Exclusivo para alunos

Bem-vindo ao Descomplica

Quer assistir este, e todo conteúdo do Descomplica para se preparar para o Enem e outros vestibulares?

Saber mais

De treze colônias para 50 estados - O expansionismo territorial

Neste primeiro vídeo veremos como os Estados Unidos da América conseguiu sua independência entrando nos primeiros detalhes. Mais estados do que unidos, assim ficou conhecida a independência daquele país devido ao forte movimento federalista que dava grande autonomia aos estados.

O federalismo

A marcha para o oeste - Anexação de territórios

Os massacres indígenas - Os índios no caminho para o progresso

Mais Estados do que Unidos - E isto continua

Nacionalismo americano - A guerra civil americana

A Formação Territorial dos EUA no século XIX

As treze colônias americanas possuíam características bem distintas de acordo com a região em que se localizavam. As colônias do Sul possuíam um clima mais favorável a agricultura e, por essa razão, se tornaram centro de exportação de algodão, adotando o modelo de plantation, com mão de obra escrava.

Na região das “colônias do Norte” foi fundado em um sistema de “autogoverno”. Nessa região também foi criado um sistema de desenvolvimento baseado no livre trabalho, na produção de subsistência e na pequena propriedade familiar, já que a região sofria com a escassez de recursos naturais. 

Mesmo a independência das treze colônias, os Estados Unidos ocupavam somente uma pequena porção de seu território atual, na costa leste, as margens do ocêano atlântico.A ocupação do Oeste do atual Estados Unidos deu a este país a viabilização de um projeto de hegemonia mundial. Foi, assim, a partir do final do século XVIII e durante todo o XIX, que os norte-americanos foram ampliando seus territórios rumo a oeste. Este processo ocorreu com a conquista de terras através de guerras, anexações ou compras. Os índios norte-americanos (nativos de grande parte da região), através de um processo violento, perderam grande parte de suas terras para os colonizadores brancos. 

Ainda na primeira metade do século XIX, os Estados Unidos adquiriram uma série de regiões importantes. A ocupação das novas áreas foi organizada pelo governo americano através do Edito do Noroeste (1787). Ao longo do século XIX, o processo de expansão se intensificou e territórios foram ocupados através da compra, de guerras e de acordos.

Dentre as motivações para o processo de marcha para o oeste, podemos destacar:

  1. A escassez de terras na faixa atlântica;
  2. A possibilidade de as famílias de colonos tornarem-se proprietárias, o que também atraiu imigrantes
    europeus;
  3. A necessidade do Norte, em fase de industrialização, de conseguir matérias-primas e alimentos;
  4. A corrida do ouro;

 

O processo de formação territorial: áreas ocupadas.

 

Assim, para justificar o expansionismo território, os norte americamos falavam em um “Destino Manifesto” que apresentava os norte-americanos com destinados por Deus a ocupar a área entre os Oceanos Atlântico e Pacífico. Em 1820, a expansão norte-americana ganhou um conteúdo politizado com a Doutrina Monroe, que inicialmente colocou-se como defensora das recém-independentes nações latino-americanas ao pronunciar "América para os americanos", mas também justificava a conquista de novas terrras por parte dos norte americanos.