Descartes, Kant e Nietzsche: três pensadores que vão te ajudar a entender a subjetividade humana

04/10/2016 Caroline Tostes

Descartes, Kant e Nietzsche: três grandes filósofos que vão te ajudar a fazer uma boa redação!

Descartes

Descartes

René Descartes foi um importante filósofo, matemático e físico francês do século XVII. Também fez estudos nas áreas da Epistemologia e Metafísica. Nasceu na cidade de La Haye, na França, em 31 de março de 1596. Morreu na cidade de Estocolmo, na Suécia, em 11 de fevereiro de 1650.

Considerado o primeiro filósofo moderno, é autor da famosa frase “Penso, logo existo”, afirmação que surgiu após o questionamento “O que sou?” e da resposta “Sou uma coisa que pensa”. Para Descartes, o pensamento é o lugar da verdade, é o puro intelecto, e é por meio dele que adquirimos ideias claras e distintas. Se duvido, eu penso; se penso, eu existo.

Descartes elabora a teoria de que o sujeito é dividido em matéria e espírito, alma e corpo e sua atividade fundamental é o pensamento. Nota-se, então, que o fundamento de todo o conhecimento do real encontra-se no intelecto.

Mas e as emoções? Nesse caso, elas seriam subjugadas, controladas pela razão. O indivíduo se torna consciente de si mesmo, e as paixões (nome comumente dado para as emoções humanas) são vencidas pelo lado racional humano, já que muitas vezes elas se mostram danosas à nossa existência.

A sabedoria, para Descartes, consistia em controlar e até mesmo combater as inclinações passionais. É preciso suplantá-las, já que seu resultado não faz bem ao homem. É preciso um entendimento de si e do mundo para que se chegue a uma verdade maior que as tentações do mundo sensível.

Kant

kant

Immanuel Kant (1724 – 1804) foi um filósofo alemão, considerado um dos maiores da história e dos mais influentes no ocidente.

Para Kant, existe a “Posteriori” e a “Priori”. A priori (do Latim, “de antes” ou “do interior”) é o conhecimento ou justificação independente da experiência ou experimentação. São as formas ou intuições puras da sensibilidade, um tipo de conhecimento inato. Já a Posteriori (do Latim, “do seguinte” ou “do depois”) é um conhecimento dependente de experiência e/ou evidência empírica.

E onde aparece a subjetividade humana? Ao criar essa dualidade, Kant se refere ao modo como o ser humano enxerga o mundo e age dentro dele. Resumindo de maneira bem simplista, essa divisão tenta explicar (teorizar) a forma como as pessoas selecionam o que é verdade ou não, real ou irreal, certo ou errado, bom ou ruim.

Isso está ligado ao que é a moral e ética? Sim, está. Podemos conectar esses conceitos com o que vemos como quebras de moralidade e conflitos éticos. Kant defende que a lei moral deve independer da experiência, ou seja, uma vontade boa deve ser independente de qualquer resultado empírico; deve determinar a si mesma.

Trazendo para os dias de hoje, é possível falarmos sobre a necessidade humana de buscar a felicidade – no caso, uma felicidade individualista, centrada nos desejos do sujeito, muitas vezes fugindo à razão e baseada somente no subjetivo. As pessoas colocam valores no que tem preço e preço no que tem valor; colocam seu bem estar e a felicidade em uma coisa ou outra.

Nietzsche

nietzsche

Friedrich Nietzsche (1844-1900) foi um filósofo, escritor, poeta e filólogo alemão, além de um dos mais importantes pensadores do século XIX.

Nietzsche coloca em questionamento os valores da sociedade quando cria a teoria do super-homem.  Nessa teoria, o super-homem seria aquele indivíduo capaz de libertar-se das “amarras” cristãs (isto é, qualquer amarra que de ordem moral). Segundo a moral universal, que muitas vezes é baseada em dogmas cristãos, uma pessoa deve ser honesta e bondosa, já que estas características são virtudes, e o mal deve ser de alguma forma desconsiderado.

O super-homem é capaz de autogovernar-se, não tendo seu arbítrio condicionado pelas amarras da moral e da sociedade ou do Cristianismo. Isto não significa que ele será desonesto e totalmente egocêntrico; significa que ele poderia ser bondoso e honesto por sua própria vontade, assim como maldoso e desonesto por sua própria vontade, também, e não porque a sociedade determina ou porque outras pessoas e situações o condicionam.

Acima de tudo, o super-homem é aquele que age no seu próprio livre arbítrio, sem ser determinado por outras pessoas ou situações. É o homem capaz de ser, comportar-se e tomar decisões sozinho, e não por que assim dita a moda.

Exercícios

1) UERJ

kant

O texto combina subjetividade e argumentação.

Essa combinação é confirmada pela presença de:

a) relato pessoal e defesa de ponto de vista

b) referência clássica e citação do passado

c) ênfase na atualidade e reflexão sobre o tema

d) afirmação generalizante e comparação de idéias

 

2) UERJ

kant

A disposição dos manifestantes contrasta com a atitude do homem de terno e gravata.

Essa atitude, no que diz respeito ao uso da linguagem, caracteriza-se por:

a) falsa indignação

b) pouca formalidade

c) clara agressividade

d) muita subjetividade

 

3) UERJ

kant

Para melhor compreensão da tira, o leitor precisa reconhecer alguns elementos implícitos.

O fragmento que torna mais evidente essa necessidade é:

a) “Minha inimiga mais terrível… a LOUVA DEUSA!”

b) “Uma assassina fria e cruel!”

c) “… os que sobrevivem ao seu ataque… têm inveja dos que morrem!”

d) “… seus poderes são sobre-humanos!!”

 

4) UERJ

kant

Vocabulário:
1  Piaimã – personagem do romance
2  sagüi-açu, sagüim – macacos pequenos
3  cláxon – buzina externa nos automóveis antigos
4  boitatá – cobra-de-fogo, na mitologia tupi-guarani
5  inajá – palmeira de tamanho médio
6  curuatá – flor de palmeira
7  Tupã – entidade da mitologia tupi-guarani
 Mãe-d’água – espécie de sereia das águas amazônicas
9  bulha – confusão de sons
10  sarapantar – espantar
11  cunhã – mulher jovem, em tupi

De toda essa embrulhada o pensamento dele sacou bem clarinha uma luz: (l. 53-54)

A luz do pensamento final do personagem revela-se libertadora, pois permite ao herói superar a seguinte dificuldade expressa no texto:

a) “A inteligência do herói estava muito perturbada.” (l. 1)

b) “Tomou-o um respeito cheio de inveja por essa deusa” (l. 19)

c) “Mas as três cunhãs deram muitas risadas” (l. 24-25)

d) “Não concluiu mais nada porque inda não estava acostumado com discursos” (l. 47-48)

 

GABARITO

1) A

2) B

3) C

4) A

JÁ SABE TUDO SOBRE SUBJETIVIDADE HUMANA? FIQUE DE OLHO NA NOSSA PÁGINA DO GABARITO ENEM 2016!

Caroline Tostes

Caroline Tostes escreveu 30 artigos

Deixe o seu comentário!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *