• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Quais são as principais características do texto literário?

O texto literário se diferencia do texto referencial, sobretudo, por sua carga estética. Esse tipo textual exerce uma linguagem ficcional, além de fazer referência à função poética da linguagem. O professor Eduardo Valladares explica um poucos mais sobre isso, dá só uma olhada:

Quais são as principais características do texto literários?

O texto literário se diferencia do texto referencial, sobretudo, por sua carga estética. Esse tipo textual exerce uma linguagem ficcional, além de fazer referência à função poética da linguagem.

Há uma constante discussão sobre a função e a estrutura do texto literário, ou ainda, a sobre a dificuldade de se entenderem os enigmas, as ambiguidades, as metáforas da literatura. Contudo, são esses elementos que constituem o atrativo do texto literário:  a escrita diferenciada, o trabalho com a palavra, seu aspecto conotativo, seus enigmas.

Sem dúvida, a literatura apresenta-se como o instrumento artístico de análise de mundo e de compreensão do homem. Sófocles, Camões, Shakespeare, Rousseau, Dostoievski, Machado de Assis, Eça de Queiroz, Kafka, Clarice Lispector… todos esses autores, preocupados com o grande mistério: entender a alma humana.

Cada época conceituou a literatura e suas funções de acordo com a realidade, o contexto histórico e cultural e, também, os anseios dos indivíduos daquele momento. Veja os principais conceitos de literatura:

I)Arte é imitação (mimesis em grego)”. “O imitar é congênito no homem (e nisso difere dos outros viventes, pois, de todos, é ele o mais imitador e, por imitação, apreende as primeiras lições), e os homens se comprazem no imitado”. (Aristóteles)

II)Uma coisa é escrever como poeta, outra coisa como historiador: o poeta pode contar ou cantar coisas não como foram, mas como deveriam ter sido, enquanto o historiador deve relatá-las não como deveriam ter sido, mas como foram, sem acrescentar ou subtrair da verdade o que quer que seja”. (Miguel de Cervantes)

III)Literatura é arte e só pode ser encarada como arte. É a arte pela arte.” (Leconte de Lisle)

IV) “Literatura é a linguagem carregada de significado. Grande literatura é a linguagem carregada de significado até o máximo grau possível.” (Ezra Pound)

V) “A arte, e portanto a literatura, é uma transposição do real para o ilusório por meio de uma estilização formal da linguagem, que propõe um tipo arbitrário de ordem para as coisas, os seres, os sentimentos.” (Antonio Candido)

VI)A literatura, como toda arte, é uma transfiguração do real, é a realidade recriada através do espírito do artista e retransmitida através da língua para as formas, que são os gêneros e, com os quais, ela toma corpo e nova realidade.” (Afrânio Coutinho)

 

Características do Texto Literário  

  • Plurissignificação: as palavras, no texto literário, assumem vários significados. Valoriza Texto -se a linguagem conotativa, ou seja, o sentido figurado.
  • Ficcionalidade: os textos baseiam-se no real, transfigurando-o, recriando-o. Em outras palavras, o alcance da escrita ultrapassa para além do real.
  • Aspecto subjetivo: o texto apresenta, normalmente, o olhar pessoal do artista, suas experiências e emoções.
  • Ênfase na função poética da linguagem: o texto literário manipula a palavra, revestindo-a de caráter artístico. O artista apresenta na obra literária a sua visão perante seus anseios e exerce uma postura diante do mundo e das pretensões humanas.
A obra de Machado de Assis, nomeada como “Dom Casmurro” é um dos textos mais lidos e discutidos, no âmbito literário, entre leitores e estudiosos.

A obra de Machado de Assis, nomeada como “Dom Casmurro” é um dos textos mais lidos e discutidos, no âmbito literário, entre leitores e estudiosos.

 

 

Exercícios

 1. (ENEM) Érico Veríssimo relata, em suas memórias, um episódio da adolescência que teve influência significativa em sua carreira de escritor.

Lembro-me de que certa noite, eu teria uns quatorze anos, quando muito, encarregaram-me de segurar uma lâmpada elétrica à cabeceira da mesa de operações, enquanto um médico fazia os primeiros curativos num pobre-diabo que soldados da Polícia Municipal haviam carneado. (…) Apesar do horror e da náusea, continuei firme onde estava, talvez pensando assim: se esse caboclo pode aguentar tudo isso sem gemer, por que não hei de poder ficar segurando esta lâmpada para ajudar o doutor a costurar esses talhos e salvar essa vida? (…) 

Desde que, adulto, comecei a escrever romances, tem-me animado até hoje a ideia de que o menos que o escritor pode fazer, numa época de atrocidades e injustiças como a nossa, é acender a sua lâmpada, fazer luz sobre a realidade de seu mundo, evitando que sobre ele caia a escuridão, propícia aos ladrões, aos assassinos e aos tiranos. Sim, segurar a lâmpada, a despeito da náusea e do horror. Se não tivermos uma lâmpada elétrica, acendamos o nosso toco de vela ou, em último caso, risquemos fósforos repetidamente, como um sinal de que não desertamos nosso posto.

