• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Você encontra tudo sobre funções da linguagem aqui!

Saiba tudo sobre funções da linguagem com este resumo!

funções da linguagem

A linguagem, como se sabe, estabelece comunicação entre os indivíduos, criando situações comunicativas. O processo comunicativo é formado por seis elementos:

  • Emissor ou destinador: alguém que emite a mensagem. Pode ser uma pessoa, um grupo, uma empresa, uma instituição.
  • Receptor ou destinatário: a quem se destina a mensagem. Pode ser uma pessoa, um grupo ou mesmo um animal, como um cão, por exemplo.
  • Código: a maneira pela qual a mensagem se organiza. O código é formado por um conjunto de sinais, organizados de acordo com determinadas regras, em que cada um dos elementos tem significado em relação com os demais. Pode ser a língua, oral ou escrita, gestos, código Morse, sons etc. O código deve ser de conhecimento de ambos os envolvidos: emissor e destinatário.
  • Canal de comunicação: meio físico ou virtual, que assegura a circulação da mensagem, como, por exemplo, ondas sonoras, no caso da voz. O canal deve garantir o contato entre emissor e receptor.
  • Mensagem: é o objeto da comunicação, constituída pelo conteúdo das informações transmitidas.
  • Referente: o contexto ao qual a mensagem se refere. O contexto pode se constituir na situação, nas circunstâncias de espaço e tempo em que se encontra o destinador da mensagem. Pode também dizer respeito aos aspectos do mundo textual da mensagem.

funções da linguagem

Quando se processa a comunicação, um ou mais desses elementos ficam em evidência, dependendo da intenção depreendida no contexto. Nesse sentido, quando o interlocutor dá ênfase a um desses elementos básicos da comunicação no processo comunicativo com o outro, afirma-se que há um determinado objetivo.

A comunicação pode existir para pedir informação sobre a localização de uma rua, para falar sobre sentimentos ou para convencer alguém da sua opinião, por exemplo. Assim, é preciso lembrar sempre que as situações comunicativas assumem funções, objetivos diferentes, dependendo do contexto em que estão inseridas – ou seja, cada uma tem suas características específicas.

Esses objetivos focalizam elementos da comunicação distintos e vão determinar as funções da linguagem em cada ato comunicativo. Confira as seguintes funções da linguagem:

Função emotiva

Dentre as funções da linguagem, a função emotiva é concentrada no emissor da mensagem e tem o objetivo de expressar os sentimentos, as emoções, as opiniões de quem constrói, passar a informação. Algumas características são normalmente encontradas nos textos com essa função:

  • Linguagem expressiva
  • Uso da primeira pessoa gramatical
  • Uso de adjetivações
  • Interjeições
  • Alguns sinais de pontuação, como as reticências e o ponto de exclamação

funções da linguagem

Função apelativa/conativa

A linguagem assume a função apelativa quando a intenção do emissor da mensagem é convencer, persuadir, envolver o destinatário da mensagem. O objetivo é, portanto, influenciar o comportamento do destinatário e, por isso, o foco da mensagem está nesse elemento da comunicação. Como exemplo, tem-se os textos publicitários, que têm por base esse tipo de função. Algumas marcas gramaticais podem ser utilizadas nesse tipo de função, como:

  • Presença de vocativo
  • Uso de segunda pessoa do discurso
  • Uso de verbos no imperativo
  • Interlocução

funções da linguagem

Função referencial

A função referencial tem como objetivo transmitir uma mensagem, informar o conteúdo de forma clara e objetiva ao receptor. Por isso, é muito utilizada nos textos informativos de jornais e revistas. Nesses textos, alguns aspectos gramaticais são comuns, como:

  • Uso da terceira pessoa do discurso
  • Opção pelo sentido denotativo
  • Uso de linguagem clara e precisa

funções da linguagem

Função fática

A linguagem assume função fática quando se preocupa em manter contato entre o emissor e o interlocutor. O objetivo desta é testar o canal para iniciar, prolongar ou terminar o processo comunicativo.  Além disso, possui também a intenção de manter um ambiente de relacionamento amistoso e favorável. Os cumprimentos, como o “alô” e o “tchau” ao telefone, são exemplos dessa função da linguagem.

funções da linguagem

Função metalinguística

Esta função refere-se à metalinguagem, que ocorre quando o emissor explica um código usando o próprio código. O foco, portanto, é o código. Os dicionários são exemplos dela, já que tem-se a língua portuguesa como código explicando o seu próprio uso.

funções da linguagem

Função poética

Tem-se a função poética da linguagem quando se percebe que a atenção do emissor da mensagem está voltada não apenas para o conteúdo, mas também para sua construção, para sua formulação. Trata-se da utilização da língua para produzir mensagens que chamem a atenção do leitor ou do ouvinte pela forma como estão construídas. O foco nesta função é, portanto, a mensagem. A seleção vocabular, a arrumação, o jogo de palavras, o ritmo e as figuras de linguagem marcam essa função. Muitas poesias e ditados populares apresentam, de maneira marcante, essa preocupação formal, e, por isso, podem ser tomados como exemplos também.

funções da linguagem

Exercícios

1. (ENEM 2010)

A biosfera, que reúne todos os ambientes onde se desenvolvem os seres vivos, se divide em unidades menores chamadas ecossistemas, que podem ser uma tem múltiplos mecanismos que regulam o número de organismos dentro dele, controlando sua reprodução, crescimento e migrações.
DUARTE, M. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Predomina no texto a função da linguagem

a) emotiva, porque o autor expressa seu sentimento em relação à ecologia.

b) fática, porque o texto testa o funcionamento do canal de comunicação.

c) poética, porque o texto chama a atenção para os recursos de linguagem.

d) conativa, porque o texto procura orientar comportamentos do leitor.

e) referencial, porque o texto trata de noções e informações conceituais.

2) (UERJ 2010)

Não-coisa

Ferreira Gullar
O que o poeta quer dizer
no discurso não cabe
e se o diz é pra saber
o que ainda não sabe.

Uma fruta uma flor
um odor que relume…
Como dizer o sabor,
seu clarão seu perfume?

Como enfim traduzir
na lógica do ouvido
o que na coisa é coisa
e que não tem sentido?

A linguagem dispõe
de conceitos, de nomes
mas o gosto da fruta
só o sabes se a comes

só o sabes no corpo
o sabor que assimilas
e que na boca é festa

de saliva e papilas
invadindo-te inteiro
tal do mar o marulho
e que a fala submerge
e reduz a um barulho,

um tumulto de vozes
de gozos, de espasmos,
vertiginoso e pleno
como são os orgasmos

No entanto, o poeta
desafia o impossível
e tenta no poema
dizer o indizível:

subverte a sintaxe
implode a fala, ousa
incutir na linguagem
densidade de coisa
sem permitir, porém,
que perca a transparência
já que a coisa ë fechada
à humana consciência.

O que o poeta faz
mais do que mencioná-la
é torná-la aparência
pura — e iluminá-la.

Toda coisa tem peso:
uma noite em seu centro.
O poema é uma coisa
que não tem nada dentro,

a não ser o ressoar
de uma imprecisa voz
que não quer se apagar
— essa voz somos nós.

Cadernos de literatura brasileira. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1998

A primeira estrofe expõe ideias no campo da metalinguagem, já que apresenta concepções acerca da própria linguagem poética. Os versos que mais se aproximam dessas ideias são:

a) Uma fruta uma flor / um odor que relume…

b) sem permitir, porém, / que perca a transparência

c) é torná-la aparência / pura – e iluminá-la.

d) Toda coisa tem peso: / uma noite em seu centro.

 

3) (ENEM 2009)

Canção do vento e da minha vida

O vento varria as folhas,
O vento varria os frutos,
O vento varria as flores…
E a minha vida ficava
Cada vez mais cheia
De frutos, de flores, de folhas.
[…]
O vento varria os sonhos
E varria as amizades…
O vento varria as mulheres…
E a minha vida ficava
Cada vez mais cheia
De afetos e de mulheres.

O vento varria os meses
E varria os teus sorrisos…
O vento varria tudo!
E a minha vida ficava
Cada vez mais cheia
De tudo.

BANDEIRA, M. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1967.

Predomina no texto a função da linguagem

a) fática, porque o autor procura testar o canal de comunicação.

b) metalinguística, porque há explicação do significado das expressões.

c) conativa, uma vez que o leitor é provocado a participar de uma ação.

d) referencial, já que são apresentadas informações sobre acontecimentos e fatos reais.

e) poética, pois chama-se a atenção para a elaboração especial e artística da estrutura do texto.

 

4) (UERJ 2012)

funções da linguagem

No último parágrafo (linhas 33 a 35), o autor se refere à plenitude da linguagem poética, fazendo, em seguida, uma descrição que corresponde à linguagem não poética, ou seja, à linguagem referencial.

Pela descrição apresentada, a linguagem referencial teria, em sua origem, o seguinte traço fundamental:

a) o desgaste da intuição

b) a dissolução da memória

c) a fragmentação da experiência

d) o enfraquecimento da percepção

 

5) (ENEM 2009)
funções da linguagem

Os principais recursos utilizados para envolvimento e adesão do leitor à campanha institucional incluem

a) o emprego de enumeração de itens e apresentação de títulos expressivos.

b) o uso de orações subordinadas condicionais e temporais.

c) o emprego de pronomes como “você” e “sua” e o uso do imperativo.

d) a construção de figuras metafóricas e o uso de repetição.

e) o fornecimento de número de telefone gratuito para contato.

GABARITO

1) E
2) C
3) E
4) C
5) C
JÁ SABE TUDO SOBRE FUNÇÕES DA LINGUAGEM? E O GABARITO DO ENEM, SABE ONDE ENCONTRAR? CONFIRA AQUI!