• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Modelo de Redação: A saúde da mulher grávida em discussão no Brasil

Modelo de Redação: A saúde da mulher grávida em discussão no Brasil

A saúde da mulher grávida em discussão no Brasil

Sabe aquele tema de redação que nós indicamos para você na semana 14? Ele virou um modelo de redação aqui no blog, feito pela monitora Leidiane Oliveira, para você se inspirar e comparar com a sua própria redação. Você também pode enviar sua redação para nós! Clique aqui!

Veja aqui a coletânea de textos completa para este tema e faça já a sua redação: A saúde da mulher grávida em discussão no Brasil.


Não apenas as dores do parto

Dentre os graves problemas que assolam hoje a sociedade brasileira, é de se destacar a situação da mulher durante a gravidez. Época naturalmente turbulenta e sensível em suas vidas, tanto por questões de ordem biológica quanto de psicológicas, mas que costumava ser sinônimo de alegria, é vivenciada hoje como um drama para muitas brasileiras e suas famílias. As circunstâncias sociais que fazem parte dessa fase e o tratamento dispensado às gestantes exigem respostas eficazes por parte da sociedade e do poder público.

Em primeiro lugar, é preciso discutir a questão das gestações indesejadas em nosso país. Muitos apontam que isso seria um reflexo da falta de planejamento familiar e de informação, sobretudo nas camadas populares, nas quais o acesso à informação é mais frágil, particularmente na adolescência. Não é incomum que esses quadros gerem uma série de conflitos pessoais, seja de ordem financeira, seja emocional, aumentando, assim, a taxa de abandono de recém-nascidos e de abortos clandestinos e colocando em risco muitas vidas. É evidente que se trata de um problema de saúde pública.

Outro fator importante a ser analisado é a qualidade dos serviços de saúde destinados a atender as gestantes, tanto no âmbito público quanto no privado. Um dos pontos mais levantados recentemente sobre o sistema diz respeito à violência obstétrica. Práticas feitas durante o parto prejudicam sua boa evolução, aumentando o risco de sequelas graves ou morte para mãe e bebê e que atinge uma em cada quatro mulheres no Brasil, de acordo com a pesquisa Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Público e Privado, divulgada em 2010. Como fica claro no título da apuração da Fundação Perseu Abramo, esse cenário não se limita à rede pública, sendo, portanto e infelizmente, um problema “democrático” em sua abrangência.

Sendo assim, não é inapropriado concluir que os dramas enfrentados no Brasil pelas grávidas não se reduzem às dores do parto. É preciso tomar atitudes buscando permitir que essa fase seja tão bem vivida quanto deveria ser. Por essa razão, é preciso que o Ministério da Saúde, em parceria com escolas, invista em campanhas de planejamento familiar, tendo como alvo a população carente e os adolescentes. É relevante, por fim, um maior controle por parte dos órgãos responsáveis, punindo os profissionais e hospitais que ajam de forma antiética, prejudicando a integridade da mulher e do recém-nascido, desde a fase pré-natal até o nascimento. Resguardando os direitos das gestantes, estaremos lutando pelo futuro de nosso país.