Regência Verbal

02/09/2016 Larissa Coelho

Regência verbal não precisa ser difícil! Descubra tudo neste resumo que vai te ajudar a chegar na nota 10 na prova de português!

Já que o uso popular contraria a norma culta, você pode ter alguma dificuldade com relação à regência de alguns verbos. O verbo namorar é um bom exemplo disso. A gramatica normativa classifica esse verbo como transitivo direto (Pedro namora Luciana), mas a linguagem popular comumente o emprega com o complemento regido pela preposição com (Pedro namora com Luciana).

Em outros casos, a dificuldade reside na variedade de regência que um mesmo verbo pode apresentar. Isso é comum quando o verbo tem sentidos diferentes: o verbo assistir, por exemplo. Quando empregado no sentido de “ver”, “presenciar”, exige complemento com a preposição a (Assisti a uma partida de tênis); quando empregado no sentido de “dar assistência”, não exige preposição (O médico assiste o doente).

 

Regências problemáticas

Veremos agora a regência de alguns verbos que podem apresentar dificuldade.

 

  • Aspirar

– No sentido de “cheirar”, “sorver”, é transitivo direto.

Aspiramos um ar poluído.

Aspirava o perfume das flores.

– No sentido de “almejar, “pretender”, exige complemento com a preposição a.

Aspiro a uma boa classificação.

Aspiro a uma vida saudável.

 

  • Assistir

– No sentido de “dar assistência”, “dar ajuda”, exige complemento sem preposição.

Naquele hospital, dois psiquiatras assistem cem doentes.

É uma lei que assiste o consumidor.

– No sentido de “ver”, “presenciar”, exige complemento com a preposição a.

Não assisti ao último filme da sequência.

Assisti ao desfile da minha escola de samba.

Observação: Na linguagem coloquial, emprega-se frequentemente, o verbo assistir como transitivo direto.

Assisti o jogo.

Assisti o filme.

 

  • Chegar/Ir

Pedem a preposição a e não a preposição em.

Cheguei a Salvador ontem.

Posso ir ao banheiro?

 

  • Esquecer/Lembrar

– Quando não vierem acompanhados de pronome oblíquo, exigem complemento sem preposição.

Esqueci os livros.

Lembrei o dia de seu casamento.

 

– Quando vierem acompanhados de pronome oblíquo, exigem complemento com a preposição de.

Esqueci-me dos livros.

Lembrei-me do dia de seu casamento.

 

IMG_9649

Observe, neste exemplo, o desacordo de uso popular com a norma culta. O correto é “Você até se esquece…”. (Além disso, falta uma vírgula para separar da principal a oração subordinada adverbial anteposta.)

 

  • Obedecer

Exige complemento com a preposição a.

O filho obedece ao pai.

Os alunos obedeciam a uma determinação do diretor.

 

  • Pagar/Perdoar

– Quando têm por complemento palavra que denote coisa, não exigem preposição.

Paguei o livro sem reclamar.

O banco perdoou a dívida.

– Quanto têm por complemento palavra que denote pessoa, exigem a preposição a.

Paguei a conta a um desconhecido.

Perdoai aos que pecam.

 

  • Preferir

Exige dois complementos: um sem, outro com a preposição a.

Prefiro praia a campo.

Considera-se errado o emprego desse verbo acompanhado de termo intensivo (mais, muito mais etc.), bem como da palavra antes.

Assim não se deve dizer;

Prefiro mil vezes cinema do que teatro.

Prefiro antes um bom livro do que um filme qualquer.

Corrija-se para:

Prefiro cinema a teatro.

Prefiro um bom livro a um filme qualquer.

IMG_9650

Veja aqui o verbo preferir com apenas um complemento (sem a preposição a). Mas a mensagem que se subentende é “Metade das pessoas prefere Mercedes a outras sete marcas”.

 

  • Querer

– No sentido de “desejar”, pede complemento sem preposição.

Quem quer dinheiro?

“Eu quero uma casa no campo.” (Tavito e Zé Rodrix)

– No sentido de “estimar”, ‘ter afeto”, pede complemento com a preposição a.

Quero a meus pais.

Quero a meus colegas.

 

  • Visar

–  Exige complemento com a preposição a, quando empregado no sentido de “ter em vista”.

Visamos a uma posição de destaque.

Os alunos visavam a um descanso tranquilo.

– No sentido de “mirar” e de “dar visto”, exige complemento sem preposição.

O gerente visou o cheque.

O atirador visou a cabeça do animal.

 

Exercícios

 1. A regência verbal está errada em:

a) Esqueceu-se do endereço.

b) Não simpatizei com ele.

c) O filme a que assistimos foi ótimo.

d) Faltou-me completar aquela página.

e) Aspiro um alto cargo político.

 

2. Indique a alternativa correta:

a) Preferia brincar do que trabalhar.

b) Preferia mais brincar a trabalhar.

c) Preferia brincar a trabalhar.

d) Preferia brincar à trabalhar.

e) Preferia mais brincar que trabalhar.

 

3. Assinale a oração correta quanto à regência verbal.

a) Os tolos admiram e obedecem os velhacos.

b) Agradeci o convite ao anfitrião.

c) Quero assistir esse filme.

d) Marcela namorou com todos os meninos de sua sala.

e) Meu pai custou a chegar ontem à noite.

 

Gabarito

1. E

2. C

3. B

Larissa Coelho

Larissa Coelho escreveu 1988 artigos

1 Comentário para este artigo

  • Isabele
    09/09/2016

    Alguém poderia me dizer se na primeira questão o certo seria “Aspiro a um alto cargo político” ou “Aspiro ao alto cargo político”?

Deixe o seu comentário!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *