Exclusivo para alunos

Bem-vindo ao Descomplica

Quer assistir este, e todo conteúdo do Descomplica para se preparar para o Enem e outros vestibulares?

Saber mais

Contextualizando o Império: Como começou o Império Napoleônico?

Neste vídeo veremos algo encarado como uma extrema ousadia por parte de Napoleão, que foi a sua auto coroação como imperador, passando por cima da tradição papal. Assim que assume a França e estabelece a meta de conquistar a Europa, parte para cima da Espanha e a conquista.

A conquista da Espanha: José Bonaparte assume o poder

Napoleão se enfraquece: Napoleão perde força após a derrota para Rússia

O congresso de Viena: Onde, por que e como aconteceu?

Princípios do Congresso de Viena: Quais ideias permearam o congresso?

A queda de napoleão e o congresso de Viena

 

Apesar da rápida ascensão de Napoleão Bonaparte como o grande Imperador francês e as numerosas conquistas no início do XIX, em 1812, uma série de derrotas levaram o império napoleônico ao desgaste. 

A primeira delas, na Rússia, após a recusa do Czar Alexandre I a respeitar o bloqueio continental à Inglaterra. Ao enviar suas tropas para o país inimigo, os franceses enfrentaram não apenas a resistência russa e a tática da terra arrasada, mas também o próprio inverno extremo do país, que proporcionou uma derrota amarga e a morte de milhares de soldados franceses. 

No ano seguinte, ainda debilitado pelas perdas na Rússia, Napoleão também foi derrotado na Batalha das Nações, em Leipzig, permitindo a entrada das tropas inimigas em Paris, a derrota de Napoleão e provocando seu exílio forçado, em 1813, na Ilha de Elba. Apesar do isolamento e da derrota, Napoleão ainda contava com forte apoio popular e dos militares franceses que viviam insatisfeitos, na França, com a restauração da
monarquia ao poder com Luís XVIII. 

O novo rei não agradava a população, principalmente aqueles que ainda lutavam pelos ideais humanistas e liberais, pois Luís XVIII rejeitava a revolução e suas conquistas, governando a França como no Antigo Regime. Assim, com forte apoio militar, Napoleão desrespeita os acordos de exílio e retorna para Paris no dia 20 de março de 1815, destronando Luís XVIII e retomando o poder no chamado “Governo dos 100 dias”. 

O retorno de Napoleão ao poder foi marcado também pelo aprofundamento na organização das monarquias europeias. Ainda em 1815, Rússia, Prússia, Áustria e Inglaterra formavam o Congresso de Viena, com o objetivo de garantir a restauração dos antigos monarcas derrubados, a legitimidade do poder das famílias reais, e o equilíbrio entre os reinos europeus. Como resposta ao retorno de Napoleão, estes países
formaram a sétima coligação. 

Tendo em vista esta resposta das forças conservadoras, as guerras napoleônicas logo voltaram a acontecer, mas, desta vez, com a definitiva derrota francesa para os ingleses na Batalha de Waterloo, que forçou finalmente a desistência de Napoleão e seu exílio final na ilha de Santa Helena.