Transitividade Verbal — 5 Dicas Para Você Nunca Mais Esquecer

16/04/2018 Camila Paula

Você já ouviu falar sobre transitividade verbal? Esse termo se refere a relação de um verbo transitivo com um complemento. Na verdade, ele indica que há a necessidade de um complemento para que exista sentido na oração.

5 Dicas sobre transitividade verbal para você conhecer!

Para que você entenda exatamente como funciona a transitividade verbal e sua necessidade de complementos, nós reunimos cinco dicas para você nunca mais esquecer como essa regra da nossa língua é aplicada. Veja só!

1. O Verbo de Ligação

transitividade verbal

Ligação, nesse caso, não tem nada a ver com telefone, hein!

Veja a oração “Maria está grávida” e imagine Maria. Acredito que você tenha imaginado uma mulher grávida. Juro que realmente espero que tenha pensado nisso! Sendo assim, você percebe que “grávida” e “Maria” são a mesma pessoa, logo, o verbo “está” liga Maria a ela mesma.

“Maria parece louca!”. Percebe-se que “louca” e “Maria” fundem-se em uma única pessoa. Mais uma vez, o verbo “parece” liga Maria a ela mesma.

Eis um ponto que você nunca mais vai esquecer: “Maria parece delirar”, “Maria está dançando”, “A TV continua ligada”. E agora? “Delirar” é verbo no infinitivo, “dançando” é verbo no gerúndio e “ligada” é verbo no particípio.

O infinitivo, o gerúndio e o particípio são chamados formas nominais do verbo exatamente por isso, por poderem ocupar lugar de substantivo ou adjetivo. Nas orações anteriores, como adjetivos, exercem função de predicativos dos sujeitos, por isso, os verbos “parecer”, “estar” e “continuar” são verbos de ligação!

2. Verbos Transitivos Indiretos (VTI)

Maria foi convidada para uma festa e precisa de um vestido novo. À frente de sua casa existe a calçada onde ela apanha o verbo, a rua por onde ela “transita” com o verbo e na outra calçada, o comércio, onde existe o “objeto”.

transitividade verbal

Maria pega o verbo “precisar” na calçada, começa a “transitar” com o verbo até o seu objeto “vestido”, mas precisa parar no meio da rua para pedir informação a uma “preposição” (de), neste caso, acompanhada do artigo “o” (do):

Percebemos que, como ela parou para pedir informação à preposição, o verbo transitou indiretamente até o objeto que, por isso, também é indireto.

3. Verbos Transitivos Diretos (VTD)

Imagine agora que Maria vai comprar o vestido. Maria está em casa. À frente de sua casa existe a calçada onde ela apanha o verbo, a rua por onde ela “transita” com o verbo e na outra calçada, o comércio, onde são vendidos os “objetos”.

Maria sai de casa, apanha o verbo “comprar” na calçada dos verbos e “transita direto” até a calçada dos “objetos”, logo, esse objeto também recebe diretamente o verbo, por isso: “Verbo Transitivo Direto” e seu complemento verbal, o “Objeto Direto”.

Acabamos de ver que o verbo “comprar” transita direto até o objeto.

Uma observação: Existe a possibilidade de ocorrer o Verbo Transitivo Direto seguido de um Objeto Direto Preposicionado.

Por exemplo: “Ela comprou DE tudo um pouco.”

Quem compra, compra algo, mas nesse caso o objeto direto foi preposicionado “DE tudo um pouco”.

transitividade verbal

O mundo fica melhor quando eu faço compras!

 

4. Verbos Bitransitivos ou Transitivos Diretos e Indiretos (VTDeI)

Vamos entrar um pouco na semântica, só para esclarecer uma coisa: se eu digo que Maria comprou um vestido, compreende-se o enunciado sem problemas, pois comumente as mulheres usam vestidos. Seu eu digo: “João comprou um vestido”, pode ser que a mensagem seja mal interpretada. Sendo assim, é melhor eu completá-la.

Vimos que “João comprou (VTDeI) o vestido (OD) para Maria (OI)”. Tendo em vista que o verbo transitou duas vezes, precisando de dois complementos, ele é bitransitivo ou transitivo direto e indireto. Mas que fique claro, aqui, que João poderia ter comprado o vestido para ele mesmo, né? Sem problemas e preconceitos, galera!

transitividade verbal

 

5. Verbos Intransitivos

Os verbos intransitivos são os que não dependem de complemento, ou seja, não transitam até complemento algum. Os verbos intransitivos têm sentido completo, o que pode aparecer após eles é adjunto adverbial.  Desta forma, se eu digo “Maria dorme”, dormir é verbo intransitivo. Se eu digo “Maria dorme tarde”, tarde não completa o sentido do verbo, apenas dá ideia de tempo, é um adjunto adverbial de tempo.

 

E aí, curtiu? Deixe seu comentário sobre o que entendeu a respeito da transitividade verbal e não deixe de compartilhar com seus amigos!

Camila Paula

Camila Paula escreveu 2655 artigos

Deixe o seu comentário!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *