• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

Ainda tem dúvidas sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade? Vem cá que a gente resolve todas!

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

 

1. Ambiguidade

Ambíguo é tudo aquilo que pode ter mais de um sentido.

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

Você sabia que ambiguidade também pode ser chamado de “Anfibologia”?

Anfibologia vem do grego amphibolia e é considerado um vício de linguagem. É a duplicidade de sentido em uma construção sintática, quando permite mais de uma interpretação.

A ambiguidade pode ser proposital ou não. Quando não é proposital, pode-se chamar de ato falho ou acontecer por descuido de quem fala ou escreve na organização sintática.

 Ex.: Matarei o porco do meu tio hoje. (Matarei o animal que pertence ao meu tio? Ou, além de xingar meu tio, ainda cometerei um assassinato?)

Existem dois tipos de ambiguidade, a lexical e a estrutural.

 

a) Ambiguidade Lexical

Quando uma determinada palavra pode assumir mais de um significado, como acontece com a polissemia:

Ex.: Pedi o prato mais caro!

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

 

b) Ambiguidade Estrutural

Quando a ambiguidade é provocada pela posição das palavras em um enunciado, gerando má compreensão.

Ex.: Ana ficou chateada com minha irmã por sua casa estar desarrumada. (A casa de quem está desarrumada? De Ana ou de minha irmã?)

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

A palavra “sua” pode referir-se tanto à casa de Ana quanto à de minha irmã, causando a ambiguidade.

 

2. Polissemia

Você sabia que existe um termo oposto a “Polissemia”? Monossemia é quando uma palavra assume apenas um significado.

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

A palavra “polissemia” é originária do grego polysemos, que significa “algo que tem muitos significados”.

A palavra “vela”, por exemplo, dependendo do contexto, pode significar a vela de um barco, uma vela feita de cera para iluminar ou pode ser uma conjugação do verbo “velar” (Ela vela por seu filho durante o sono).

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

Jamais pense nisso!

Existe bastante confusão entre polissemia e homonímia. Para desfazer a confusão, basta prestarmos atenção em alguns pontos.

A palavra “manga” possui significados e conceitos completamente diferentes: uma fruta ou a parte de uma camisa. Não há relação entre um significado e outro, o que constitui homonímia.

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

Muito menos pense nisto!

Já a palavra “letra” pode significar um elemento básico do alfabeto, o texto de uma canção ou a caligrafia de uma pessoa, neste caso, temos a polissemia, uma vez que todos os significados estão relacionados ao mesmo conceito: “a escrita”.

 

3. Tipos de Discurso

Podemos ter três tipos de discurso em um texto: o Discurso Direto, o Discurso Indireto e o Discurso Indireto Livre.

a) Discurso Direto

Ocorre quando a reprodução da fala dos personagens é feita fielmente, sem interferência do narrador.

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

b) Discurso Indireto

Ocorre quando o narrador interfere na fala do personagem explicando o que foi dito. Não existe a fala própria do personagem.

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

c) Discurso Indireto Livre

Quando ocorrem, simultaneamente, os dois tipos de discurso: há intervenção do narrador, assim como a fala dos personagens, porém não existe o uso do travessão.

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

 

4. Intertextualidade

Ocorre intertextualidade quando existe referência explícita ou implícita de um texto em outro. Existem duas formas de intertextualidade: a paráfrase e a paródia.

a) Paráfrase

Quando as palavras são alteradas, mas a ideia do texto original continua a mesma.

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

A artista Jane Perkins recria a Mona Lisa a partir de fragmentos de objetos sem adicionar a isso um efeito cômico ou crítico, logo, é uma paráfrase da obra de Leonardo DaVinci.

b) Paródia

Quando existe a ideia de contestar ou ridicularizar outro texto, ocorrendo choque de interpretação.

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

Maurício de Souza apresenta um tom cômico à obra de Renoir, “Rosa e Azul”, através de suas personagens Magali e Mônica.

Compartilhe

Avatar

Não entendi o exemplo de vela ser polissemia, qual relação existe entre os significados de vela de cera, vela de barco e da conjugação do verbo velar?

responder
Avatar

Oi, Sabrine! É simples: Polissemia significa que uma mesma palavra possui diversos significados diferentes (poli = muito, sema = significado) A palavra “vela” é uma dessas. Dizendo a palavra sem nenhuma contextualização, podemos ficar sem saber do que se trata, porém, se eu digo “Vou apagar a vela”, com certeza você não irá pensar na vela do barco ou no verbo “velar”, se eu digo “É preciso içar a vela”, certamente você não vai pensar na vela que ilumina ou no verbo e se eu disser “A mãe vela pelo filho adormecido”, você não vai confundir com as outras “velas”. O pulo do gato é esse, o que diferencia a polissemia da ambiguidade. As palavras polissêmicas não estabelecem nenhuma conexão que permita confusão dentro de um contexto, as palavras ambíguas, sim. Os pronomes “seu”, “sua”, “seus”, “suas” causam muitos problemas por ambiguidade, por exemplo: “Meu pai estava em SEU escritório.” Afinal, o escritório pertence a você ou ao meu pai? Espero ter ajudado! Bjs. Qualquer coisa, grita aqui!!!!

responder
Avatar

tudo depende do contexto em que a palavra está inserida. È isso?

responder
Avatar

Mais ou menos, Claudio! Na verdade, vai depender do contexto quando se tratar de polissemia (vários significados para uma mesma palavra). Por exemplo, “banco” pode ser um lugar para se sentar ou uma instituição para fazer pagamentos, recebimentos etc. Se eu digo: “Preciso achar um banco para descansar”, certamente você vai entender que eu estou cansado e preciso de um banco para me sentar. Se eu digo que comi duas mangas, você vai entender que eu comi duas frutas e não mangas de camisas. Nessas situações de palavras polissêmicas, você vai entender pelo contexto. Em relação à ambiguidade, você vai precisar de uma outra explicação. Se eu digo que o cachorro do meu vizinho foi atropelado, a palavra “cachorro” é ambígua, estou xingando o meu vizinho ou ele tem um cachorro que foi atropelado? As palavras ambíguas não dependem do contexto, elas possuem “duplo sentindo”, permitem um duplo entendimento em uma mesma oração. Acontece muito com os pronomes “seu, sua, seus, suas”. Por exemplo: “O policial prendeu o assaltante em sua casa”. O assaltante estava na casa do policial ou o policial estava na casa do assaltante? Resumindo: a polissemia você entende pelo contexto, a ambiguidade necessita de maiores explicações para desfazer o duplo sentido. Pegou? Qualquer coisa, grita que a gente tá aqui! 😉

responder