Exclusivo para alunos

Bem-vindo ao Descomplica

Quer assistir este, e todo conteúdo do Descomplica para se preparar para o Enem e outros vestibulares?

Saber mais

Fatores para a descolonização

Aula sobre fatores para a descolonização. Confira!

A conferência de Bandung

Argélia x França

Descolonização tardia

A Descolonização Africana

Na segunda metade do século XIX, em razão das necessidades de mercado geradas pela Segunda Revolução Industrial e das independências das colônias americanas, a Europa voltou-se novamente à África e à Ásia, impondo o neocolonialismo. As disputas entre as potências europeias pelos territórios afro- asiáticos desencadearam a Primeira Guerra Mundial. A Europa saiu enfraquecida da guerra e perdeu sua hegemonia para os Estados Unidos. A crise na Europa pós Primeira Guerra Mundial foi, além disso, acentuada pela crise de 1929. Os efeitos da crise repercutiram nas áreas coloniais com o agravamento das condições de vida dos colonos, que iniciaram greves e revoltas contra as metrópoles europeias. Esses movimentos coloniais foram contidos à força, mas acabaram resultando no nascimento de um forte sentimento nacionalista evidenciado pelo desejo pela independência.

O fim da Segunda Guerra Mundial marcou ainda mais o declínio europeu. O enfraquecimento da Europa significou o fortalecimento do nacionalismo e o crescimento do desejo de independência. Muitos soldados africanos, além disso, combateram nos exércitos aliados durante a Guerra, contribuindo para a derrota do nazifascismo e estimulando o sentimento de igualdade. Somado a isso, a influência do modelo socialista se mostrava como um alternativa de desenvolvimento viável fora do modelo capitalista.

Fatores relacionados à própria sociedade africana também são fundamentais para a compreensão desse processo. A diversificação da sociedade permitiu a formação de grupos urbanos, como uma classe de operários incipiente e de setores burgueses com acesso à educação universitária na Europa. Entre esses últimos surgiu uma elite que formulou projetos autônomos de libertação. Atrelado à essa conjunção de fatores, a Carta da ONU reconheceu o direito à autodeterminação dos povos, ou seja, o direito dos povos ao autogoverno, assim como de decidirem livremente a sua situação política, e defenderem a sua existência e condição de independente. Esse ideal fortaleceu ainda mais as lutas de libertação.

 

Argélia

Até o término da Segunda Guerra, a Argélia, país de maioria muçulmana, foi dominada pela França. Em 1954, formou-se a FLN (Frente de Libertação Nacional), que iniciou a Guerra de independência contra os colonizadores. Os ataques iniciais foram duramente reprimidos pelo governo francês. Fazendo uso sistemático da tortura, os militares franceses conseguiram prender, em 1956, alguns dos principais líderes da FLN. Entre 1956 e 1957 travou-se a Batalha de Argel, um conjunto de combates e atentados que chamou a atenção da opinião pública mundial. Nesse contexto, cresceu na França um movimento para o retorno de Charles de Gaulle ao poder, líder da resistência contra os nazistas na Segunda Guerra Mundial. Eleito presidente em 1958, ele deu início às negociações com representantes da FNL, tendo que enfrentar a resistência de grupos franceses opositores. Em 1962, o governo francês e a Frente de Libertação firmaram os Acordos de Evian, reconhecendo a independência argelina. Depois disso, cerca de 1 milhão de colonos franceses retornaram ao seus país de origem.