Tema de Redação: Os efeitos da escassez de água no século XXI

13/09/2015 Larissa Coelho

O Tema de Redação do Plano de Estudos da Semana 33 já está liberado! Quer saber qual é? Confira abaixo o tema e a proposta de redação, com a coletânea de textos, para você treinar a sua escrita e garantir uma boa nota do vestibular! icon smile Tema de Redacao: Os efeitos do uso de substancias estimulantes no seculo XXI

Ah, e não se esqueça: esse mesmo tema será abordado no Aquecimento de Redação, terça-feira, às 17h30 no nosso canal do Youtube!

escassez de agua

Toda terça-feira, às 17h30, nossos professores e monitores vão discutir o tema de redação postado aqui no blog e te ajudar a construir o melhor texto do vestibular sobre o tema! Vai ficar de fora? Nesta terça, discutiremos o tema Os efeitos da escassez de água no século XXI! Terça-feira, 15 de setembro, às 17h30! icon smile Tema de Redacao: Os efeitos do uso de substancias estimulantes no seculo XXI

Confira, abaixo, a proposta de redação.


A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma padrão da língua portuguesa sobre o tema Os efeitos da escassez de água no século XXI, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO I

(…)

Agora o clima muda tão depressa,

que cada ação é tardia,

Que dá paralisia na cabeça,

que é mais do que se previa.

Algo que parecia tão distante

periga agora tá perto;

Flora que verdejava radiante

desata a virar deserto.

O lucro a curto prazo,

o corte raso, o agrotóxiconegócio;

A grana a qualquer preço,

o petrogaso-carbocombustível fóssil.

O esgoto de carbono a céu aberto

na atmosfera, no alto;

O rio enterrado e encoberto

por cimento e por asfalto.

 

Quede água? Quede água?

 

Quando em razão

de toda a ação “humana”

e de tanta desrazão,

A selva não for salva

e se tornar savana;

e o mangue, um lixão;

Quando minguar o Pantanal,

e entrar em pane

a Mata Atlântica, tão rara;

E o mar tomar toda cidade litorânea,

e o sertão virar Saara;

E todo grande rio virar areia,

sem verão virar outono;

E a água for commodity alheia,

com seu ônus e seu dono;

E a tragédia da seca, da escassez,

cair sobre todos nós,

Mas sobretudo sobre os pobres,

outra vez sem terra, teto, nem voz;

 

Quede água? Quede água?

 

Agora é encararmos o destino

e salvarmos o que resta;

É aprendermos com o nordestino que pra

seca se adestra;

E termos como guias os indígenas,

e determos o desmate,

E não agirmos que nem alienígenas no nosso

próprio habitat.

Que bem maior que o homem

é a Terra, a Terra e o seu arredor,

Que encerra a vida,

que na Terra não se encerra,

a vida, a coisa maior,

Que não existe

onde não existe água

e que há onde há arte,

Que nos alaga e nos alegra

quando a mágoa a alma nos parte,

Para criarmos alegria para viver

o que houver pra vivermos,

Sem esperanças,

mas sem desespero,

no futuro que tivermos.

 

Quede água? Quede água?

Quede água. Lenine/Carlos Rennó. Disponível em: http://www.lenine.com.br.

TEXTO II

escassez de agua

TEXTO III

A ONU divulgou nesta terça-feira (24) um alerta mundial sobre os efeitos da escassez de água. Água para beber, água para comer, para produzir a comida, para higiene, limpeza. Água para trabalhar e para gerar energia para trabalhar. E se ela falta?

O relatório das Nações Unidas, divulgado nesta terça-feira (24), alerta: muitos países estão perto de enfrentar situações de desespero e conflito por falta d’água. Isso seria uma barreira não só à saúde das populações, mas também ao crescimento econômico e à estabilidade política.

Segundo os pesquisadores, daqui a apenas dez anos, 48 países não terão água suficiente para as suas populações. Isso atingiria quase três bilhões de pessoas. E até 2030, a demanda por água doce no planeta deverá ser 40% maior do que a oferta.

O relatório destaca o desafio de administrar a oferta de água no meio de tantas mudanças climáticas. Mas também aponta como a corrupção é um enorme ralo de dinheiro que chega a absorver 30% do que poderia ser usado em projetos de abastecimento e saneamento básico.

O levantamento foi feito em dez países, entre eles Bolívia, Canadá, Uganda, Paquistão e Coreia do Sul. Mas as conclusões valem para o mundo inteiro.

A ONU recomenda que a agricultura busque técnicas para usar menos água sem comprometer a produção. Que a geração de energia preserve a água e o meio-ambiente. Que os governos sejam rápidos e transparentes na busca de melhorias.

Corinne Wallace, uma das autoras do relatório, explica que a água tem que ser uma prioridade. Indivíduos, indústrias, políticos, sociedade civil. “Todo mundo precisa fazer a sua parte”, diz ela. “E a hora é agora”.

Disponível em: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2015/02/onu-divulga-alerta-mundial-sobre-efeitos-da-escassez-de-agua.html

Larissa Coelho

Larissa Coelho escreveu 3136 artigos

Deixe o seu comentário!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *