos localizados pouco acima do nível da cheia dos rios. Essa civilização foi uma das mais fantásticas do mundo antigo, deixando legados para os reinos e impérios por vir até os dias atuais.

 

Egípios

 

A civilização egpícia se desenvolveu as margens do Rio do Nilo. Os períodos de cheias do Rio Nilo eram fundamentals para a irrigação das imediações, com destaque para foz do rio (local onde se deposita a maior parte dos sedimentos, sendo assim o solo mais fértil) além de servir de transporte de mercadorias.

Os egípcios tinham uma sociedade estratificada, onde o Faraó estava no no topo dessa cadeia. O Egito era dividido em regiões administrativas, chamadas Nomos. Os “nomarcas” que eram representantes dos faraós e ajudavam este na administração do território. Além disso, o Faraó controlava o exército decidindo todas as questões militares com seus líderes. O poder do soberano tinha um caráter divino e, para manter as dinastias puramente egípcias, eram comum os casamentos entre os parentes da família real. A vida civil e religiosa dos egípcios se passava nos templos, já que estes serviam evidentemente como locais de culto, mas tamném eram destinados a reunião da população para comunicação e para o estoque de alimentos. Do ponto de vista religioso, os egípios eram politeístas. Eram comuns as oferendas e festas em homenagem a deuses, que muitas vezes tinham corpos de pessoas misturadas com animais sagrados.