• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Redação Pronta – ENEM 2007

Olá, pessoal!

Em um dos comentários em posts passados, me foi pedido que postasse mais redações prontas do ENEM. Farei isso com maior frequência quando estivermos mais perto da prova, porque ainda darei dicas específicas para esta redação e esta banca, para que essas informações fiquem “quentinhas” na cabeça de vocês. No entanto, adianto uma delas. Este foi o tema da prova de 2007: O Desafio de Conviver com as Diferenças. Em tempos de discussões sobre união homoafetiva e bullying, achei interessante trazer uma discussão sobre diferenças pra vocês.

Revolução das Espécies

Na escola, estudamos a Teoria da Evolução das Espécies, que afirma que só os mais aptos são capazes de sobreviver. Aprendemos, também, que a biodiversidade é essencial para o equilíbrio e a manutenção da vida na Terra. Entretanto, o mais avançado dos animais, o homem, parece ainda relutar para conviver com diferenças ideológicas, individuais e culturais, esquecendo-se que, embora sejamos uma sociedade de massa, ainda guardamos individualidades e características próprias, vitais para a nossa própria sobrevivência.

A humanidade se vangloria dos avanços tecnológicos e nos meios de comunicação, porém, por vivermos em sociedades desiguais, nem todos têm acesso a eles. A falta de informação para e sobre alguns nichos sociais dificulta o intercâmbio cultural e acentua o desconhecimento em relação ao outro. Sabemos tanto sobre a Europa e tão pouco sobre os países da África justamente por causa dessa desconexão informacional.  Tal fato faz aumentar o preconceito em relação àquilo que é diferente, o que poderia ser reduzido com a obtenção e divulgação de informações de maneira democrática e igual.

Além disso, em um contexto capitalista e competitivo, vivencia-se uma disputa cada vez mais acirrada no mercado de trabalho. Enquanto lutamos por status e posições sociais, cultuamos o individualismo, o que nos deixa míopes. Visando o próprio crescimento e sobrevivência no concorrido mundo contemporâneo, ficamos tão preocupados com nós mesmos que passamos a não enxergar as diferenças particulares e singulares, tão válidas e importantes para o equilíbrio social. Não são necessárias lentes de aumento, mas menos egoísmo para percebermos os outros ao redor.

Ainda, cabe apontar a espetacularização das diferenças por parte da mídia. Esta, que veicula informações prontas e tendenciosas, estimula a cultura da superficialidade. Ao rotular etnias, culturas e religiões, apontando somente algumas características e vendendo-as como um todo definido, criam-se realidades distantes e redutoras. Tais estereótipos contribuem para a intolerância e para os julgamentos imediatos e sem base crítica. É por isso que relacionamos, de maneira ignorante, Oriente Médio a terrorismo e lutas religiosas, e Brasil a carnaval e futebol, como se isso os definisse.

Dessa maneira, é possível entender os motivos pelos quais o homem tem tanta dificuldade para lidar e conviver com as diferenças individuais e culturais. Todavia, precisamos abrir os olhos e usar nossa capacidade de raciocínio e escolha para convivermos com aquilo que é diferente de nós. É necessário juntarmos os conhecimentos que aprendemos em biologia, de Evolução a Biodiversidade, para compreendermos que elas possuem igual importância para o equilíbrio e manutenção de nossa espécie, e que as pluralidades tornam o ser humano tão interessante, único, e especial.

Compartilhe

Avatar

Olá!
Notei que na redação foi usado a 1 pessoa do plural ”estudamos” ”aprendemos” ….e também certa generalização como ”A humanidade se vangloria dos avanços tecnológicos”….(por favor me corrija se estiver errada)
Gostaria de saber se esses usos são bem aceitos e podem ser udados nas redações.
Obrigado.

responder
Avatar

Olá, Letícia. Bem, vamos lá: existe um mito sobre a tal da primeira pessoa em dissertações. Vamos desvendá-lo: de fato, não é adequado usar a primeira pessoa do SINGULAR, pois torna o seu texto muito pessoal pro que é desejado. No entanto, não há problema em usar a primeira pessoa do plural quando o autor está se incluindo em um grupo grande, como “brasileiros”, “homens contemporâneos” e “humanidade”. Quanto à generalização, foi uma constatação de um fato abragente, e não a crítica direta do parágrafo. Sendo assim, não há maiores problemas. Ficou claro? Beijos!

responder
Avatar

Você acha que sua redação valeria quanto ?
Pois achei muito boa..

responder
Avatar

Gabriel, a nota só a banca pode nos dizer, mas seguindo esse modelinho feijão com arroz, tenho certeza que menos de 8 você não tira! =)

responder