(VERÍSSIMO, Érico. Solo de Clarineta. Tomo I. Porto Alegre: Editora Globo, 1978.)

Neste texto, por meio da metáfora da lâmpada que ilumina a escuridão, Érico Veríssimo define como uma das funções do escritor e, por extensão, da literatura,

a) criar a fantasia.
b) permitir o sonho.
c) denunciar o real.
d) criar o belo.
e) fugir da náusea.

 

 

2. (ENEM)

Do pedacinho de papel ao livro impresso vai uma longa distância. Mas o que o escritor quer, mesmo, é isso: ver o seu texto em letra de forma. A gaveta é ótima para aplacar a fúria criativa; ela faz amadurecer o texto da mesma forma que a adega faz amadurecer o vinho. Em certos casos, a cesta de papel é melhor ainda.

O período de maturação na gaveta é necessário, mas não deve se prolongar muito. ‘Textos guardados acabam cheirando mal’, disse Silvia Plath, (…) que, com esta frase, deu testemunho das dúvidas que atormentam o escritor: publicar ou não publicar? guardar ou jogar fora?

 (Moacyr Scliar. O escritor e seus desafios.)

Nesse texto, o escritor Moacyr Scliar usa imagens para refletir sobre uma etapa da criação literária. A ideia de que o processo de maturação do texto nem sempre é o que garante bons resultados está sugerida na seguinte frase:

a) “a gaveta é ótima para aplacar a fúria criativa.”
b) “em certos casos, a cesta de papel é melhor ainda.”
c) “o período de maturação na gaveta é necessário, (…).”
d) “mas o que o escritor quer, mesmo, é isso: ver o seu texto em letra de forma.”
e) “ela (a gaveta) faz amadurecer o texto da mesma forma que a adega faz amadurecer o vinho.”

 

 

3. (UERJ) Texto para as questões 3 e 4.

  (…) Não resguardei os apontamentos obtidos em largos dias e meses de observação: num momento de aperto fui obrigado a atirá-los na água. Certamente me irão fazer falta, mas terá sido uma perda irreparável?

  Quase me inclino a supor que foi bom privar-me desse material. Se ele existisse, ver-me-ia propenso a consultá-lo a cada instante, mortificar-me-ia por dizer com rigor a hora exata de uma partida, quantas demoradas tristezas se aqueciam ao sol pálido, em manhã de bruma, a cor das folhas que tombavam das árvores, num pátio branco, a forma dos montes verdes, tintos de luz, frases autênticas, gestos, gritos, gemidos. Mas que significa isso?

  Essas coisas verdadeiras não ser verossímeis. E se esmoreceram, deixá-las no esquecimento: valiam pouco, pelo menos imagino que valiam pouco. Outras, porém, conservaram-se, cresceram, associaram-se, e é inevitável mencioná-las. Afirmarei que sejam absolutamente exatas? Leviandade.

  (…) Nesta reconstituição de fatos velhos, neste esmiuçamento, exponho o que notei, o que julgo ter notado. Outros devem possuir lembranças diversas. Não as contesto, mas espero que não recusem as minhas: conjugam-se, completam-se e me dão hoje impressão de realidade (…)

(RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. Rio, São Paulo: Record, 1984.)

O fragmento transcrito expressa uma reflexão do autor-narrador quanto à escrita de seu livro contando a experiência que viveu como preso político, durante o Estado Novo. No que diz respeito às relações entre escrita literária e realidade, é possível depreender, da leitura do texto, a seguinte característica da literatura:

a) revela ao leitor vivências humanas concretas e reais.
b) representa uma conscientização do artista sobre a realidade.
c) dispensa elementos da realidade social exterior à arte literária.
d) constitui uma interpretação de dados da realidade conhecida.

 Veja como resolver essa questão passo-a-passo!

 

 

4. (UERJ) Por causa da perda das anotações, relatada pelo narrador, o texto é impregnado de dúvidas acerca da exatidão do que será levantado no livro. O trecho que melhor representa um exemplo dessas dúvidas é:

a) “Quase me inclino a supor que foi bom privar-me desse material”.
b) “Outras, porém, conservaram-se, cresceram, associaram-se, e é inevitável mencioná-las”.
c) “neste esmiuçamento, exponho o que notei, o que julgo ter notado”.
d) “Não as contesto, mas espero que não recusem as minhas”.

 

 

5. (UERJ) A relação entre autor e narrador pode assumir feições diversas na literatura. Pode-se dizer que tal relação tem papel fundamental na caracterização de textos que, a exemplo do livro de Graciliano Ramos, constituem uma autobiografia – gênero literário definido como relato da vida de um indivíduo feito por ele mesmo.

A partir dessa definição, é possível afirmar que o caráter autobiográfico de uma obra é reconhecido pelo leitor em virtude de:

a) conteúdo verídico das experiências pessoais e coletivas relatadas;
b) identidade de nome entre autor, narrador e personagem principal;
c) possibilidade de comprovação histórica de contextos e fatos narrados;
d) notoriedade do autor e de sua história junto ao público e à sociedade.

 

 

6 (UERJ-Adaptada) Observe atentamente o trecho transcrito abaixo.

(…) o objetivo da poesia (e da arte literária em geral) não é o real concreto, o verdadeiro, aquilo que de fato aconteceu, mas sim o verossímil, o que pode acontecer, considerado na sua universalidade.

(SILVA, Vítor M. de A. Teoria da Literatura. Coimbra: Almedina, 1982.)

 

A partir da leitura do fragmento, pode-se deduzir que a obra literária tem o seguinte objetivo:

a) opor-se ao real para afirmar a imaginação criadora;
b) anular a realidade concreta para superar contradições aparentes;
c) construir uma aparência de realidade para expressar dado sentido;
d) buscar uma parcela representativa do real para contestar sua validade.

 

 

7) (ENEM) Óbito do autor

(…) expirei às duas horas da tarde de uma sexta-feira do mês de agosto de 1869, na minha bela chácara de Catumbi. Tinha uns sessenta e quatro anos, rijos e prósperos, era solteiro, possuía cerca de trezentos contos e fui acompanhado ao cemitério por onze amigos. Onze amigos! Verdade é que não houve cartas nem anúncios. Acresce que chovia – peneirava – uma chuvinha miúda, triste e constante, tão constante e tão triste, que levou um daqueles fiéis da última hora a intercalar esta engenhosa ideia no discurso que proferiu à beira de minha cova:
– ”Vós, que o conhecestes, meus senhores, vós podeis dizer comigo que a natureza parece estar chorando a perda irreparável de um dos mais belos caracteres que tem honrado a humanidade. Este ar sombrio, estas gotas do céu, aquelas nuvens escuras que cobrem o azul como um crepe funéreo, tudo isto é a dor crua e má que lhe rói à natureza as mais íntimas entranhas; tudo isso é um sublime louvor ao nosso ilustre finado.” (….)

 (Adaptado. Machado de Assis. Memórias póstumas de Brás Cubas.  Ilustrado por Cândido Portinari. Rio de Janeiro: Cem Bibliófilos do Brasil, 1943. p.1.)

01

(Portinari)

Compare o texto de Machado de Assis com a ilustração de Portinari. É correto afirmar que a ilustração do pintor:

a) apresenta detalhes ausentes na cena descrita no texto verbal.
b) retrata fielmente a cena descrita por Machado de Assis.
c) distorce a cena descrita no romance.
d) expressa um sentimento inadequado à situação.
e) contraria o que descreve Machado de Assis.

 Veja como resolver essa questão passo-a-passo!

 

 

8. (ENEM)

Esta manhã acordo e

não a encontro.

Britada em bilhões de lascas

deslizando em correia transportadora

entupindo 150 vagões

no trem-monstro de 5 locomotivas

– trem maior do mundo, tomem nota –

foge minha serra, vai

deixando no meu corpo a paisagem

misero pó de ferro, e este não passa.

(Carlos Drummond de Andrade. Antologia poética. Rio de Janeiro: Record, 2000)

A situação poeticamente descrita acima sinaliza, do ponto de vista ambiental, para a necessidade de:

I- manter-se rigoroso controle sobre os processos de instalação de novas mineradoras.
II- criarem-se estratégias para reduzir o impacto ambiental no ambiente degradado.
III- reaproveitarem-se materiais, reduzindo-se a necessidade de extração de minérios.

É correto o que se afirma em:

a) apenas em I.
b) apenas em II.
c) apenas em I e II.
d) apenas em II e III.
e) em I, II e III.

 

 

GABARITO

1. C

2. B

3. D

4. C

5. B

6. C

7. A

8. E